‘Pa­ra o Bra­sil é ruim, pois atra­sa o pro­ces­so de ade­são’

Ex-em­bai­xa­dor diz que paí­ses não têm ami­gos e sim in­te­res­ses e que os EUA fi­ze­ram o que é con­ve­ni­en­te pa­ra eles

O Estado de S. Paulo - - Economia - L.D.

O fa­to de o Bra­sil não ter si­do in­di­ca­do ago­ra pe­los EUA pa­ra a OCDE mos­tra que os ame­ri­ca­nos pri­o­ri­za­rão seu in­te­res­se de não au­men­tar o nú­me­ro de mem­bros do blo­co. “Os paí­ses não têm ami­gos, têm in­te­res­ses. Co­mo era mais fá­cil os EUA se­gui­rem seu in­te­res­se? In­di­can­do a Ar­gen­ti­na (...), que não po­de­rá cum­prir os com­pro­mis­sos exi­gi­dos pe­la OCDE”, dis­se o ex-em­bai­xa­dor em Washing­ton Ru­bens Bar­bo­sa. A se­guir, tre­chos da en­tre­vis­ta. • A Ar­gen­ti­na ha­via pe­di­do apoio dos EUA an­tes do Bra­sil. Era na­tu­ral que fos­se in­di­ca­da an­tes? Mi­nha in­ter­pre­ta­ção é que, co­mo o pe­di­do da Ar­gen­ti­na era mais an­ti­go e o país es­tá em uma si­tu­a­ção mui­to ruim, não vai en­trar tão ce­do na OCDE, re­sol­ve­ram apoi­ar a Ar­gen­ti­na. Os EUA são con­tra o au­men­to do nú­me­ro de paí­ses mem­bros da OCDE. Se apoi­as­sem o Bra­sil, que já es­tá ade­rin­do a con­ven­ções da or­ga­ni­za­ção, se­ria um pro­ces­so mais rá­pi­do. Is­so não quer di­zer que, no fu­tu­ro, os EUA não ve­nham a apoi­ar o Bra­sil. Ago­ra, tu­do is­so mos­tra que os paí­ses não têm ami­gos, têm in­te­res­ses. Os EUA co­lo­ca­ram em pri­mei­ro lu­gar o in­te­res­se de­les, que é não au­men­tar o nú­me­ro de paí­ses. Co­mo era mais fá­cil se­guir o in­te­res­se de­les? In­di­can­do a Ar­gen­ti­na, que es­tá mui­to de­bi­li­ta­da. Ela não vai po­der cum­prir os com­pro­mis­sos que são exi­gi­dos dos paí­ses que pre­ten­dem en­trar na OCDE. O que fi­cou meio ne­ga­ti­vo foi os EUA te­rem pre­te­ri­do o Bra­sil pe­la Ar­gen­ti­na na si­tu­a­ção atu­al da Ar­gen­ti­na.

• A es­tra­té­gia ame­ri­ca­na en­tão é não me­xer no blo­co, ape­sar da in­di­ca­ção?

Vo­cê po­de in­ter­pre­tar is­so. Co­mo eles são con­tra o au­men­to, co­lo­ca­ram dois paí­ses que te­rão di­fi­cul­da­de de cum­prir as re­gras. Pa­ra o Bra­sil é ruim. Atra­sa o pro­ces­so de ade­são.

• Quan­do po­de ha­ver no­va in­di­ca­ção de paí­ses?

É de tem­pos em tem­pos, mas não sei se há um cro­no­gra­ma.

• O fa­to de o Bra­sil ter si­do pre­te­ri­do in­di­ca que o País tro­cou o cer­to, o sta­tus de país em de­sen­vol­vi­men­to na Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC), pe­lo ex­tre­ma­men­te du­vi­do­so?

Is­so mos­tra o que dis­se an­tes, que os paí­ses não têm ami­gos, têm in­te­res­ses. Vo­cê tem de de­fen­der o seu in­te­res­se. O Bra­sil não abriu mão do sta­tus de país em de­sen­vol­vi­men­to. O que o Bra­sil con­cor­dou com os ame­ri­ca­nos foi abrir mão do tra­ta­men­to es­pe­ci­al e di­fe­ren­ci­a­do, que é mui­to lo­ca­li­za­do na ques­tão dos acor­dos co­mer­ci­ais, co­mo tem­po es­pe­ci­al (pa­ra se ade­quar a uma nor­ma ). Ago­ra, co­mo os EUA não cum­pri­ram is­so, o Bra­sil po­de vol­tar atrás tam­bém se qui­ser. Acho que o Bra­sil não vai fa­zer is­so, mas po­de. Se não hou­ve o apoio ao Bra­sil ago­ra – e eu não ve­jo num fu­tu­ro pró­xi­mo o pe­di­do de o Bra­sil ser aten­di­do –, aí o País fi­ca li­vre pa­ra mo­di­fi­car es­sa po­si­ção./

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.