No­bel em do­se du­pla

Li­te­ra­tu­ra. Ol­ga To­karc­zuk e Pe­ter Hand­ke são os es­co­lhi­dos pe­la Aca­de­mia Su­e­ca

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Ma­ria Fer­nan­da Ro­dri­gues AGÊN­CI­AS IN­TER­NA­CI­O­NAIS / COM

Ol­ga To­karc­zuk e Pe­ter Hand­ke ga­nham prê­mio de li­te­ra­tu­ra.

A es­cri­to­ra po­lo­ne­sa Ol­ga To­karc­zuk pre­ci­sou en­cos­tar o car­ro que di­ri­gia por uma es­tra­da ale­mã pa­ra con­se­guir ab­sor­ver a no­tí­cia: ti­nha aca­ba­do de ga­nhar o Prê­mio No­bel de Li­te­ra­tu­ra. Aos 57 anos, ela era a quar­ta co­lo­ca­da nas ca­sas de apos­tas, e per­dia pa­ra An­ne Car­son, Mar­ga­ret Atwo­od e Mary­se Con­dé na pre­fe­rên­cia dos apos­ta­do­res, mas con­quis­tou os mem­bros da Aca­de­mia Su­e­ca num dos pe­río­dos mais con­tur­ba­dos da cen­te­ná­ria ins­ti­tui­ção.

“Es­tou ex­tre­ma­men­te fe­liz e or­gu­lho­sa por­que meus ro­man­ces, que se pas­sam em pe­que­nas vi­las da Polô­nia, po­dem ser li­dos co­mo uni­ver­sais e po­dem ser im­por­tan­tes pa­ra pes­so­as ao re­dor do mun­do”, ela dis­se à TVN24. E com­ple­tou: “Acre­di­to no ro­man­ce co­mo um pro­fun­do meio de co­mu­ni­ca­ção, que trans­cen­de fron­tei­ras, lin­gua­gens e cul­tu­ras e que en­si­na a em­pa­tia”. Ela é au­to­ra de Va­gan­tes, pu­bli­ca­do em 2014 no Bra­sil e que se­rá re­e­di­ta­do pe­la To­da­via em 2020 pos­si­vel­men­te com o tí­tu­lo Vi­a­gens. An­tes, em no­vem­bro, a edi­to­ra lan­ça So­bre os Os­sos dos Mor­tos, o mais re­cen­te de­la. Ol­ga To­karc­zuk ga­nhou o No­bel de 2018 – va­le lem­brar que no ano pas­sa­do, ain­da mer­gu­lha­da no es­cân­da­lo de as­sé­dio se­xu­al e de va­za­men­tos en­vol­ven­do o ma­ri­do de uma das in­te­gran­tes, a Aca­de­mia de­ci­diu pu­lar o ano e dar dois prê­mi­os ago­ra – o de 2019 foi pa­ra o es­cri­tor, en­saís­ta, dra­ma­tur­go e ro­tei­ris­ta (ele tra­ba­lhou com Wim Wen­ders em Asas do De­se­jo e ou­tros fil­mes), Pe­ter Hand­ke, 76.

Mais co­nhe­ci­do do lei­tor brasileiro do que Ol­ga, ele te­ve li­vros lan­ça­dos pe­la Bra­si­li­en­se nos anos 1980 e es­ta­va pre­sen­te nas li­vra­ri­as com três tí­tu­los até o anún­cio do No­bel na ma­nhã de on­tem, 10. Se­gun­do a Es­ta­ção Li­ber­da­de, o es­to­que de A Per­da da Ima­gem: Ou Atra­vés da Si­er­ra de Gre­dos e de Don Ju­an (Nar­ra­do Por Ele Mes­mo) se es­go­tou as­sim que saí­ram os ven­ce­do­res.

O edi­tor An­gel Bo­jad­sen ga­ran­tiu que já man­dou im­pri­mir uma no­va ti­ra­gem e que tem mais um li­vro de Hand­ke no pre­lo – En­saio So­bre o Ma­nía­co dos Co­gu­me­los, uma obra que re­su­me o que ele pen­sa so­bre es­cre­ver, ci­ne­ma e su­as in­fluên­ci­as.

