Pe­ter Hand­ke tem obra mar­ca­da pe­la ou­sa­dia

Es­cri­tor aus­tría­co tem ro­man­ces, pe­ças de teatro, con­tos e co­la­bo­ra­ções com Wim Wen­ders no ci­ne­ma

O Estado de S. Paulo - - Caderno 2 - Dir­ce Wal­trick do Ama­ran­te ES­PE­CI­AL PA­RA O ES­TA­DO AU­TO­RA DE ‘CE­NAS DO TEATRO MO­DER­NO E CON­TEM­PO­R­NEO’

O es­cri­tor aus­tría­co Pe­ter Hand­ke (1942), Prê­mio No­bel de Li­te­ra­tu­ra 2019, es­cre­veu ro­man­ces, pe­ças de teatro, con­tos, en­sai­os e ro­tei­ros ci­ne­ma­to­grá­fi­cos. No ci­ne­ma, seu roteiro Mo­vi­men­to em Falso foi di­ri­gi­do pe­lo di­re­tor ale­mão Wim Wen­ders, com qu­em es­ta­be­le­ceu só­li­da par­ce­ria. Mas ele mes­mo foi di­re­tor de ci­ne­ma: em 1985, di­ri­giu A Do­en­ça da Mor­te. Ou­tra fa­ce­ta de Hand­ke é a de tradutor, aliás, bas­tan­te pro­lí­fe­ro. Es­sa car­rei­ra di­ver­si­fi­ca­da é mar­ca­da pe­la ou­sa­dia e ex­pe­ri­men­ta­ção.

Mui­tos tex­tos de Hand­ke já fo­ram tra­du­zi­dos pa­ra o por­tu­guês. Seu ro­man­ce A Per­da da Ima­gem ou Atra­vés da Si­er­ra de Gre­dos (Es­ta­ção Li­ber­da­de, 2009), por exem­plo, foi be­la­men­te tra­du­zi­do por Si­mo­ne Ho­mem de Mel­lo. Ne­le, vem à to­na um es­cri­tor pre­o­cu­pa­do com as ima­gens: “Qual o efei­to das ima­gens? Elas exal­tam seu dia. Re­for­çam-lhe o pre­sen­te”. Con­tu­do, es­sas mes­mas ima­gens são fu­gi­di­as, co­mo ele des­ta­ca: “A qual­quer ten­ta­ti­va de de­tê-las ou ob­ser­vá-las com cal­ma, elas se dis­per­sa­vam ime­di­a­ta­men­te, uma in­ter­fe­rên­cia des­sas tam­bém des­truía, a pos­te­ri­o­ri, o efei­to de ima­gem-áti­mo, que sur­gia e su­mia de re­pen­te”.

“As ima­gens”, diz Hand­ke, “es­ta­vam em ex­tin­ção”. Ain­da as­sim, ele as bus­ca em to­da sua obra, por is­so, tal­vez, su­as per­so­na­gens te­nham que de­am­bu­lar à pro­cu­ra de­las. Per­so­na­gens an­da­ri­lhas es­tão, por exem­plo, tan­to em A Per­da da Ima­gem quan­to em A Tar­de de um Es­cri­tor, que con­ta a his­tó­ria de um es­cri­tor que pre­ci­sa pe­re­gri­nar pe­la ci­da­de e se per­der ne­la pa­ra en­con­trar o fio de sua nar­ra­ti­va: “Mas es­se te­mor de fi­car parado, de não po­der se­guir, não es­te­ve pre­sen­te em to­da a sua vi­da na ho­ra de es­cre­ver e em to­dos os ou­tros pro­je­tos: no amor, es­tu­do, em qual­quer par­ti­ci­pa­ção, ou se­ja, em tu­do aqui­lo que re­quer per­sis­tên­cia?”. A Tar­de de um Es­cri­tor foi es­cri­ta de­pois de uma vi­a­gem a pé pe­la an­ti­ga Iu­gos­lá­via, nos anos 1980.

Em 1989, Hand­ke pu­bli­ca En­saio so­bre o Can­sa­ço, no qual o can­sa­ço po­de ser pa­ra­li­san­te e as­sus­ta­dor, já que es­ta­ria vin­cu­la­do a um “sen­ti­men­to de cul­pa”, e cau­sa­ria so­fri­men­to e de­for­ma­ria as coi­sas, quan­do não a si mes­mo.

No teatro, Hand­ke aban­do­nou o ilu­si­o­nis­mo. Acre­di­ta­va que, “quan­to mai­or fos­se a ar­ti­fi­ci­a­li­da­de – fei­ta de dis­tan­ci­a­men­to e her­me­tis­mo – da­qui­lo que se apre­sen­ta­va so­bre o pal­co, mais o es­pec­ta­dor po­de­ria apli­car con­cre­ta, cla­ra e ra­ci­o­nal­men­te es­sas abs­tra­ções à sua si­tu­a­ção re­al, ex­te­ri­or ao cam­po te­a­tral”, co­mo afir­ma Samir Sig­neu, que or­ga­ni­zou e tra­du­ziu Pe­ter Hand­ke: Pe­ças Fa­la­das (Pers­pec­ti­va). O No­bel de 2019 tem uma vi­são crí­ti­ca do teatro. Pa­ra ele, é pre­ci­so trans­for­mar a ce­na pa­ra que o té­dio não to­me con­ta de to­dos: en­ce­na­do­res e pú­bli­co. In­sul­to ao Pú­bli­co, pe­ça pi­o­nei­ra es­cri­ta na dé­ca­da de 1960, co­me­ça aler­tan­do os es­pec­ta­do­res: “Vo­cês têm ideia do pa­drão do mun­do do teatro. Vo­cês não pre­ci­sam des­se pa­drão ago­ra. Vo­cês não es­tão as­sis­tin­do a uma pe­ça de teatro. Vo­cês são o pon­to fo­cal. Vo­cês es­tão no fo­go cru­za­do”.

Hand­ke sem­pre viu na li­te­ra­tu­ra uma for­ma de trans­for­mar o mun­do, edu­can­do e cons­ci­en­ti­zan­do as pes­so­as.

FRAN­ÇOIS MORI/AP

Pe­ter Hand­ke. Car­rei­ra de­di­ca­da à ex­pe­ri­men­ta­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.