Ca­sa Bran­ca ten­ta des­le­gi­ti­mar pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - / TRA­DU­ÇÃO DE CLAU­DIA BOZZO

Are­cu­sa da Ca­sa Bran­ca em co­o­pe­rar com o inqué­ri­to de im­pe­a­ch­ment da Câ­ma­ra equi­va­le a uma con­tes­ta­ção des­ca­ra­da à con­sa­gra­da or­dem cons­ti­tu­ci­o­nal dos EUA. Na ver­da­de, o pre­si­den­te Do­nald Trump diz que po­de ig­no­rar o Con­gres­so por con­si­de­rar in­jus­to o es­for­ço de im­pe­a­ch­ment, ar­gu­men­tan­do que os de­mo­cra­tas são ten­den­ci­o­sos.

Mas a jus­ti­fi­ca­ti­va da Ca­sa Bran­ca, es­bo­ça­da em uma car­ta en­vi­a­da aos lí­de­res de­mo­cra­tas, na ter­ça-fei­ra, é mais um ar­gu­men­to po­lí­ti­co do que ju­rí­di­co, des­ti­na­do me­nos a con­ven­cer um juiz do que o pú­bli­co. Na es­sên­cia, nas­ce do cál­cu­lo frio de que Trump, pro­va­vel­men­te, não po­de­rá im­pe­dir que a Câ­ma­ra, li­de­ra­da pe­los de­mo­cra­tas, vo­te o im­pe­a­ch­ment con­tra ele. En­tão, o ob­je­ti­vo é dar um ca­rá­ter ile­gí­ti­mo ao pro­ces­so.

Ao apre­sen­tar o inqué­ri­to co­mo o tra­ba­lho de uma ali­an­ça de sa­bo­ta­do­res, ele es­pe­ra mi­nar sua cre­di­bi­li­da­de, im­pe­dir de­ser­ções re­pu­bli­ca­nas e ener­gi­zar seus elei­to­res pa­ra a cam­pa­nha de re­e­lei­ção de 2020.

A car­ta de oi­to pá­gi­nas as­si­na­da por Pat Ci­pol­lo­ne, as­ses­sor ju­rí­di­co da Ca­sa Bran­ca, diz que “o su­pos­to ‘inqué­ri­to de im­pe­a­ch­ment” não é vá­li­do, pois a Câ­ma­ra não vo­tou pa­ra au­to­ri­zá-lo, co­mo nos ca­sos dos pre­si­den­tes Ri­chard Ni­xon e Bill Clin­ton. Ci­pol­lo­ne re­cla­mou que não foi da­do aos re­pu­bli­ca­nos po­der de in­ti­ma­ção e os ad­vo­ga­dos do pre­si­den­te não fo­ram au­to­ri­za­dos a par­ti­ci­par de en­tre­vis­tas a por­tas fe­cha­das ou con­vo­car tes­te­mu­nhas.

Por uma ques­tão de pre­ce­den­te his­tó­ri­co, Ci­pol­lo­ne es­tá cor­re­to ao di­zer que Clin­ton, seus ad­vo­ga­dos e ali­a­dos de­mo­cra­tas aca­ba­ram re­ce­ben­do mais di­rei­tos du­ran­te seu pro­ces­so de im­pe­a­ch­ment, em 1998, do que Trump, pe­lo me­nos até ago­ra. O ad­vo­ga­do de Clin­ton, por exem­plo, te­ve a opor­tu­ni­da­de de in­ter­ro­gar seu prin­ci­pal acu­sa­dor, o ad­vo­ga­do Ken Starr.

Em seu re­la­tó­rio ao Con­gres­so, em 1998, Starr ar­gu­men­tou que en­tre as ba­ses pa­ra o im­pe­a­ch­ment es­ta­va o que o pro­mo­tor con­si­de­ra­va afir­ma­ções “frí­vo­las” e “pa­ten­te­men­te in­fun­da­das” de Clin­ton de pri­vi­lé­gi­os exe­cu­ti­vos pa­ra im­pe­dir uma ação de per­jú­rio e obs­tru­ção de jus­ti­ça no ca­so do pre­si­den­te com Mo­ni­ca Lewinsky.

De cer­ta for­ma, Trump es­tá em­pre­gan­do uma ver­são da es­tra­té­gia de Clin­ton, em­bo­ra po­ten­ci­a­li­za­da. Du­ran­te a in­ves­ti­ga­ção de Starr, Clin­ton ten­tou blo­que­ar tes­te­mu­nhos e do­cu­men­tos, ape­nas pa­ra a ação ser anu­la­da pe­los tri­bu­nais. Ao con­trá­rio de Trump, Clin­ton fi­nal­men­te con­cor­dou em pres­tar de­poi­men­to ao gran­de jú­ri.

No fi­nal, a Câ­ma­ra vo­tou pe­lo im­pe­a­ch­ment de Clin­ton e o Se­na­do vo­tou pa­ra ab­sol­vê-lo – o ce­ná­rio que, mu­dan­do os par­ti­dos, pa­re­ce mais pro­vá­vel de se re­pe­tir com Trump.

É JOR­NA­LIS­TA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.