In­for­ma­ção so­bre câncer de ma­ma avan­ça­do é ques­tão de saú­de pú­bli­ca

É im­por­tan­te que cam­pa­nhas man­te­nham fo­co no di­ag­nós­ti­co pre­co­ce, mas sem dei­xar de la­do es­cla­re­ci­men­tos so­bre tu­mo­res me­tas­tá­ti­cos

O Estado de S. Paulo - - Fórum Estadão -

Ano após ano, a cam­pa­nha de cons­ci­en­ti­za­ção so­bre o câncer de ma­ma, co­nhe­ci­da co­mo Ou­tu­bro Ro­sa, tem des­ta­ca­do a im­por­tân­cia do di­ag­nós­ti­co pre­co­ce da do­en­ça. Há uma boa ra­zão pa­ra is­so: no Brasil, boa par­te dos tu­mo­res é de­tec­ta­da em es­tá­gi­os avan­ça­dos, o que ele­va a mor­ta­li­da­de. En­tre­tan­to, é im­por­tan­te que as cam­pa­nhas con­tem­plem tam­bém as pa­ci­en­tes com câncer de ma­ma me­tas­tá­ti­co, cu­jos tra­ta­men­tos es­tão evo­luin­do ra­pi­da­men­te nos úl­ti­mos anos.

A me­tás­ta­se acon­te­ce quan­do as cé­lu­las can­ce­ro­sas se es­pa­lham pa­ra além do tu­mor pri­má­rio lo­ca­li­za­do nos te­ci­dos ma­má­ri­os e lin­fo­no­dos des­sa re­gião, atin­gin­do ou­tros ór­gãos, co­mo os os­sos, o pul­mão, o fí­ga­do, o cé­re­bro ou os ová­ri­os, por exem­plo. Es­se di­ag­nós­ti­co, no en­tan­to, não re­pre­sen­ta mais uma sen­ten­ça de mor­te imi­nen­te co­mo há al­guns anos, de­vi­do ao avan­ço dos re­cur­sos te­ra­pêu­ti­cos, de acor­do com Ruf­fo Frei­tas-Ju­ni­or, mas­to­lo­gis­ta da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Goiás e mem­bro da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Mas­to­lo­gia (SBM). “No­vas dro­gas es­tão sen­do des­co­ber­tas, e seu uso es­tá mo­di­fi­can­do com­ple­ta­men­te a pers­pec­ti­va das pa­ci­en­tes”, afir­ma. De­pen­den­do do ti­po de câncer e das no­vas dro­gas dis­po­ní­veis, es­sas mu­lhe­res po­de­rão ter uma vi­da lon­ga e de qua­li­da­de.

Ta­ma­nho x tem­po x ti­po

As chan­ces de que um câncer me­tas­tá­ti­co se­ja de­tec­ta­do já no pri­mei­ro di­ag­nós­ti­co é de cer­ca de 7%, se­gun­do es­ta­tís­ti­cas da SBM. Na mai­or par­te dos ca­sos, por­tan­to, os tu­mo­res não são me­tas­tá­ti­cos; es­tão lo­ca­li­za­dos ape­nas na ma­ma. De acor­do com o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Câncer (In­ca), es­ti­ma-se que 59,7 mil mu­lhe­res se­jam di­ag­nos­ti­ca­das com câncer de ma­ma no Brasil em 2019. A ca­da ano, em to­da a Amé­ri­ca La­ti­na, são di­ag­nos­ti­ca­dos 150 mil no­vos ca­sos de câncer de ma­ma me­tas­tá­ti­co.

