‘O mais im­por­tan­te é que a ci­da­de abra­çou a par­ce­ria’

Lí­der e com o aces­so mui­to bem en­ca­mi­nha­do, técnico elogia elen­co e fa­la so­bre os pro­je­tos pa­ra o fu­tu­ro

O Estado de S. Paulo - - Esportes - Gui­lher­me Amaro

Lí­der da Sé­rie B com oi­to pon­tos de van­ta­gem pa­ra o se­gun­do co­lo­ca­do, o Red Bull Bra­gan­ti­no es­tá per­to de con­quis­tar o aces­so à eli­te na­ci­o­nal. Pa­ra o técnico An­to­nio Car­los Za­go, a fu­são en­tre os clu­bes no pri­mei­ro se­mes­tre foi fun­da­men­tal pa­ra o su­ces­so. Afi­nal, uniu uma es­tru­tu­ra do Red Bull com uma tor­ci­da que faz co­bran­ças e co­me­mo­ra a boa fa­se da equi­pe.

Con­fi­ra a en­tre­vis­ta do treinador ao Es­ta­do, on­de ele con­ta co­mo tem si­do tra­ba­lhar em sua “no­va” ca­sa.

Co­mo foi es­sa mon­ta­gem do elen­co com a fu­são dos clu­bes?

Não po­de­mos fa­lar só de­pois da par­ce­ria en­tre os clu­bes, por­que a mon­ta­gem co­me­çou an­tes, ain­da co­mo Red Bull Bra­sil. Jo­ga­mos a Co­pa Pau­lis­ta e man­ti­ve­mos a ba­se pa­ra o Pau­lis­ta des­te ano, quan­do con­quis­ta­mos o Tro­féu do In­te­ri­or. Do Pau­lis­ta pa­ra a Sé­rie B, já tí­nha­mos uma ba­se for­te, es­co­lhe­mos mais al­guns jo­ga­do­res do Bra­gan­ti­no e con­tra­ta­mos ou­tros. O im­por­tan­te foi man­ter a ba­se des­de o ano pas­sa­do. Nos­sa for­ça é es­sa: os jo­ga­do­res se co­nhe­cem e tam­bém co­nhe­cem o meu tra­ba­lho, en­tão es­ta­mos jo­gan­do um bom fu­te­bol que só com o tem­po é pos­sí­vel atin­gir.

Es­pe­ra­va que o pro­je­to des­se cer­to tão ce­do?

A men­ta­li­da­de que eu car­re­go des­de quan­do era jo­ga­dor é a von­ta­de de ven­cer sem­pre. Es­pe­rá­va­mos fa­zer uma boa cam­pa­nha, e as coi­sas acon­te­ce­ram na­tu­ral­men­te.

O que mais aju­dou na fu­são en­tre os clu­bes?

O mais im­por­tan­te des­sa fu­são foi a ci­da­de (de Bra­gan­ça Pau­lis­ta) ter abra­ça­do es­sa par­ce­ria. Te­mos uma boa mé­dia de pú­bli­co e vo­cê vê a ci­da­de em­pol­ga­da com o que o ti­me vem fa­zen­do na Sé­rie B. Não só pe­la li­de­ran­ça do cam­pe­o­na­to, mas jo­gan­do um bom fu­te­bol. É is­so que em­pol­ga tam­bém. Ago­ra, te­mos uma ca­sa, que é em Bra­gan­ça. An­tes, jo­gá­va­mos em Cam­pi­nas e a tor­ci­da era com­pos­ta por ami­gos e pa­ren­tes, eram 500 pes­so­as por jo­go. Ago­ra tem uma tor­ci­da, uma co­bran­ça que é im­por­tan­te, por­que no fu­te­bol tem que se acos­tu­mar a ser co­bra­do. Tem es­sa pres­são da tor­ci­da e mais im­pren­sa tam­bém, e acho que is­so tem aju­da­do.

O que mu­da tra­ba­lhar em um clu­be-em­pre­sa?

