Do­cu­men­ta­ção ‘Ir­mã Dul­ce não fa­zia o bem pe­la me­ta­de’

Agra­ci­a­dos por mi­la­gres atri­buí­dos à re­li­gi­o­sa bai­a­na que se­rá ca­no­ni­za­da no do­min­go ex­põem his­tó­ri­as de fé, e a ‘sur­pre­sa’ dos mé­di­cos

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Re­na­ta Fa­ri­as ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO/SAL­VA­DOR

Em co­mum, a fé na san­ta e a in­cre­du­li­da­de dos mé­di­cos. A re­li­gi­o­sa bai­a­na Ma­ria Ri­ta Lopes Pon­tes, mais co­nhe­ci­da co­mo Ir­mã Dul­ce, se­rá ele­va­da aos al­ta­res, ou se­ja, ca­no­ni­za­da, no pró­xi­mo do­min­go, gra­ças a mi­la­gres con­ce­di­dos a uma grá­vi­da e a um ce­go. Se­rá a pri­mei­ra san­ta ca­tó­li­ca nas­ci­da no Bra­sil.

Ne­ces­sá­rio pa­ra a ca­no­ni­za­ção, o se­gun­do mi­la­gre re­co­nhe­ci­do pe­lo Va­ti­ca­no foi a cu­ra ins­tan­tâ­nea da ce­guei­ra do ma­es­tro Jo­sé Mau­rí­cio Mo­rei­ra, atu­al­men­te com 51 anos, que con­vi­via com a ce­guei­ra ha­via 14 quan­do ocor­reu o que era con­si­de­ra­do im­pos­sí­vel. “Eu des­co­bri que ti­nha glau­co­ma em 1992, com 23 anos. Tra­tei es­sa do­en­ça du­ran­te qua­se dez anos, mas não foi o su­fi­ci­en­te por­que, quan­do eu des­co­bri, já ti­nha per­di­do mui­to do ner­vo óp­ti­co”, con­ta Mo­rei­ra. Ape­sar de pas­sar por al­guns tra­ta­men­tos, em 2000 es­ta­va com­ple­ta­men­te ce­go.

Foi em 2014, ao con­trair uma con­jun­ti­vi­te com sin­to­mas mui­to in­ten­sos, que o ma­es­tro fez um pe­di­do a Ir­mã Dul­ce e re­ce­beu mui­to mais do que es­pe­ra­va. “Em uma noi­te de mui­ta dor e so­fri­men­to, eu pe­guei uma ima­gem de Ir­mã Dul­ce, co­lo­quei so­bre os olhos e, com to­da a fé que sem­pre ti­ve, pe­di que ela cu­ras­se mi­nha con­jun­ti­vi­te. Não pe­di pa­ra vol­tar a en­xer­gar, os mé­di­cos já ti­nham di­to que eu pra­ti­ca­men­te não ti­nha mais ner­vo óp­ti­co.” Al­gu­mas ho­ras de­pois, ele foi ca­paz de ver as pró­pri­as mãos, e a “nu­vem de fu­ma­ça” que blo­que­a­va seus olhos co­me­çou a se dis­si­par gra­da­ti­va­men­te.

Hou­ve ain­da uma se­gun­da sur­pre­sa, após a ale­gria de re­co­brar a vi­são. Ao se con­sul­tar com o mé­di­co que já cui­da­va da con­jun­ti­vi­te, o ma­es­tro foi in­for­ma­do de que na­da ha­via mu­da­do fi­si­ca­men­te.

De acor­do com os exa­mes clí­ni­cos, ele con­ti­nu­a­va ce­go, já que o ner­vo óp­ti­co es­ta­va mui­to da­ni­fi­ca­do. “Ir­mã Dul­ce era as­sim: se al­guém pe­dis­se a ela pa­ra su­bir dois de­graus, ela já co­lo­ca­va a pes­soa lá em ci­ma na es­ca­da. Ela não fa­zia o bem pe­la me­ta­de, ia até o fi­nal”, acres­cen­ta.

A ima­gem da frei­ra uti­li­za­da na­que­le mo­men­to per­ten­cia an­te­ri­or­men­te à mãe. Jo­sé Mau­rí­cio Mo­rei­ra cres­ceu as­sis­tin­do às con­tri­bui­ções de sua fa­mí­lia às ações de Ir­mã Dul­ce e che­gou a co­nhe­cê-la. Em en­tre­vis­ta ao Es­ta­do, res­sal­tou que, pa­ra os bai­a­nos, o “An­jo Bom” sem­pre foi san­ta.

