UMA ELEI­ÇÃO SEM FA­KE NEWS

Sem po­la­ri­za­ção, por­tu­gue­ses con­tra­ri­am ten­dên­cia re­gis­tra­da em ou­tras par­tes do mun­do

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - Pau­lo Ro­ber­to Net­to

Na con­tra­mão do ple­bis­ci­to do Bre­xit, no Rei­no Uni­do, e das elei­ções le­gis­la­ti­vas da Ale­ma­nha, Por­tu­gal en­trou e saiu do úl­ti­mo ci­clo elei­to­ral, en­cer­ra­do no do­min­go, com bai­xa in­ter­fe­rên­cia das cha­ma­das “fa­ke news”, afir­mam es­pe­ci­a­lis­tas ou­vi­dos pe­lo Estadão Ve­ri­fi­ca. No do­min­go, o so­ci­a­lis­ta An­tó­nio Cos­ta ven­ceu as elei­ções e am­pli­ou sua ba­se no Par­la­men­to.

Se­gun­do Mi­guel Cres­po, pes­qui­sa­dor do La­bo­ra­tó­rio de Ci­ên­ci­as da Co­mu­ni­ca­ção do Ins­ti­tu­to Uni­ver­si­tá­rio de Lis­boa (Me­dia Lab/ISCTE-IUL), as elei­ções bra­si­lei­ras e os ca­sos eu­ro­peus, em es­pe­ci­al o Bre­xit, ser­vi­ram de aler­ta pa­ra ten­ta­ti­vas de in­ter­fe­rên­ci­as nos pro­ces­sos elei­to­rais em Por­tu­gal. Além dis­so, ini­ci­a­ti­vas de che­ca­gem de fa­tos sur­gi­ram em re­da­ções dos prin­ci­pais veí­cu­los da im­pren­sa, o que cri­ou um am­bi­en­te de fis­ca­li­za­ção.

“Pa­re­ce-me bas­tan­te ní­ti­do que os po­lí­ti­cos fo­ram mui­to cui­da­do­sos, prin­ci­pal­men­te nos ata­ques aos ad­ver­sá­ri­os, ao evi­tar fa­zer de­cla­ra­ções sem fun­da­men­to, por exis­tir uma re­de que es­tá aten­ta a des­cons­truir as ten­ta­ti­vas de ma­ni­pu­la­ção elei­to­ral”, afir­mou o pes­qui­sa­dor. “As pes­so­as tam­bém fi­ca­ram mais aler­tas pa­ra o pro­ble­ma que é a de­sin­for­ma­ção e o com­par­ti­lha­men­to de in­for­ma­ções fal­sas.”

An­tes mes­mo da elei­ção, o Me­dia Lab/ISCTE-IUL pu­bli­cou, com a or­ga­ni­za­ção De­mo­cracy Re­por­ting In­ter­na­ti­o­nal, es­tu­do pre­ven­do que se­ria “re­la­ti­va­men­te bai­xo” o ris­co de in­fluên­cia de cam­pa­nhas de de­sin­for­ma­ção e ma­ni­pu­la­ção em Por­tu­gal por vá­ri­os fa­to­res so­ci­ais e po­lí­ti­cos. Di­fe­ren­te­men­te do Bra­sil, on­de as elei­ções fo­ram de­fi­ni­das em uma dis­pu­ta de for­ças pró e an­ti­pe­tis­mo, as elei­ções le­gis­la­ti­vas por­tu­gue­sas não ti­ve­ram es­sa po­la­ri­za­ção.

Se­gun­do o jor­na­lis­ta Gus­ta­vo Sam­paio, di­re­tor ad­jun­to do Po­lí­gra­fo, agên­cia de che­ca­gem de fa­tos, hou­ve ten­ta­ti­vas de di­fun­dir bo­a­tos. Às vés­pe­ras das elei­ções, por exem­plo, o pre­miê foi abor­da­do por um ci­da­dão que o acu­sou de es­tar de fé­ri­as em ju­lho de 2017, quan­do um in­cên­dio flo­res­tal pro­vo­cou 64 mor­tes. A ale­ga­ção é fal­sa: Cos­ta es­ta­va tra­ba­lhan­do e vi­si­tou o lo­cal do in­cên­dio.

RA­FA­EL MARCHANTE/REU­TERS

Lis­boa. Elei­ção em Por­tu­gal: pou­ca de­sin­for­ma­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.