Tem mais es­ta­bi­li­da­de e se­gu­ran­ça pa­ra tra­ba­lhar, prin­ci­pal­men­te pa­ra o treinador. E o que acon­te­ce aqui é com uma mul­ti­na­ci­o­nal por trás, por­que vi­mos o exem­plo do Fi­guei­ren­se, que vi­rou em­pre­sa e vem pas­san­do por di­fi­cul­da­des. Aqui te­mos se­gu­ran­ça, pa­ga­men­to em dia, es­tru­tu­ra boa pa­ra tra­ba­lhar... Te­mos tu­do o que pre­ci­sa­mos. Ou­tra di­fe­ren­ça é que aqui não tem con­se­lhei­ros do dia a dia. Não tem es­ses ca­ras en­chen­do o sa­co, en­tão acho que fi­ca mais tran­qui­lo. Aqui tem o pre­si­den­te e o di­re­tor, que é o Thi­a­go (Scu­ro), a qu­em eu me re­por­to.

Co­mo es­tá a an­si­e­da­de pa­ra o aces­so?

Te­mos que es­tar an­si­o­sos mes­mo, não tem jei­to. Va­mos pro­cu­rar con­ter um pou­co na ba­se da con­ver­sa. O mais im­por­tan­te é os jo­ga­do­res es­ta­rem mui­to mo­ti­va­dos.

Faz con­tas pa­ra o aces­so e pa­ra o tí­tu­lo?

A mé­dia que cal­cu­la­mos, com ba­se nos úl­ti­mos anos, é que de 60 a 65 pon­tos fi­ca com pe­lo me­nos a quar­ta co­lo­ca­ção (o ti­me tem 54). Te­mos 11 jo­gos pe­la fren­te, en­tão com mais três vi­tó­ri­as acho que con­se­gui­mos o aces­so. Pa­ra o tí­tu­lo, acre­di­to que 70 pon­tos se­jam ne­ces­sá­ri­os. Pen­sa­mos tam­bém em tí­tu­lo, por­que as­sim vo­cê dei­xa seu no­me mar­ca­do na his­tó­ria do clu­be. A úl­ti­ma Sé­rie B do Bra­gan­ti­no foi em 1989, en­tão é im­por­tan­te pa­ra o clu­be ser cam­peão.

Acha que es­sa ba­se dá pa­ra com­pe­tir na Sé­rie A em 2020?

Ve­jo que te­mos uma ba­se mui­to for­te pa­ra dis­pu­tar o cam­pe­o­na­to no ano que vem. É um cam­pe­o­na­to di­fe­ren­te, com pe­lo me­nos dez gran­des equi­pes, é di­fí­cil. O pri­mei­ro ob­je­ti­vo é per­ma­ne­cer na Sé­rie A, fu­gir do re­bai­xa­men­to. E é im­por­tan­te que to­dos es­te­jam ci­en­tes dis­so aqui no clu­be, en­tão é um bom ca­mi­nho pa­ra que ano que vem pos­sa ter tran­qui­li­da­de pa­ra tra­ba­lhar.

Co­mo vê o mer­ca­do de técnico no Bra­sil, com a vol­ta dos “me­da­lhões” e a che­ga­da de es­tran­gei­ros?

Acho mui­to bom os es­tran­gei­ros. Não sei se é por­que pas­sei mais de dez anos da mi­nha car­rei­ra co­mo jo­ga­dor fo­ra (do

País), mas acho que vo­cê sem­pre es­tá apren­den­do com os es­tran­gei­ros. O Sam­pa­o­li pa­ra mim é uma re­fe­rên­cia, o acom­pa­nho des­de a Uni­ver­si­dad de Chi­le. É um treinador que vem fa­zen­do óti­mo tra­ba­lho no San­tos, pe­gou um ti­me em que nin­guém acre­di­ta­va. O Je­sus é um ca­ra que es­tá im­ple­men­tan­do no­vas idei­as tam­bém. São trei­na­do­res que vêm fa­zen­do um óti­mo tra­ba­lho e acho que são exem­plos pa­ra os mais jo­vens. Já a vol­ta dos mais an­ti­gos eu nun­ca vi com tan­ta di­fe­ren­ça, não acho que tem que ter es­sa ques­tão de ida­de. Acho que eles são im­por­tan­tes. Nos­sa pro­fis­são cres­ceu nos úl­ti­mos anos e po­de me­lho­rar mais.

ARI FER­REI­RA/BRA­GAN­TI­NO

Am­bi­ção. An­to­nio Car­los tem co­mo me­ta ven­cer sem­pre

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.