País es­tu­da mo­de­lo bri­tâ­ni­co de con­tra­ta­ção de ser­vi­do­res

Me­di­da pa­ra fle­xi­bi­li­zar en­tra­da no ser­vi­ço pú­bli­co foi su­ge­ri­da pa­ra atrair pro­fis­si­o­nais mais bem qua­li­fi­ca­dos

O Estado de S. Paulo - - Economia - Adri­a­na Fer­nan­des / BRA­SÍ­LIA

A equi­pe econô­mi­ca ava­lia pro­pos­ta pa­ra ado­ção no Bra­sil de mo­de­lo do Rei­no Uni­do de con­tra­ta­ção de ser­vi­do­res pro­fis­si­o­nais pa­ra ní­veis mais ele­va­dos de uma car­rei­ra. É a cha­ma­da “en­tra­da la­te­ral”. A ideia es­tá sen­do ana­li­sa­da pe­lo ti­me do mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, e foi su­ge­ri­da pe­lo Ban­co Mun­di­al (Bird) em re­la­tó­rio so­bre a fo­lha de pa­ga­men­tos do se­tor pú­bli­co brasileiro.

De acor­do com o Bird, é pos­sí­vel atrair pro­fis­si­o­nais mais bem qua­li­fi­ca­dos do se­tor pri­va­do que po­dem tra­zer ino­va­ções e no­vas pers­pec­ti­vas. Com a “en­tra­da la­te­ral”, o con­cur­so não é pa­ra o iní­cio da car­rei­ra, mas pa­ra o to­po. O Bird de­fen­de con­tra­ta­ções mais fle­xí­veis.

No Bra­sil, o se­tor pú­bli­co fe­de­ral apre­sen­ta cen­te­nas de car­rei­ras com bai­xa mo­bi­li­da­de en­tre ór­gãos do go­ver­no e com en­tra­da ape­nas pe­lo me­nor ní­vel ini­ci­al da ca­te­go­ria.

O di­ag­nós­ti­co do Ban­co Mun­di­al é que es­sa es­tru­tu­ra, com­bi­na­da com pro­gres­sões atre­la­das ape­nas ao tem­po de ser­vi­ço pú­bli­co, faz com que ser­vi­do­res que che­gam ao to­po das car­rei­ras não se­jam ne­ces­sa­ri­a­men­te os mais bem pre­pa­ra­dos pa­ra ocu­par a fun­ção.

A re­for­ma de Por­tu­gal, fei­ta em 2008, tam­bém foi ci­ta­da co­mo mo­de­lo a ser se­gui­do. No país, mais de mil car­rei­ras exis­ten­tes fo­ram subs­ti­tuí­das por três car­rei­ras ge­rais e al­gu­mas es­pe­ci­ais. O go­ver­no por­tu­guês aca­bou com as pro­gres­sões au­to­má­ti­cas por tem­po de ser­vi­ço.

A re­for­ma em Por­tu­gal tam­bém es­ta­be­le­ceu uma ta­xa de re­po­si­ção de ser­vi­do­res de 2 pa­ra 1. Ou se­ja, du­as apo­sen­ta­do­ri­as são ne­ces­sá­ri­as pa­ra uma no­va con­tra­ta­ção. Tam­bém foi per­mi­ti­da a cha­ma­da “en­tra­da la­te­ral”.

No Bra­sil, a jun­ção de car­rei­ras exi­gi­ria o re­en­qua­dra­men­to dos ser­vi­do­res em um no­vo qua­dro sa­la­ri­al, com equi­pa­ra­ção da re­mu­ne­ra­ção en­tre os mem­bros da no­va car­rei­ra.

O ban­co tam­bém re­co­men­dou ao go­ver­no fe­de­ral ter co­mo par­te da po­lí­ti­ca de de­fi­ni­ção

de sa­lá­ri­os de seus ser­vi­do­res a com­pa­ra­ção com gru­pos se­me­lhan­tes no se­tor pri­va­do, co­mo no Ca­na­dá, que ado­tou, em 2006, uma re­vi­são da po­lí­ti­ca de re­mu­ne­ra­ção de seus ser­vi­do­res pú­bli­cos fe­de­rais que te­ve co­mo ob­je­ti­vo dar aos mi­nis­tros, al­tos fun­ci­o­ná­ri­os e ou­tras par­tes in­te­res­sa­das “uma apre­sen­ta­ção aces­sí­vel, in­te­gra­da e co­e­ren­te do sis­te­ma de re­mu­ne­ra­ção do se­tor pú­bli­co fe­de­ral”.

O co­or­de­na­dor da Fren­te Par­la­men­tar Mis­ta em De­fe­sa do Ser­vi­ço Pú­bli­co, de­pu­ta­do Is­ra­el Ba­tis­ta (PV-DF), con­cor­da que o Es­ta­do pre­ci­sa ter me­ca­nis­mos pa­ra dis­pu­tar os me­lho­res tra­ba­lha­do­res com o mer­ca­do. Ele dis­se que a fren­te es­tá dis­pos­ta a di­a­lo­gar pro­pos­tas co­mo a do Rei­no Uni­do, mas fez um aler­ta. “Não que­re­mos uma re­for­ma per­se­cu­tó­ria. Nos pre­o­cu­pa o tom das fa­las do go­ver­no. Não que­re­mos um de­ba­te rai­vo­so. Que­re­mos par­ti­ci­par.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.