Ti­te ad­mi­te mau fu­te­bol con­tra Senegal e co­bra mais em­pe­nho

Treinador re­co­nhe­ce que ti­me não foi com­pe­ti­ti­vo no em­pa­te de on­tem e es­pe­ra com­por­ta­men­to di­fe­ren­te con­tra a Nigéria

O Estado de S. Paulo - - Esportes - CIN­GA­PU­RA

O “re­ca­do” de Ti­te aos jo­ga­do­res, já vi­san­do ao amis­to­so de do­min­go com a Nigéria, dá o tom do mau de­sem­pe­nho da se­le­ção bra­si­lei­ra no jo­go de on­tem, quan­do não pas­sou de um em­pa­te por 1 a 1 com o Senegal. “Pa­ra a se­le­ção africana o amis­to­so tem uma im­por­tân­cia e pa­ra nós pre­ci­sa ter tam­bém”, dis­se o treinador, após re­co­nhe­cer que a equi­pe es­te­ve “abai­xo do que po­de­ria pro­du­zir”.

De fa­to, o ti­me es­te­ve bem abai­xo de um pa­drão acei­tá­vel no amis­to­so que mar­cou o 100.º jo­go de Ney­mar com a ca­mi­sa da se­le­ção bra­si­lei­ra. Ti­te es­ca­lou a ba­se ven­ce­do­ra da Co­pa Amé­ri­ca, com o ata­can­te do Pa­ris Saint-Ger­main e Eder­son no gol por­que o ti­tu­lar Alis­son se re­cu­pe­ra de con­tu­são, mas o de­sem­pe­nho de­cep­ci­o­nou.

A se­le­ção até que co­me­çou bem a par­ti­da no Es­tá­dio Na­ci­o­nal de Cin­ga­pu­ra. O quar­te­to ofen­si­vo com­pos­to por Phi­i­lip­pe Cou­ti­nho, Ga­bri­el Je­sus, Ro­ber­to Fir­mi­no e Ney­mar se mo­vi­men­ta­va bas­tan­te. E o ti­me mar­ca­va for­te a saí­da de jo­go do Senegal, au­men­tan­do a sen­sa­ção de pres­são.

As­sim, não de­mo­rou a sair o pri­mei­ro gol. Aos oi­to mi­nu­tos, em uma be­la tra­ma, Cou­ti­nho lan­çou Ga­bri­el Je­sus, que avan­çou pe­lo meio e to­cou pa­ra Fir­mi­no en­trar na área e to­car por co­ber­tu­ra, fa­zen­do 1 a 0.

Só que o ti­me pa­rou. Senegal pas­sou a ame­a­çar e em­pa­tou de um pê­nal­ti no fim da eta­pa. Mar­qui­nhos der­ru­bou Ma­né, Diédhi­ou ba­teu for­te e em­pa­tou.

Na eta­pa fi­nal, a len­ti­dão da se­le­ção se re­pe­tiu e nem as en­tra­das de Ever­ton, Ri­char­li­son e dos es­tre­an­tes Matheus Henrique e Re­nan Lo­di al­te­ra­ram o ce­ná­rio. No fim, Senegal ain­da te­ve du­as chan­ces de vi­rar.

“A se­le­ção jo­gou me­nos do que po­de e com­pe­tiu me­nos do que po­de. Não foi um bom jo­go nos­so”, ad­mi­tiu Ti­te. “Es­te­ve abai­xo do seu pa­drão técnico, do seu nor­mal com­pe­ti­ti­vo.”

On­tem, a se­le­ção com­ple­tou três jo­gos sem ven­cer – no mês pas­sa­do, em amis­to­sos re­a­li­za­dos nos Es­ta­dos Uni­dos, fi­cou no 1 a 1 com a Colôm­bia e de­pois per­deu pa­ra o Pe­ru por 1 a 0 – e Ti­te tem cons­ci­ên­cia de que se­rá co­bra­do por cau­sa des­sa ins­ta­bi­li­da­de.

“Pre­ci­sa de re­sul­ta­dos as­so­ci­a­dos à cri­a­ção e fi­na­li­za­ção, so­li­dez de­fen­si­va e re­sul­ta­do. Quan­do fal­ta um des­ses três fa­to­res, a crí­ti­ca vem e eu te­nho que ter a ma­tu­ri­da­de de sa­ber ab­sor­ver”, dis­se o treinador.

Ele não dei­xou cla­ro se fa­rá ex­pe­ri­ên­ci­as na par­ti­da de do­min­go, con­tra a Nigéria, tam­bém em Cin­ga­pu­ra, mas dis­se es­pe­rar que os jo­ga­do­res se­jam mais com­pe­ti­ti­vos.

WAL­LA­CE WOON/EPA/EFE

Ex­ce­ção. Gol de Fir­mi­no, um ra­ro bom mo­men­to da se­le­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.