A pos­si­bi­li­da­de de ha­ver me­tás­ta­se é ava­li­a­da no mo­men­to do di­ag­nós­ti­co, com ba­se em três va­riá­veis prin­ci­pais. O pri­mei­ro fa­tor é o ta­ma­nho: os tu­mo­res me­no­res têm mui­to mais chan­ce de se­rem me­tas­tá­ti­cos. O se­gun­do é o tem­po de de­sen­vol­vi­men­to da do­en­ça. E o ter­cei­ro é o ti­po de tu­mor. “A ques­tão da agres­si­vi­da­de é o prin­ci­pal fa­tor.” Se­gun­do Frei­tas-Ju­ni­or, a pre­ci­são no mo­men­to do di­ag­nós­ti­co é cru­ci­al pa­ra a efi­cá­cia da es­tra­té­gia de tra­ta­men­to. Mui­to mais im­por­tan­te do que fa­zer uma ci­rur­gia ra­di­cal é ter um di­ag­nós­ti­co cor­re­to e de­fi­nir as ar­mas te­ra­pêu­ti­cas que se­rão em­pre­ga­das, den­tro de uma es­tra­té­gia glo­bal de ma­ne­jo do tu­mor, con­du­zi­da por uma equi­pe mul­ti­dis­ci­pli­nar.

No ca­so do câncer me­tas­tá­ti­co, a as­so­ci­a­ção das di­fe­ren­tes te­ra­pi­as – ci­rur­gia, ra­di­o­te­ra­pia, qui­mi­o­te­ra­pia, terapia hor­mo­nal, terapia-al­vo ou imu­no­te­ra­pia – é mui­to mais efi­caz que o uso de uma só, co­mo uma ci­rur­gia agres­si­va. De acor­do com Frei­tas-Ju­ni­or, avan­ços tec­no­ló­gi­cos tor­na­ram a ra­di­o­te­ra­pia mais se­gu­ra, com me­nos efei­tos co­la­te­rais. Mas o au­men­to da so­bre­vi­da das pa­ci­en­tes de tu­mo­res de ma­ma me­tas­tá­ti­cos de­cor­re, so­bre­tu­do, do de­sen­vol­vi­men­to de no­vos fár­ma­cos. “Nas dé­ca­das de 1970 e 1980, a mu­lher com câncer de ma­ma me­tas­tá­ti­co es­ta­va fa­da­da a mor­rer nos cin­co pri­mei­ros anos. Ho­je, pe­lo me­nos 30% de­las so­bre­vi­vem cin­co anos e, de­pen­den­do do sub­gru­po do tu­mor, es­se nú­me­ro po­de che­gar a 50% – al­go ini­ma­gi­ná­vel no pas­sa­do”, afir­ma.

Os on­co­lo­gis­tas di­vi­dem os tu­mo­res de ma­ma em três sub­ti­pos prin­ci­pais. Um de­les, co­nhe­ci­do co­mo HER2, aco­me­te mu­lhe­res com ní­veis al­tos da pro­teí­na HER2, li­ga­da ao cres­ci­men­to do tu­mor. O se­gun­do é o tu­mor de­pen­den­te de hormô­nio (es­tro­gê­nio e pro­ges­te­ro­na). E o ter­cei­ro é o cha­ma­do “tri­plo ne­ga­ti­vo”, por não ter li­ga­ção com o fa­tor de cres­ci­men­to, nem com os dois hormô­ni­os. “Os mais fre­quen­tes são os tu­mo­res de­pen­den­tes de hormô­nio, que têm si­do tra­ta­dos com grande su­ces­so com uma clas­se de dro­gas bi­o­ló­gi­cas co­nhe­ci­da co­mo ini­bi­do­res de ci­cli­na”, diz Frei­tas-Ju­ni­or.

Já os tu­mo­res HER2, se­gun­do ele, ocor­rem em cer­ca de 20% das mu­lhe­res com câncer de ma­ma. “Há tra­ta­men­tos mui­to efi­ca­zes pa­ra eles, com an­ti­cor­pos mo­no­clo­nais. Os tu­mo­res mais agres­si­vos, e que atin­gem cer­ca de 15% das pa­ci­en­tes, são os tri­plos ne­ga­ti­vos, pa­ra os quais a imu­no­te­ra­pia tem tra­zi­do os mai­o­res be­ne­fí­ci­os, em especial nos tu­mo­res me­tas­tá­ti­cos.”

No­vas dro­gas es­tão sen­do des­co­ber­tas, e seu uso es­tá mo­di­fi­can­do com­ple­ta­men­te a pers­pec­ti­va das pa­ci­en­tes” Ruf­fo Frei­tas-Ju­ni­or, mas­to­lo­gis­ta da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Goiás e mem­bro da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Mas­to­lo­gia (SBM)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.