A edi­to­ra tem ou­tros qua­tro con­tra­tos com o au­tor, que en­cer­ram es­sa sé­rie de en­sai­os: En­saio So­bre o Can­sa­ço, En­saio So­bre o Ju­ke­box, En­saio So­bre o Dia Fe­liz e En­saio So­bre a Cal­ma­ria.

Na por­ta de ca­sa, nos ar­re­do­res de Pa­ris, Hand­ke se dis­se “atô­ni­to”. “Nun­ca pen­sei que me es­co­lhe­ri­am. Foi mui­to va­len­te da par­te da Aca­de­mia es­ta de­ci­são”, com­ple­tou. Hand­ke foi du­ra­men­te cri­ti­ca­do por sua de­fe­sa dos sér­vi­os na Guer­ra da Bós­nia. Já Ol­ga é cri­ti­ca­da pe­la ex­tre­ma di­rei­ta po­lo­ne­sa e re­ce­beu até ame­a­ça de mor­te.

Em­bo­ra se fa­las­se na pos­si­bi­li­da­de de um prê­mio No­bel ir pa­ra al­gum dos im­por­tan­tes es­cri­to­res e po­e­tas po­lo­ne­ses des­de 1996, quan­do foi pre­mi­a­da a já co­nhe­ci­da po­e­ta Wisława Szym­bors­ka, o co­mi­tê su­e­co não pre­mi­ou nem Rys­zard Ka­pus­cins­ki, nem Sta­nisław Lem, nem o eter­no can­di­da­to po­lo­nês, Adam Za­ga­jews­ki. Há ape­nas al­guns anos, o no­me de Ol­ga To­karc­zuk co­me­çou or­bi­tar as es­pe­cu­la­ções a res­pei­to do prê­mio e, de­pois do In­ter­na­ti­o­nal Bo­o­ker Man Pri­ze re­ce­bi­do por ela no ano pas­sa­do, as ex­pec­ta­ti­vas, que es­ta­vam no al­to, fo­ram aten­di­das. O co­mi­tê de­ci­diu ou­tor­gar quin­to prê­mio pa­ra um es­cri­tor da lín­gua po­lo­ne­sa. De­pois de Si­en­ki­ewicz, Rey­mont, Miłosz e Szym­bors­ka, a no­va lau­re­a­da é Ol­ga To­karc­zuk.

A pro­sa­do­ra po­lo­ne­sa que, no Bra­sil, con­ta com ape­nas um tí­tu­lo tra­du­zi­do (Os Va­gan­tes, Tin­ta Ne­gra, 2014), nas­ceu em 1957. Gra­du­a­da em psi­co­lo­gia, dei­xou de pra­ti­car quan­do seus pri­mei­ros li­vros con­quis­ta­ram um êxi­to, de­di­can­do-se ape­nas ao tra­ba­lho de es­cre­ver. Até ago­ra, pu­bli­cou cer­ca de 20 obras en­tre ro­man­ces, con­tos e en­sai­os. Seu pri­mei­ro li­vro, A Vi­a­gem das Pes­so­as do Li­vro, foi pu­bli­ca­do em 1993 e con­ta­va a vi­a­gem em bus­ca do mis­te­ri­o­so Li­vro, que po­de­ria mu­dar o cur­so da his­tó­ria e de­vol­ver a ju­ven­tu­de, fei­ta por um marquês al­qui­mis­ta e sua es­tra­nha co­mi­ti­va: um ban­quei­ro fi­lan­tro­po, uma cor­te­sã, um co­chei­ro mu­do e um ca­chor­ro ama­re­lo.

Lo­go na sequên­cia, a es­cri­to­ra pu­bli­cou E.E. (1995), so­bre uma jo­vem que re­pen­ti­na­men­te ga­nha po­de­res pa­ra­nor­mais e que igual­men­te de­sa­pa­re­cem re­pen­ti­na­men­te.

