O ter­ror ‘so­ci­al’ de ‘Mor­to Não Fa­la’ tem a ca­ra do País

Ci­ne­ma. Lon­ga de Den­ni­son Ra­ma­lho com Da­ni­el de Oli­vei­ra es­treia ho­je no Brasil após dar a vol­ta ao mun­do em fes­ti­vais

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Luiz Car­los Mer­ten

Na ori­gem de Mor­to Não Fa­la, o lon­ga de Den­ni­son Ra­ma­lho que es­treia nes­ta quin­ta, 10 – de­pois de ro­dar 40 fes­ti­vais de to­do o mun­do e es­tre­ar, por stre­a­ming, em paí­ses co­mo EUA e Aus­trá­lia –, es­tá o con­to do jor­na­lis­ta Mar­co de Cas­tro, pu­bli­ca­do em seu blog, Ca­sa do Ter­ror.

Quem já se acos­tu­mou ao ci­ne­ma bra­si­lei­ro de gê­ne­ro, mas ain­da gu­ar­da al­gum com­ple­xo de in­fe­ri­o­ri­da­de, achan­do que o ter­ror dos grin­gos é me­lhor, va­le des­ta­car que o

New York Times não dei­xou por me­nos e co­lo­cou The Nightshif­ter no mes­mo pla­no de

Nós, de Jor­dan Pel­le, en­tre os me­lho­res do ano. No si­te Rot­ten To­ma­to­es, o ín­di­ce de apro­va­ção é de 92%. E tu­do co­me­çou com o que se­ria uma sé­rie, quan­do a Glo­bo en­co­men­dou um pro­je­to à Ca­sa de Ci­ne­ma de Por­to Ale­gre. A pro­du­to­ra No­ra Gou­lart foi atrás de Den­ni­son, que fa­zia dou­to­ra­do de ci­ne­ma nos EUA, na Uni­ver­si­da­de Co­lum­bia. A sé­rie ter­mi­nou vi­ran­do fil­me – vo­cê já de­ve ter visto as cha­ma­das e o trai­ler na TV, por­que a Glo­bo to­mou a si a di­vul­ga­ção.

Pa­ra quem se quei­xa da fal­ta de vi­si­bi­li­da­de da pro­du­ção bra­si­lei­ra no mer­ca­do – só nes­ta se­ma­na es­trei­am 12 fil­mes, dos quais 8 são na­ci­o­nais e a mai­o­ria en­tra pa­ra o sa­cri­fí­cio, em uma ou du­as sa­las, um ou dois ho­rá­ri­os –, é bom sa­ber que Mor­to Não Fa­la en­tra com chan­ce de fa­tu­rar. O fil­me, aliás, foi pro­du­zi­do sem leis de in­cen­ti­vo, ou­tra pro­va de que to­do mun­do en­vol­vi­do acre­di­ta no pro­du­to.

O fil­me traz Da­ni­el de Oli­vei­ra co­mo le­gis­ta num ne­cro­té­rio. Acos­tu­ma­do a vi­ver en­tre os mor­tos, ele con­se­guiu en­ta­bu­lar a co­mu­ni­ca­ção com eles. Os mor­tos não só fa­lam co­mo fo­fo­cam, e lhe con­tam que sua mu­lher es­tá ten­do um ca­so. Pos­ses­so, Da­ni­el, que se cha­ma Stê­nio, man­da ma­tar o ri­val. A se­de de vin­gan­ça só não vi­ra co­mé­dia de er­ros por­que o ob­je­ti­vo não é fa­zer rir, mas pro­vo­car me­do. Um dra­ma de er­ros, brin­ca a atriz Fa­biu­la Nas­ci­men­to, que faz a mu­lher. Uma coi­sa le­va a ou­tra, ela tam­bém quer se vin­gar e a des­gra­cei­ra vi­ra bo­la de ne­ve.

Di­re­tor de cur­tas, Den­ni­son não se ad­mi­ra tan­to com a aco­lhi­da a Mor­to Não Fa­la em fes­ti­vais de gê­ne­ros. Ad­mi­ra-se, is­so sim, que cu­ra­do­res de fes­ti­vais não seg­men­ta­dos te­nham visto as qua­li­da­des do fil­me e o te­nham apre­sen­ta­do com obras com re­fe­ren­ci­al de ar­te.