O par­to. Já o pri­mei­ro mi­la­gre atri­buí­do à Ir­mã Dul­ce, que le­vou à be­a­ti­fi­ca­ção (es­tá­gio an­te­ri­or à ca­no­ni­za­ção) em 22 de maio de 2011, agra­ci­ou uma mu­lher que não a co­nhe­cia an­tes do epi­só­dio. Clau­dia San­tos, ho­je com 50 anos, re­cu­pe­rou­se de uma gra­ve he­mor­ra­gia pós-par­to, cu­jo san­gra­men­to foi su­bi­ta­men­te in­ter­rom­pi­do.

Mo­ra­do­ra do mu­ni­cí­pio de Ma­lha­dor, no in­te­ri­or de Ser­gi­pe, deu à luz o se­gun­do fi­lho em 2001. Após o par­to nor­mal, ela apre­sen­tou uma he­mor­ra­gia in­con­tro­lá­vel, que a le­vou à UTI. Os mé­di­cos re­a­li­za­ram to­dos os pro­ce­di­men­tos pos­sí­veis, mas já ha­via pou­cas es­pe­ran­ças de sal­var a vi­da da pa­ci­en­te. “Che­gou um mo­men­to em que o mé­di­co fa­lou pa­ra mi­nha fa­mí­lia que não ti­nha mais o que fa­zer, só aguar­dar o fa­le­ci­men­to”, afir­ma.

A pa­ci­en­te foi en­tão trans­fe­ri­da pa­ra a ca­pi­tal do Es­ta­do, Ara­ca­ju, on­de re­ce­beu a vi­si­ta de um re­li­gi­o­so de sua ci­da­de. “Pa­dre Al­mir foi me vi­si­tar e le­vou uma san­ti­nha, Ir­mã Dul­ce. Ele re­zou e me en­tre­gou a san­ti­nha. De­pois dis­so, foi ca­da dia uma me­lho­ra”, acres­cen­ta Clau­dia. Se­gun­do ela, nem o mé­di­co que re­a­li­zou o par­to acre­di­tou quan­do a viu che­gar ao hos­pi­tal pa­ra uma re­vi­são. Ho­je, Clau­dia San­tos é de­vo­ta de Ir­mã Dul­ce e agra­de­ce sua vi­da à in­ter­ces­são na­que­le mo­men­to.

Pro­ces­so. Ini­ci­a­do em ja­nei­ro de 2000, o pro­ces­so de ca­no­ni­za­ção da San­ta Ri­ta dos Po­bres foi o ter­cei­ro mais rá­pi­do da his­tó­ria con­tem­po­râ­nea da Igre­ja Ca­tó­li­ca, atrás de João Pau­lo II (no­ve anos após sua mor­te) e Ma­dre Te­re­za de Cal­cu­tá (19 anos de­pois). “Foi um dos pro­ces­sos mais rá­pi­dos da atu­a­li­da­de”, co­men­ta o Frei Gi­o­van­ni Mes­si­as, rei­tor do San­tuá­rio de Ir­mã Dul­ce.

Ele ex­pli­ca que, “pa­ra acon­te­cer tan­to o pro­ces­so de be­a­ti­fi­ca­ção quan­to de ca­no­ni­za­ção, é pre­ci­so uma aná­li­se mi­nu­ci­o­sa da vi­da do can­di­da­to, até mes­mo pa­ra com­pro­var as vir­tu­des de san­ti­da­de, fé, ca­ri­da­de, amor, es­pe­ran­ça”. Pa­ra fi­na­li­zar o pro­ces­so de ca­no­ni­za­ção, ex­cluin­do o ca­so de már­ti­res, co­bra-se a com­pro­va­ção de dois mi­la­gres.

“A pos­si­bi­li­da­de de en­con­trar as tes­te­mu­nhas, mon­tar o me­mo­ri­al, a do­cu­men­ta­ção abun­dan­te bem or­ga­ni­za­da, tu­do fa­ci­li­ta (o pro­ces­so de ca­no­ni­za­ção).”

Pa­dre Ro­ber­to Lopes DE­LE­GA­DO ARQUIEPISC­OPAL DA CAU­SA DOS SAN­TOS DO RIO DE JA­NEI­RO

SA­RA GO­MES/AR­QUI­DI­O­CE­SE DE SAL­VA­DOR–1/9/2019

Mi­la­gre. Mo­rei­ra re­cu­pe­rou a vi­são: ‘Em noi­te de mui­ta dor, pe­guei uma ima­gem de Ir­mã Dul­ce e co­lo­quei so­bre os olhos’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.