O li­vro se­guin­te, O Pri­me­vo e Ou­tros Tem­pos (1997), uma es­pé­cie de sa­ga de du­as fa­mí­li­as do in­te­ri­or po­lo­nês, que vi­vem a con­tur­ba­da his­tó­ria do sé­cu­lo 20 em um mun­do re­che­a­do de ele­men­tos fantástico­s e re­fle­xões so­bre a na­tu­re­za do tem­po, lhe trou­xe o prê­mio Ni­ke dos lei­to­res. Ni­ke é o prê­mio li­te­rá­rio mais im­por­tan­te da Polô­nia, con­ce­di­do pe­los crí­ti­cos, mas, um dia an­tes do anún­cio ofi­ci­al, é ou­tor­ga­do o prê­mio dos lei­to­res. A es­cri­to­ra reu­niu seis nomeações ao prê­mio prin­ci­pal, o re­ce­beu du­as ve­zes, e cin­co ve­zes foi a au­to­ra pre­fe­ri­da pe­los lei­to­res. No li­vro pu­bli­ca­do na sequên­cia, A Ca­sa No­tur­na, a Ca­sa Diur­na (1998), ela des­cre­ve uma mu­lher que, sain­do da ci­da­de gran­de, en­fren­ta a vi­da co­ti­di­a­na num pe­que­no vi­la­re­jo in­te­ri­o­ra­no po­lo­nês, re­ple­to de his­tó­ri­as, mís­ti­ca e cos­tu­mes lo­cais.

Seus pri­mei­ros es­cri­tos reú­nem ele­men­tos fantástico­s (po­de­ría­mos fa­lar em uma es­pé­cie de re­a­lis­mo fan­tás­ti­co) com uma re­fle­xão so­bre a con­tur­ba­da his­tó­ria (prin­ci­pal­men­te po­lo­ne­sa), além da for­te pre­sen­ça do olhar fe­mi­ni­no. As pro­ta­go­nis­tas e he­roí­nas do uni­ver­so cri­a­do por To­karc­zuk ob­ser­vam o mun­do com sen­si­bi­li­da­de e com­pre­en­são de mu­lher e atu­am ne­le com for­ça (por ve­zes, a for­ça que pa­re­ce pro­ve­ni­en­te de uma bru­xa) e ener­gia. Sen­tem ne­ces­si­da­de de mu­dar o mun­do pa­ra me­lhor, atu­an­do so­ci­al e mis­ti­ca­men­te con­tra os es­que­mas da do­mi­na­ção pa­tri­ar­cal.

O eso­te­ris­mo, prin­ci­pal­men­te a as­tro­lo­gia, é um dos ele­men­tos que tam­bém apa­re­cem fre­quen­te­men­te em sua pro­sa. Por ou­tro la­do, as pro­ta­go­nis­tas de To­karc­zuk es­tão for­te­men­te li­ga­das a pro­ble­mas eco­ló­gi­cos. A au­to­ra des­de iní­cio, quan­do o as­sun­to ain­da não es­ta­va em vo­ga, sen­si­bi­li­za­va-se pa­ra os pro­ble­mas eco­ló­gi­cos e pre­ga­va ve­ge­ta­ri­a­nis­mo. Um dos seus li­vros, que foi in­di­ca­do ao Bo­o­ker des­te ano, Pe­los Os­sos dos Mor­tos (de 2009, que a To­da­via lan­ça no pró­xi­mo mês), e adap­ta­do ao ci­ne­ma por Ag­ni­esz­ka Hol­land e Ka­sia Ada­mik (Po­kot, 2017) tem co­mo seu te­ma prin­ci­pal as ques­tões eco­ló­gi­cas e fe­mi­nis­tas.

