Ru­mo ao pre­ci­pí­cio

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - •✽ JO­SÉ RE­NA­TO NALINI

Ain­ver­são de ru­mos na po­lí­ti­ca ecológica é tão evi­den­te que até os cé­ti­cos ma­ni­fes­tam sur­pre­sa. Apu­rou-se des­ma­ta­men­to re­cor­de, ace­le­ra­do nos úl­ti­mos me­ses, e a res­pos­ta foi des­qua­li­fi­car ór­gão es­ta­tal que sem­pre foi isen­to. An­tes dis­so o Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Pes­qui­sas Es­pa­ci­ais (In­pe) era cri­ti­ca­do pe­los am­bi­en­ta­lis­tas. Ho­je, pe­ran­te a no­tó­ria ace­le­ra­ção do ex­ter­mí­nio da flo­res­ta amazô­ni­ca, o pró­prio go­ver­no o repudia.

A des­gra­ça nun­ca vem so­zi­nha. Além de li­be­rar os agro­tó­xi­cos de ma­nei­ra con­si­de­ra­da ir­res­pon­sá­vel, al­te­ra-se o ró­tu­lo pa­ra con­fe­rir se­gu­ran­ça a um pro­du­to es­sen­ci­al­men­te pe­ri­go­so. Até ju­nho des­te ano 262 her­bi­ci­das no­vos fo­ram re­gis­tra­dos. No ano pas­sa­do mais 450 de­les ob­ti­ve­ram li­vre aces­so ao ter­ri­tó­rio brasileiro, on­de va­le tu­do. E a re­la­ção con­ti­nua a ser in­cre­men­ta­da com ou­tros ve­ne­nos mais.

Não se pres­ta aten­ção a inú­me­ros ou­tros pon­tos vul­ne­rá­veis na tu­te­la am­bi­en­tal nes­ta ter­ra com­ple­xa e he­te­ro­gê­nea. A po­lui­ção é mai­or a ca­da ins­tan­te. En­quan­to ci­da­des de­sen­vol­vi­das de­vol­vem es­pa­ços sub­traí­dos ao ser hu­ma­no e apro­pri­a­dos pe­lo au­to­mó­vel, aqui se in­cen­ti­va o po­bre a ad­qui­rir seu car­ro em 72 pres­ta­ções. Quan­do te­re­mos car­ros mo­vi­dos a com­bus­tí­vel lim­po?

O re­sí­duo só­li­do pro­du­zi­do pe­la ig­no­rân­cia in­sus­ten­tá­vel le­va mi­lhões em var­ri­ção, co­le­ta e des­ti­na­ção – qua­se sem­pre ina­de­qua­da – do li­xo ur­ba­no, a tes­te­mu­nhar nos­sa fal­ta de cons­ci­ên­cia. São Pau­lo re­gre­diu na reciclagem. Re­a­pro­vei­ta ape­nas 13% do que po­de­ria ser­vir à in­dús­tria de transforma­ção e pou­par min­gua­dos re­cur­sos da co­mu­ni­da­de.

Nos­sos ri­os fo­ram con­ver­ti­dos em co­le­to­res de es­go­to e de to­da a imun­dí­cie que uma in­dús­tria atra­sa­da não cui­da de dar des­ti­no. As cen­te­nas de cór­re­gos en­ca­na­dos pa­ra se­rem subs­ti­tuí­dos por vi­as ex­pres­sas di­zi­ma­ram a bi­o­di­ver­si­da­de. Fauna e flo­ra dão lu­gar à caó­ti­ca edi­fi­ca­ção de pa­la­fi­tas, cor­ti­ços e fa­ve­las.

A ocu­pa­ção de áre­as pro­te­gi­das pa­re­ce to­le­ra­da por qu­em tem o de­ver le­gal de evi­tá-la. Nem se fa­la mais em clan­des­ti­ni­da­de, pois as in­va­sões se dão às cla­ras e sob dis­cre­ta pro­te­ção do sis­te­ma.

A ju­di­ci­a­li­za­ção não dá con­ta de res­pon­der aos de­li­tos am­bi­en­tais. As mul­tas não são co­bra­das e pres­cre­vem, nu­ma “anis­tia bran­ca” es­ti­mu­la­do­ra de no­vos ilí­ci­tos. As cú­pu­las se­pul­tam prin­cí­pi­os que o Bra­sil de­fen­deu du­ran­te a fa­la­ci­o­sa dis­se­mi­na­ção de que se­ría­mos pi­o­nei­ros na de­fe­sa do am­bi­en­te. Qu­em ou­ve ho­je fa­lar no prin­cí­pio da precaução? A equa­ção da ba­lan­ça co­mer­ci­al fa­la mais al­to e é mui­to mais con­vin­cen­te.

So­me-se a tu­do is­so o re­ca­do que ex­ter­mi­na­do­res do fu­tu­ro en­ten­de­ram co­mo “li­be­rou ge­ral”, o ace­no, de­pois em re­cuo, a dei­xar o Acor­do de Pa­ris e a rup­tu­ra com os paí­ses es­can­di­na­vos que for­ne­ci­am re­cur­sos pa­ra mo­ni­to­rar a de­vas­ta­ção da Amazô­nia e se con­clui­rá que al­go po­de­rá sur­gir em ter­mos de re­a­ção. Se o Bra­sil se des­pre­o­cu­pa, o mun­do vai as­su­mir a de­fe­sa do am­bi­en­te. A Igre­ja do pa­pa Fran­cis­co re­a­li­za um Sí­no­do pe­la Amazô­nia. Es­ta­ria ela a par­ti­ci­par de cons­pi­ra­ção?

