Ele­na Lan­dau

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - ELE­NA LAN­DAU E-MAIL: ELE­NA.LAN­[email protected]­S.ORG ELE­NA LAN­DAU ES­CRE­VE QUIN­ZE­NAL­MEN­TE ✽ ECO­NO­MIS­TA E AD­VO­GA­DA

Es­tu­dar e pen­sar é fun­da­men­tal pa­ra mu­lher rom­per qua­dro de de­pen­dên­cia que po­de afe­tar sua vi­da de vá­ri­as ma­nei­ras.

Ato­do tem­po são no­ti­ci­a­dos nú­me­ros as­sus­ta­do­res de fe­mi­ni­cí­dio no País, que tem a de­son­ro­sa quin­ta co­lo­ca­ção no ran­king mun­di­al.

O as­sas­si­na­to é o úl­ti­mo elo de uma ca­deia de vi­o­lên­cia. Abu­so ver­bal, agres­sões, es­tu­pro vão sen­do co­me­ti­dos ao lon­go de anos até que se che­gue à le­ta­li­da­de.

Re­cen­te­men­te, o bis­po Edir Macedo gra­vou um ví­deo fa­lan­do do lu­gar das mu­lhe­res na so­ci­e­da­de. Usou co­mo exem­plo a edu­ca­ção que deu às fi­lhas. Com a re­li­gião co­mo es­cu­do, re­ve­lou to­da sua mi­so­gi­nia. As fi­lhas só te­ri­am a mis­são de ser­vir a Deus. Um cur­so su­pe­ri­or as des­vi­a­ria do ca­mi­nho. Se es­tu­das­sem, cor­re­ri­am o ris­co de fi­car sol­tei­ras ou, se ca­sa­das, se­rem jus­ti­fi­ca­da­men­te traí­das por seus ma­ri­dos e dis­se mais: “Que­ro que mi­nhas fi­lhas se ca­sem com um ma­cho”.

É um re­tro­ces­so nos, ain­da len­tos, avanços em bus­ca do tra­ta­men­to igua­li­tá­rio en­tre gê­ne­ros. Sua fa­la nos re­me­te ao tem­po em que mu­lhe­res não po­di­am vo­tar ou de­pen­di­am de au­to­ri­za­ção do ma­ri­do pa­ra tra­ba­lhar. Ho­je, lu­tam pa­ra au­men­tar sua re­pre­sen­ta­ção no Par­la­men­to, sem se­rem usa­das co­mo la­ran­jas pe­los seus par­ti­dos. Lu­tam por sa­lá­ri­os iguais aos dos ho­mens nas mes­mas fun­ções, por par­ti­ci­pa­ção na al­ta ad­mi­nis­tra­ção e nos con­se­lhos. Bus­cam igual­da­de de opor­tu­ni­da­des, pro­cu­ran­do mu­dar re­gras que, cri­a­das com bo­as in­ten­ções, as dis­cri­mi­nam, co­mo apo­sen­ta­do­ri­as pre­co­ces e li­cen­ças ma­ter­ni­da­des. Per­de­ram a opor­tu­ni­da­de de igua­lar a ida­de en­tre gê­ne­ros nes­ta re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. A li­cen­ça pa­ren­tal é ain­da uma dis­cus­são in­ci­pi­en­te, mas mui­to re­le­van­te. Va­mos ca­mi­nhan­do, de­va­ga­ri­nho.

O ví­deo traz uma ou­tra men­sa­gem mui­to pe­ri­go­sa: pa­ra o ca­sa­men­to fun­ci­o­nar, a mu­lher não po­de ter ca­be­ça. É ape­nas um cor­po. A fa­la do bis­po Macedo nos lem­bra os tem­pos em que um com­pa­nhei­ro traí­do ti­nha di­rei­to de ma­tar em le­gí­ti­ma de­fe­sa da hon­ra ou que ma­ri­do não po­dia ser de­nun­ci­a­do por es­tu­pro pe­la es­po­sa, afi­nal, era seu de­ver ma­tri­mo­ni­al ter re­la­ções se­xu­ais. Es­sa ter­rí­vel des­va­lo­ri­za­ção da mu­lher es­tá na ba­se de uma cul­tu­ra pa­tri­ar­cal, que le­va a abu­sos de to­da a sorte.

