A ân­co­ra da edu­ca­ção

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - •✽ SI­MON SCHWARTZ­MAN

No Mé­xi­co, o no­vo go­ver­no de Ló­pez Obra­dor can­ce­lou a re­for­ma da edu­ca­ção do go­ver­no an­te­ri­or, acu­sa­do de ter ins­ti­tuí­do um sis­te­ma pu­ni­ti­vo de ava­li­a­ção de mé­ri­to dos pro­fes­so­res, e de­ci­diu uni­ver­sa­li­zar a edu­ca­ção su­pe­ri­or, pro­me­ten­do a cri­a­ção de mais cem uni­ver­si­da­des. Ao mes­mo tem­po, cor­ta os re­cur­sos e cria di­fi­cul­da­des pa­ra o fun­ci­o­na­men­to dos cen­tros de pes­qui­sa mais avan­ça­dos. A edu­ca­ção pú­bli­ca me­xi­ca­na é tão ruim quan­to a bra­si­lei­ra e o po­der dos sin­di­ca­tos era tal que os pro­fes­so­res das es­co­las pú­bli­cas eram do­nos de seus car­gos, po­den­do pas­sá­los pa­ra os fi­lhos. A Uni­ver­si­dad Na­ci­o­nal Au­tó­no­ma de Mé­xi­co, com mais de 300 mil es­tu­dan­tes, sem­pre te­ve uma po­lí­ti­ca de aces­so li­vre e gra­tui­to, ge­ran­do gra­ves ine­fi­ci­ên­ci­as, que os go­ver­nos an­te­ri­o­res ten­ta­ram mi­ti­gar.

É um exem­plo ex­tre­mo de po­lí­ti­cas po­pu­lis­tas que dão pri­o­ri­da­de ab­so­lu­ta às de­man­das da po­pu­la­ção por cre­den­ci­ais ou tí­tu­los uni­ver­si­tá­ri­os e aos in­te­res­ses cor­po­ra­ti­vos dos pro­fes­so­res, dei­xan­do de la­do as pre­o­cu­pa­ções com qua­li­da­de e re­le­vân­cia. A con­sequên­cia é a in­fla­ção dos di­plo­mas, tor­nan­do ne­ces­sá­ri­os tí­tu­los ca­da vez mais al­tos pa­ra fa­zer as mes­mas coi­sas, a um cus­to cres­cen­te pa­ra a so­ci­e­da­de.

O Bra­sil nun­ca che­gou a es­se ex­tre­mo, mas o que acon­te­ceu com a edu­ca­ção te­ve mui­to des­sa fi­lo­so­fia. E não é mui­to di­fe­ren­te do ocor­ri­do em áre­as co­mo saú­de e pre­vi­dên­cia: um gran­de es­for­ço pa­ra re­cu­pe­rar sé­cu­los de atra­so e com­pen­sar as de­si­gual­da­des ex­pan­din­do de qual­quer ma­nei­ra a edu­ca­ção, re­sul­tan­do num sis­te­ma in­cha­do, cus­to­so, de má qua­li­da­de e ex­tre­ma­men­te di­fí­cil de re­for­mar. Ho­je, 50 mi­lhões de bra­si­lei­ros es­tão ma­tri­cu­la­dos em al­gum ti­po de es­co­la, 60% da po­pu­la­ção até 30 anos, aten­di­dos por um exér­ci­to de mais de 6 mi­lhões de pes­so­as, en­tre pro­fes­so­res, di­ri­gen­tes es­co­la­res, fun­ci­o­ná­ri­os e ou­tros pro­fis­si­o­nais. A es­ti­ma­ti­va mais re­cen­te de é que o Bra­sil gas­ta per­to de 8% do PIB em edu­ca­ção, in­cluin­do os gas­tos pri­va­dos, pro­por­ci­o­nal­men­te mais do que to­dos os de­mais paí­ses da Amé­ri­ca La­ti­na e mui­tos paí­ses de­sen­vol­vi­dos.

Uma jus­ti­fi­ca­ti­va pa­ra es­se gran­de es­for­ço é que a edu­ca­ção se­ria a prin­ci­pal ala­van­ca pa­ra sair da ar­ma­di­lha da ren­da mé­dia, em que es­ta­mos ato­la­dos. De fa­to, as pes­so­as mais edu­ca­das ga­nham mais, su­pos­ta­men­te por­que têm com­pe­tên­ci­as que o mer­ca­do de tra­ba­lho va­lo­ri­za, e paí­ses em que a po­pu­la­ção é mais edu­ca­da são mais de­sen­vol­vi­dos. No en­tan­to, no Bra­sil a pro­du­ti­vi­da­de man­te­ve-se es­tag­na­da ao lon­go das úl­ti­mas dé­ca­das. Uma das ra­zões é que a edu­ca­ção cres­ceu dan­do pri­o­ri­da­de às de­man­das por cre­den­ci­ais – di­plo­mas – e às rei­vin­di­ca­ções cor­po­ra­ti­vas do se­tor, em de­tri­men­to da ên­fa­se no mé­ri­to e nas com­pe­tên­ci­as. Co­mo vá­ri­os es­tu­dos re­cen­tes têm de­mons­tra­do, não bas­ta au­men­tar a es­co­la­ri­da­de pa­ra que a pro­du­ti­vi­da­de au­men­te. É pre­ci­so que a edu­ca­ção se­ja de qua­li­da­de, o que não tem ocor­ri­do de for­ma sa­tis­fa­tó­ria.