O ufa­nis­mo na ce­le­bra­ção do ajus­te de co­o­pe­ra­ção en­tre a União Eu­ro­peia e o Mer­co­sul, pro­je­to pa­ra o qual se em­pe­nha­ram bra­si­lei­ros ho­je es­que­ci­dos, pois o que in­te­res­sa é o mo­men­to da for­ma­li­za­ção, po­de dar lu­gar a uma frus­tra­ção. A Eu­ro­pa le­va a sé­rio a mu­dan­ça cli­má­ti­ca. Apren­deu com a des­trui­ção de su­as flo­res­tas, nu­ma era em que a hu­ma­ni­da­de ain­da não ti­nha no­ção exa­ta do que ela sig­ni­fi­ca no pro­ces­so de ex­tin­ção da vi­da no pla­ne­ta.

Uma so­ci­e­da­de es­cla­re­ci­da não con­su­mi­rá pro­du­tos de uma na­ção que se es­que­ceu da eco­lo­gia e fo­men­ta a ela­bo­ra­ção de pes­qui­sas ten­den­ci­o­sas. Cos­tu­ma-se di­zer que o Bra­sil tem ex­ces­so de áre­as pro­te­gi­das. Es­que­ce-se de que boa por­ção do que me­re­ceu pro­te­ção es­tá nas mãos de par­ti­cu­la­res.

Ques­ti­o­na-se a de­mar­ca­ção in­dí­ge­na sem per­qui­rir o te­ma da le­gi­ti­mi­da­de. As et­ni­as que aqui es­ta­vam no sé­cu­lo 16 não ti­nham ne­nhum di­rei­to à ter­ra? Sua cul­tu­ra é in­fe­ri­or à do “ho­mem bran­co”? Qual o tí­tu­lo le­gi­ti­ma­dor pa­ra o “co­lo­ni­za­dor” es­cra­vi­zar o ín­dio, pra­ti­car ge­no­cí­dio e se apo­de­rar de seu so­lo an­ces­tral?

O mun­do pres­ta aten­ção ao que acon­te­ce no Bra­sil. A man­che­te di­gi­tal do The New York Ti­mes no do­min­go 28/7 foi elo­quen­te: No Bra­sil, pro­te­ções à Amazô­nia são cor­ta­das e as flo­res­tas ca­em. No mes­mo sen­ti­do fo­ram o Le Mon­de eo The Gu­ar­di­an. O cor­res­pon­den­te des­te em Al­ta­mi­ra men­ci­o­na o pon­to de in­fle­xão a par­tir do qual a flo­res­ta não mais se re­cu­pe­ra.

O si­nal de aler­ta não po­de ser ig­no­ra­do pe­lo que res­ta de lu­ci­dez no Bra­sil. As cri­an­ças, mais sen­sí­veis, sa­bem que o am­bi­en­te é te­ma in­sus­ce­tí­vel de ser tra­ta­do no âm­bi­to es­tri­to das con­ven­ções for­mais. É al­go mais sé­rio do que o tra­ça­do das fron­tei­ras e a in­vo­ca­ção a uma ca­da vez mais fic­tí­cia so­be­ra­nia na­ci­o­nal. Qu­em es­tá imu­ne à chu­va áci­da? A de­ser­ti­fi­ca­ção en­con­tra li­mi­tes fi­xa­dos pe­lo ho­mem pa­ra di­vi­dir o ter­ri­tó­rio ter­res­tre em gle­bas cha­ma­das na­ções? As ilhas de plás­ti­co a flu­tu­a­rem no oce­a­no con­ta­mi­na­do não se apro­xi­mam do mar ter­ri­to­ri­al?

A ig­no­rân­cia hu­ma­na tem um li­mi­te: o da ci­ên­cia, o da ver­da­de, o da cons­ta­ta­ção dos fa­tos. É por is­so que, a des­pei­to de ori­en­ta­ção des­nor­te­a­da e equi­vo­ca­da, ca­da pes­soa po­de fa­zer a di­fe­ren­ça e co­brar ati­tu­des, a par­tir de si mes­mas, pa­ra a de­fe­sa des­se pa­trimô­nio de va­lor in­cal­cu­lá­vel.

O mu­ni­cí­pio brasileiro é en­ti­da­de da Fe­de­ra­ção. Tem au­to­no­mia pa­ra cui­dar de seu am­bi­en­te. Pa­ra se tor­nar mais ver­de, mais atra­ti­vo, mais hu­ma­no. Es­tu­dan­tes são uma ver­da­dei­ra ins­ti­tui­ção que, pro­vi­da de sa­dia ori­en­ta­ção, po­de fa­zer a di­fe­ren­ça em seu âm­bi­to de atu­a­ção. Me­nos to­li­ce e mais pa­pa Fran­cis­co e Gre­ta.

Se não hou­ver pron­ta e efe­ti­va re­a­ção ao ex­ter­mí­nio da na­tu­re­za, não ha­ve­rá co­mo im­pe­dir a ca­mi­nha­da ru­mo ao pre­ci­pí­cio do caos, da mor­te e do na­da.

REI­TOR DA UNIREGISTR­AL, DO­CEN­TE DA PÓS-GRA­DU­A­ÇÃO DA UNINOVE, É AU­TOR DE ‘ÉTI­CA AM­BI­EN­TAL’, 4ª ED., RT-THOMSON REU­TERS

Es­se é o ca­mi­nho se não hou­ver pron­ta e efe­ti­va re­a­ção ao ex­ter­mí­nio da na­tu­re­za

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.