Den­ni­son cur­te o gê­ne­ro, co­mo sa­be quem viu seus cur­tas, mas, co­mo ro­tei­ris­ta, es­tá li­ga­do à sé­rie Car­ce­rei­ros. “Tu­do o que te­nho fei­to, de uma for­ma ou ou­tra, me li­ga ao ne­cro­té­rio ou à pri­são. O Mar­co (de Cas­tro) é re­pór­ter po­li­ci­al, co­nhe­ce es­se universo. Mui­ta gen­te che­gou a fa­zer a li­ga­ção en­tre Mor­to Não Fa­la e o ci­ne­ma de Ge­or­ge Ro­me­ro – A Noi­te dos Mor­tos-Vi­vos – por­que, mes­mo que não qui­sés­se­mos, a mor­gue vi­ra re­pre­sen­ta­ção da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra. Na­que­las me­sas em que o Stê­nio tra­ba­lha tem ne­gros de­mais mor­tos, e ví­ti­mas da vi­o­lên­cia po­li­ci­al. A pre­o­cu­pa­ção foi sem­pre fa­zer um ter­ror de ma­triz bra­si­lei­ra, taí nos­sa con­tri­bui­ção.”

Não ape­nas. Stê­nio/Da­ni­el, além de dar du­ro nas noi­tes do ne­cro­té­rio, mo­ra nu­ma pe­ri­fe­ria vi­o­len­ta e é de­tes­ta­do pe­la mu­lher – a que o trai. Da­ni­el em­bar­cou no cli­ma mór­bi­do e no­tur­no. “Che­gou a apren­der a cos­tu­rar ca­dá­ve­res”, re­su­me o di­re­tor.

Fa­biu­la Nas­ci­men­to, que faz su­ces­so na atu­al no­ve­la das 7 – Bom Su­ces­so –, cur­tiu de­mais a ex­pe­ri­ên­cia ter­ro­rí­fi­ca (ape­sar das ho­ras de ma­qui­a­gem, to­do dia). “Es­se ne­gó­cio de gri­tar (e ela gri­ta ao te­le­fo­ne) é mui­to di­ver­ti­do.” Ja­mie Lee Cur­tis tor­nou-se co­nhe­ci­da co­mo rai­nha do gri­to, scre­a­ming qu­e­en, na fic­ção de Hollywo­od. Mar­co Ric­ca e Bi­an­ca Com­pa­ra­to, co­mo fi­lha de­le, com­ple­tam o elen­co prin­ci­pal. A per­so­na­gem de Fa­biu­la não é flor que se chei­re, mas o ma­ri­do – Stê­nio – é um ca­na­lha. Ma­chis­ta, não su­por­ta ser traído e co­me­ça to­da es­sa con­fu­são.

Den­ni­son Ra­ma­lho re­fle­te: “A am­bi­gui­da­de mo­ral é pró­pria do ci­ne­ma de gê­ne­ro, e do ter­ror. São per­so­na­gens que vi­a­jam no seu la­do som­brio, mas tam­bém é pró­pria do gê­ne­ro a ideia da re­den­ção. Exis­te a pos­si­bi­li­da­de de que o tema sur­ja prin­ci­pal­men­te na sé­rie – sim, há boa pos­si­bi­li­da­de de que Mor­to Não Fa­la ter­mi­ne vi­ran­do sé­rie”.

Jus­ta­men­te, os mor­tos que fa­lam. Se os ca­ras es­tão mor­tos, e imó­veis, co­mo po­dem fa­lar? “Tem tru­ca­gem nis­so. Pro­vi­den­ci­a­mos bo­ne­cos idên­ti­cos aos ato­res, e são eles que mo­vem os lábios. Da jun­ção di­gi­tal de bo­ne­cos e ato­res sai a fa­la. É um re­cur­so sim­ples, mas em to­do o mun­do as pes­so­as cur­tem.”

Vi­o­lên­cia

“Tu­do o que te­nho fei­to, de uma for­ma ou ou­tra, me li­ga ao ne­cro­té­rio ou à pri­são. Na­que­las me­sas em que o le­gis­ta Stê­nio (Da­ni­el de Oli­vei­ra) tra­ba­lha tem ne­gros de­mais mor­tos, e ví­ti­mas da vi­o­lên­cia po­li­ci­al” Den­ni­son Ra­ma­lho

DI­RE­TOR

PAGU PICTURES

Gri­tos e sus­sur­ros. Os mor­tos se co­mu­ni­cam com o mé­di­co­le­gis­ta Stê­nio, vi­vi­do por Da­ni­el de Oli­vei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.