O mun­do em mo­vi­men­to, em vi­a­gem, o mun­do frag­men­ta­do pe­las in­qui­e­ta­ções, tan­to as cri­a­das pe­lo mun­do mo­der­no, quan­to as ine­ren­tes ao ser hu­ma­no, é o te­ma de seu pre­mi­a­do li­vro Os Va­gan­tes (2007). A cons­tru­ção atí­pi­ca do li­vro, te­ci­do de vá­ri­os fi­os nar­ra­ti­vos apa­ren­te­men­te não li­ga­dos, que se unem em um mul­ti­co­lo­ri­do ta­pe­te, co­lo­ca em vo­ga os te­mas atu­ais e eter­nos, co­mo a ten­ta­ti­va de imor­ta­li­zar o ser hu­ma­no ou de cri­ar um com­pên­dio de to­da a ex­pe­ri­ên­cia e ci­ên­cia hu­ma­nas ou ain­da a ne­ces­si­da­de que te­mos de per­ma­ne­cer em mo­vi­men­to. Is­so faz com que o lei­tor se­ja obri­ga­do a se de­fron­tar com uma obra com­ple­xa e fas­ci­nan­te.

Um ou­tro ele­men­to pre­sen­te em seus es­cri­tos é a His­tó­ria, mos­tra­da a par­tir de sua com­ple­xi­da­de. No pre­mi­a­do Li­vros do Ja­có (2014), ela nar­ra a pou­co co­nhe­ci­da tra­je­tó­ria de Ja­kub Frank, mís­ti­co ju­deu que se pro­cla­mou Mes­si­as e cri­ou uma sei­ta he­re­ge de fran­quis­tas no seio do ju­daís­mo. A his­tó­ria é nar­ra­da sob o co­lo­ri­do pa­no de fun­do da Polô­nia do sé­cu­lo 18, nos mo­men­tos fi­nais da sua exis­tên­cia in­de­pen­den­te, e mos­tra um país mul­tiét­ni­co, com­ple­xo, mui­to di­fe­ren­te da vi­são ide­a­li­za­da da Polô­nia que a his­tó­ria ofi­ci­al po­lo­ne­sa apre­goa.

Es­sa ten­ta­ti­va de apre­sen­tar a Polô­nia his­tó­ri­ca de um mo­do não ma­qui­a­do, re­ple­ta de in­jus­ti­ças, de­si­gual­da­des, vi­o­lên­cia e po­bre­za, as­sim co­mo a de­nún­cia da his­tó­ria po­lo­ne­sa co­mo um fa­bri­ca­do que omi­tia e ca­mu­fla­va os pe­ca­dos de co­lo­ni­za­ção, vi­o­lên­cia con­tra as mi­no­ri­as ou a qua­se es­cra­vi­dão dos cam­po­ne­ses, de­nún­ci­as que ela fez ao re­ce­ber o seu se­gun­do prê­mio Ni­ke em 2015 (o pri­mei­ro foi em 2008, por Os Va­gan­tes), lhe ren­deu uma on­da de ódio na in­ter­net pro­mo­vi­da pe­los gru­pos di­rei­tis­tas. E, é cla­ro, de­pois do ódio veio uma ten­ta­ti­va de ig­no­rar sua im­por­tân­cia. Há pou­cos di­as, aliás, o mi­nis­tro da cul­tu­ra po­lo­nês per­ten­cen­te ao par­ti­do go­ver­nan­te de di­rei­ta po­pu­lis­ta, PiS, ao ser in­da­ga­do so­bre To­karc­zuk em con­tex­tos do prê­mio No­bel, de­cla­rou não ter con­se­gui­do ter­mi­nar de ler ne­nhum dos seus li­vros. Tal­vez o prê­mio fa­ça que ele se­ja obri­ga­do a ten­tar de no­vo.

ADAM STEPIEN/REU­TERS FRAN­ÇOIS MORI/AP

Pre­mi­a­dos. A po­lo­ne­sa Ol­ga To­karc­zuk e o aus­tría­co Pe­ter Hand­ke

SASCHA SCHUERMANN/AFP

Re­co­nhe­ci­men­to. Ol­ga To­karc­zuk é o quin­to po­lo­nês a le­var o mai­or prê­mio da li­te­ra­tu­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.