A ou­tra jus­ti­fi­ca­ti­va é que a edu­ca­ção au­men­ta a mo­bi­li­da­de e reduz a de­si­gual­da­de so­ci­al. Mas nem sem­pre mais edu­ca­ção le­va a es­ses re­sul­ta­dos. Em qua­se to­do o mun­do, ao lon­go do sé­cu­lo 20, hou­ve um gran­de cres­ci­men­to das ci­da­des, da eco­no­mia e do se­tor pú­bli­co. A ex­pan­são da edu­ca­ção, que acom­pa­nhou es­ses pro­ces­sos, fez com que as eli­tes tra­di­ci­o­nais se mo­der­ni­zas­sem e pes­so­as mais po­bres, imi­gran­tes e de mi­no­ri­as, se be­ne­fi­ci­as­sem das no­vas opor­tu­ni­da­des que fo­ram sen­do cri­a­das. A in­sis­tên­cia no mé­ri­to co­mo cri­té­rio pa­ra aces­so às no­vas opor­tu­ni­da­des de es­tu­do e avan­ço nas car­rei­ras foi fun­da­men­tal pa­ra ga­ran­tir que as me­lho­res po­si­ções não fos­sem mo­no­po­li­za­das pe­las eli­tes tra­di­ci­o­nais.

Mas não foi uma vi­tó­ria ab­so­lu­ta. Exis­te uma for­te re­la­ção, di­fí­cil de ser su­pe­ra­da, en­tre de­sem­pe­nho es­co­lar e ori­gem so­ci­al; e, além dis­to, a edu­ca­ção é um bem “po­si­ci­o­nal”, ou se­ja, os be­ne­fí­ci­os de ca­da um de­pen­dem em gran­de par­te da po­si­ção re­la­ti­va que ele te­nha em re­la­ção aos de­mais. Co­mo no fu­te­bol, só há lu­gar pa­ra pou­cos na pri­mei­ra di­vi­são.

Quan­do o pro­ces­so de ur­ba­ni­za­ção se es­go­ta, os cus­tos do sis­te­ma de bem-es­tar so­ci­al che­gam a seu li­mi­te e a eco­no­mia pa­ra de cres­cer, co­mo no Bra­sil de ho­je, a ex­pan­são da edu­ca­ção dei­xa de ser um jo­go em que to­dos ga­nham, ain­da que de­si­gual­men­te, e se apro­xi­ma de um jo­go de so­ma ze­ro, em que os que ga­nham o fa­zem à cus­ta dos fi­cam pa­ra trás.

Is­so le­va a con­fli­tos in­ten­sos pe­las cre­den­ci­ais aca­dê­mi­cas, nu­ma com­bi­na­ção per­ver­sa de re­ser­vas de mer­ca­do pro­fis­si­o­nal pa­ra os mais edu­ca­dos e po­lí­ti­cas po­pu­lis­tas de es­tí­mu­lo ao aces­so li­vre ou fa­ci­li­ta­do ao en­si­no su­pe­ri­or. Por um la­do, o aces­so ao en­si­no su­pe­ri­or pas­sa a ser vis­to co­mo di­rei­to de to­dos, os re­qui­si­tos mais tra­di­ci­o­nais de de­sem­pe­nho no aces­so e nos es­tu­dos pas­sam a ser subs­ti­tuí­dos por cri­té­ri­os so­ci­ais, e a con­quis­ta dos di­plo­mas pas­sa a ter pre­ce­dên­cia so­bre o de­sen­vol­vi­men­to de com­pe­tên­ci­as. Por ou­tro, ca­da vez mais é pre­ci­so uma pós-gra­du­a­ção ou pas­sar num con­cur­so pú­bli­co ex­te­nu­an­te pa­ra con­se­guir um bom em­pre­go, e mi­lha­res de for­ma­dos em Di­rei­to nun­ca pas­sa­rão o exa­me da OAB. Mi­lhões se ins­cre­vem no Enem ten­tan­do che­gar ao en­si­no su­pe­ri­or e não con­se­guem, mui­tos dos que en­tram aban­do­nam an­tes de ter­mi­nar e gran­de par­te dos for­ma­dos aca­ba tra­ba­lhan­do em ati­vi­da­des de ní­vel mé­dio.

A so­lu­ção não é vol­tar o re­ló­gio do tem­po, res­trin­gin­do o aces­so ao en­si­no su­pe­ri­or e con­tro­lan­do mais ri­gi­da­men­te o exer­cí­cio das pro­fis­sões uni­ver­si­tá­ri­as, mas, ao con­trá­rio, é cri­ar mais al­ter­na­ti­vas de for­ma­ção de ní­vel mé­dio e su­pe­ri­or pa­ra aten­der a pes­so­as de di­fe­ren­tes per­fis, re­du­zin­do a pres­são so­bre os tí­tu­los aca­dê­mi­cos, e que­brar os mo­no­pó­li­os pro­fis­si­o­nais que ex­clu­em ar­bi­tra­ri­a­men­te pes­so­as com ní­veis de for­ma­ção di­fe­ren­ci­a­dos do mer­ca­do de tra­ba­lho.

A ân­co­ra da edu­ca­ção de­vem ser as com­pe­tên­ci­as, e não os di­plo­mas que pos­sam apa­re­cer nos cur­rí­cu­los.

O fo­co de­vem ser as com­pe­tên­ci­as, e não os di­plo­mas que pos­sam apa­re­cer nos cur­rí­cu­los

SO­CIÓ­LO­GO, É MEM­BRO DA ACA­DE­MIA BRA­SI­LEI­RA DE CI­ÊN­CI­AS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.