Nes­ta se­ma­na, vi­ra­li­zou um epi­só­dio de 2016 em que Sil­vio San­tos per­gun­ta a uma cri­an­ça se ela pre­fe­re se­xo, po­der ou di­nhei­ro. Não é por coincidênc­ia que Sil­vio e Edir fo­ram con­vi­da­dos es­pe­ci­ais de Bol­so­na­ro na pa­ra­da de 7 de Se­tem­bro. O pre­si­den­te que afir­mou que o ECA de­ve­ria ser jo­ga­do na la­tri­na e cen­su­rou car­ti­lhas de edu­ca­ção se­xu­al nas es­co­las. Edu­ca­ção que per­mi­ti­ria a es­sa cri­an­ça sa­ber que es­se tra­ta­men­to é inad­mis­sí­vel e es­con­de um de­se­jo do­en­tio do adul­to.

Em 2006, foi pro­mul­ga­da a Lei Ma­ria da Pe­nha, ela pró­pria ví­ti­ma de du­as ten­ta­ti­vas de as­sas­si­na­to e sím­bo­lo na lu­ta con­tra a vi­o­lên­cia do­més­ti­ca. A no­va le­gis­la­ção não pro­cu­rou ape­nas agra­var a pe­na, mas dar con­di­ções de aco­lhi­men­to e se­gu­ran­ça pa­ra as ví­ti­mas de vi­o­lên­cia do­més­ti­ca e di­mi­nuir a im­pu­ni­da­de. As es­ta­tís­ti­cas re­ve­lam que 89% das agres­sões par­tem de com­pa­nhei­ros ou ex-com­pa­nhei­ros. O pe­ri­go mai­or es­tá den­tro de ca­sa. Mui­tas são con­ven­ci­das de que fi­ze­ram por me­re­cer, an­da­ram pen­san­do por con­ta pró­pria. Ou­tras não têm aces­so às in­for­ma­ções das me­di­das pro­te­ti­vas. É obri­ga­ção de to­dos aju­dá-las na bus­ca por pro­te­ção, afas­tan­do a ví­ti­ma de seu agres­sor. Sem jul­ga­men­tos.

Cri­an­ças que, co­mo as mães, são ví­ti­mas de abu­sos ver­bais, fí­si­cos e es­tu­pro po­dem per­pe­tu­ar um ci­clo vi­ci­o­so de vi­o­lên­cia. O am­bi­en­te dis­fun­ci­o­nal afe­ta ne­ga­ti­va­men­te seu apren­di­za­do e de­sen­vol­vi­men­to. As po­lí­ti­cas pú­bli­cas de aco­lhi­men­to são fun­da­men­tais pa­ra per­mi­tir que a ví­ti­ma saia da si­tu­a­ção de ris­co. Mui­tas mães não têm in­de­pen­dên­cia fi­nan­cei­ra pa­ra cui­dar de si e de seus fi­lhos. Tre­ze anos após a Lei Ma­ria da Pe­nha, ape­nas 2,4% dos mu­ni­cí­pi­os têm ca­sa­sa­bri­go, mas to­dos têm Con­se­lhos Tu­te­la­res. Seus mem­bros são re­mu­ne­ra­dos e a pro­xi­mi­da­de com es­co­las lhes per­mi­te per­ce­ber os in­dí­ci­os de vi­o­la­ção de di­rei­tos da cri­an­ça. Se bem trei­na­dos, em vez de im­por ide­o­lo­gi­as ou bus­car o tram­po­lim po­lí­ti­co, po­de­ri­am ser um im­por­tan­te bra­ço de pre­ven­ção de maus-tra­tos.

Es­tu­dar e pen­sar é fun­da­men­tal pa­ra uma mu­lher rom­per um qua­dro de de­pen­dên­cia que po­de afe­tar sua vi­da de mui­tas ma­nei­ras. É as­sus­ta­dor ter na mi­nis­tra res­pon­sá­vel pe­la pro­te­ção de seus di­rei­tos uma de­fen­so­ra da ideia da sub­mis­são da mu­lher ao ma­ri­do. Pre­o­cu­pa, e mui­to, a nor­ma­li­za­ção de um tra­ta­men­to abu­si­vo con­tra cri­an­ças e mu­lhe­res.

Na bri­ga de ma­ri­do e mu­lher, mui­tas ve­zes, é pre­ci­so me­ter a co­lher.

Es­tu­dar e pen­sar é vi­tal pa­ra uma mu­lher rom­per um qua­dro de de­pen­dên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.