Bol­so­na­ro faz vi­si­ta à se­de do ‘Es­ta­do’

Pre­si­den­te re­ce­be li­vro com as pa­la­vras cru­za­das que fez nos anos 1970, épo­ca de seu pri­mei­ro em­pre­go, co­mo en­tre­ga­dor de jor­nal

O Estado de S. Paulo - - Política -

O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro con­ta que, an­tes de in­gres­sar no Exér­ci­to, fez um cur­so por cor­res­pon­dên­cia pa­ra me­lho­rar a gra­má­ti­ca. O co­nhe­ci­men­to ad­qui­ri­do nas au­las do Ins­ti­tu­to Uni­ver­sal Brasileiro o aju­dou no seu pri­mei­ro em­pre­go, de en­tre­ga­dor de jor­nal, quan­do co­me­çou a co­la­bo­rar com o Es­ta­do cri­an­do pa­la­vras cru­za­das. A his­tó­ria é con­ta­da pe­lo pre­si­den­te sem­pre que en­con­tra um pro­fis­si­o­nal do gru­po.

De 1971, quan­do ti­nha 16 anos, a 1976, ano em que já es­ta­va na aca­de­mia mi­li­tar, o pre­si­den­te em­pla­cou 21 pa­la­vras cru­za­das no Es­ta­do. Bol­so­na­ro diz que, quan­do eram pu­bli­ca­das, mu­da­va sua ro­ti­na. Em vez de ar­re­mes­sar o pe­rió­di­co na ca­sa do as­si­nan­te, ele ba­tia na por­ta pa­ra re­co­men­dar a lei­tu­ra do seu passatempo, in­di­can­do que seu no­me es­ta­va es­tam­pa­do ne­le.

O pre­si­den­te re­ce­beu on­tem do di­re­tor-pre­si­den­te do Gru­po Es­ta­do, Fran­cis­co Mes­qui­ta Ne­to, um li­vro com a com­pi­la­ção do seu tra­ba­lho e um qua­dro com uma re­por­ta­gem so­bre as su­as cru­za­das. O pe­di­do par­tiu do pró­prio Bol­so­na­ro, que se emo­ci­o­nou ao re­ver o ma­te­ri­al que la­men­ta­va não ter guar­da­do pa­ra mos­trar aos fi­lhos.

“Is­so aqui vai es­tar lá na Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca. A gen­te vol­ta 50 anos no tem­po. Eu não era bom em por­tu­guês e fiz o Ins­ti­tu­to Uni­ver­sal Brasileiro por cor­res­pon­dên­cia. As pro­vas a gen­te fa­zia em ca­sa e man­da­va pe­lo cor­reio. Is­so aqui me aju­dou e mui­to (apon­tan­do pa­ra as pa­la­vras cru­za­das). Eu fiz meu pró­prio di­ci­o­ná­rio de sinô­ni­mos e antô­ni­mos tam­bém, tá cer­to? Me aju­dou bas­tan­te. Eu fi­quei mui­to fe­liz

(com a en­tre­ga do pre­sen­te), ain­da mais por­que não ima­gi­na­va que te­ria um mo­men­to co­mo es­se”, afir­mou Bol­so­na­ro.

O pre­si­den­te vi­si­tou a se­de do jor­nal em São Pau­lo acom­pa­nha­do dos mi­nis­tros Pau­lo Gu­e­des (Eco­no­mia), Au­gus­to Heleno (Ga­bi­ne­te de Se­gu­ran­ça Ins­ti­tu­ci­o­nal), Luiz Edu­ar­do Ra­mos (Se­cre­ta­ria de Go­ver­no). Além do por­ta-voz, Otá­vio do Rê­go Bar­ros, do se­cre­tá­rio es­pe­ci­al de Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al, Fa­bio Wajn­gar­ten, do as­ses­sor es­pe­ci­al Filipe Mar­tins e do de­pu­ta­do Hélio Lopes (PSL-RJ). Foi a pri­mei­ra vi­si­ta de­le co­mo pre­si­den­te a um jor­nal.

Ao fo­lhe­ar o li­vro, Bol­so­na­ro apon­tou uma das pa­la­vras cru­za­das que fez co­mo a mais di­fí­cil pa­ra o lei­tor re­sol­ver. O se­gre­do pa­ra qu­em de­se­jar se­guir os pas­sos de Bol­so­na­ro ele mes­mo con­ta: “Co­lo­car pou­cas ca­sas mor­tas”, co­mo são cha­ma­dos os qua­dra­dos pre­tos.

Nos úl­ti­mos me­ses, Bol­so­na­ro tem man­ti­do uma re­la­ção tu­mul­tu­a­da com a im­pren­sa. No en­con­tro na se­de do Es­ta­do, po­rém, ele afir­mou que “acei­ta as crí­ti­cas”. “Vo­cês têm a obri­ga­ção de fa­zê-las”, dis­se o pre­si­den­te.

NILTON FUKUDA/ESTADÃO

En­con­tro. Fran­cis­co Mes­qui­ta Ne­to en­tre­ga re­pro­du­ção de cru­za­di­nha a Bol­so­na­ro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.