ETÍO­PE LE­VA PRÊ­MIO POR NE­GO­CI­AR COM ERI­TREIA

Pri­mei­ro-mi­nis­tro da Etió­pia tem mui­to o que fazer pa­ra re­sol­ver con­fli­to com Eri­treia, ape­sar do acor­do de 2018

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - / TRA­DU­ÇÃO DE CLAU­DIA BOZZO

Pivô da re­con­ci­li­a­ção en­tre os dois paí­ses, o pre­miê da Etió­pia, Abiy Ah­med, de 43 anos, ain­da tem le­ga­do con­tes­ta­do.

Exis­tem dois ti­pos de ga­nha­do­res do Prê­mio No­bel da Paz. Há os in­dis­cu­tí­veis, fre­quen­te­men­te ati­vis­tas, como Na­dia Mu­rad (que ven­ceu no ano pas­sa­do por seu tra­ba­lho des­ta­can­do o es­tu­pro du­ran­te a guer­ra) ou a Or­ga­ni­za­ção pa­ra a Proi­bi­ção de Ar­mas Quí­mi­cas (Opaq), que ven­ceu em 2013.

Os con­tro­ver­ti­dos são fre­quen­te­men­te os po­lí­ti­cos que ne­go­ci­am acor­dos de paz – pen­se em Yas­ser Ara­fat ou Fre­de­rik de Klerk. A po­lí­ti­ca em lu­ga­res vi­o­len­tos é um as­sun­to de­sa­gra­dá­vel e con­fu­so, e os acor­dos de paz nem sem­pre du­ram. A con­ces­são do prê­mio on­tem a Abiy Ah­med, pri­mei­ro-mi­nis­tro da Etió­pia, pro­vo­ca­rá mais de­ba­tes do que a mai­o­ria.

No la­do positivo, Ah­med ten­tou ser um uni­fi­ca­dor des­de que as­su­miu o car­go, no ano pas­sa­do. Ele cos­tu­ma usar a pa­la­vra etío­pe amá­ri­ca “me­de­mer” (pa­ra so­mar) em dis­cur­sos. Mi­lhões de etío­pes sau­da­ram su­as pro­mes­sas de de­mo­cra­cia, re­con­ci­li­a­ção e re­for­ma em um país há mui­to opri­mi­do.

Em ju­nho de 2018, ele as­si­nou um acor­do his­tó­ri­co de paz com a Eri­treia, um vi­zi­nho me­nor que se se­pa­rou da Etió­pia em 1993. O acor­do ter­mi­nou com du­as dé­ca­das de con­fli­to sem sen­ti­do, por cau­sa de um pe­da­ço de ter­ra ári­da. A guer­ra dei­xou de­ze­nas de mi­lha­res de mor­tos, des­truiu fa­mí­li­as e rom­peu os la­ços pro­fun­dos de san­gue, cul­tu­ra e idi­o­ma en­tre os dois paí­ses.

Ah­med rom­peu o im­pas­se pro­me­ten­do se re­ti­rar dos ter­ri­tó­ri­os dis­pu­ta­dos, im­ple­men­tan­do, as­sim, as con­clu­sões de uma co­mis­são da ONU que a Etió­pia ha­via re­jei­ta­do mui­to tem­po atrás. Ele tam­bém apro­vei­tou seu es­trei­to re­la­ci­o­na­men­to com a Ará­bia Sau­di­ta e os Emi­ra­dos Ára­bes, cu­ja ge­ne­ro­si­da­de fi­nan­cei­ra po­de ter aju­da­do a em­pur­rar o presidente da Eri­treia, Isai­as Afwer­ki, pa­ra a me­sa de ne­go­ci­a­ções. Após o acor­do de paz, fa­mí­li­as e ami­gos se reu­ni­ram e o co­mér­cio en­tre as fron­tei­ras flo­res­ceu.

Be­rit Reiss-An­der­sen, presidente do Co­mi­tê do No­bel, dis­se que o prê­mio re­co­nhe­ce os “es­for­ços de Ah­med pa­ra al­can­çar a paz e a co­o­pe­ra­ção in­ter­na­ci­o­nal e, em par­ti­cu­lar, sua ini­ci­a­ti­va de­ci­si­va pa­ra re­sol­ver o con­fli­to fron­tei­ri­ço com a vi­zi­nha Eri­treia”. Ele tam­bém foi elo­gi­a­do por aju­dar a me­di­ar um acor­do de com­par­ti­lha­men­to de po­der en­tre ma­ni­fes­tan­tes pró-de­mo­cra­cia e uma jun­ta mi­li­tar que as­su­miu o po­der no iní­cio des­te ano no Su­dão.

No en­tan­to, a paz que ele for­jou com a Eri­treia es­tá lon­ge de ser com­ple­ta. No iní­cio des­te ano, a Eri­treia vol­tou a fe­char su­as pas­sa­gens fron­tei­ri­ças com a Etió­pia. Um acor­do co­mer­ci­al ela­bo­ra­do por ne­go­ci­a­do­res etío­pes acu­mu­la po­ei­ra na ca­pi­tal da Eri­treia, As­ma­ra, há qua­se um ano. A de­mar­ca­ção fí­si­ca da fron­tei­ra, a par­te mais com­pli­ca­da do acor­do, ain­da não co­me­çou: as áre­as em dis­pu­ta per­ma­ne­cem sob ad­mi­nis­tra­ção etío­pe.

A fal­ta de pro­gres­so des­ta­ca al­gu­mas das de­fi­ci­ên­ci­as de Ah­med como ne­go­ci­a­dor da paz. Ah­med So­li­man, da Chatham Hou­se, cen­tro de es­tu­dos de Lon­dres, fa­la so­bre seu “char­me e ini­ci­a­ti­vas pes­so­ais ou­sa­das” à cus­ta das ins­ti­tui­ções. Ele ig­no­rou o Mi­nis­té­rio das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res da Etió­pia pa­ra fe­char seu acor­do com Isai­as (cu­jos de­ta­lhes ja­mais fo­ram di­vul­ga­dos). Su­as ten­ta­ti­vas de pro­mo­ver a apro­xi­ma­ção en­tre o Quê­nia e a So­má­lia, en­vol­vi­dos em uma dis­pu­ta so­bre sua fron­tei­ra marítima, as­sim como en­tre fac­ções em guer­ra no Su­dão do Sul, ain­da não apre­sen­ta­ram re­sul­ta­dos.

O his­tó­ri­co do pri­mei­ro-mi­nis­tro como pa­ci­fi­ca­dor na Etió­pia tam­bém é con­tra­di­to­ri­a­men­te pre­o­cu­pan­te. Ele li­ber­tou pri­si­o­nei­ros po­lí­ti­cos e pro­me­teu elei­ções jus­tas. Mas não con­se­guiu man­ter a or­dem. Em 2018, qua­se 3 mi­lhões de etío­pes fo­ram ex­pul­sos de su­as ca­sas por con­fli­tos ét­ni­cos. As causas eram com­ple­xas e mui­tas das ten­sões são an­te­ri­o­res ao seu man­da­to.

Seu go­ver­no, po­rém, de­mo­rou a re­a­gir e, às ve­zes, pa­re­cia mais pre­o­cu­pa­do com sua ima­gem pú­bli­ca do que em con­tro­lar a cri­se hu­ma­na em es­pi­ral no sul do país. Du­ran­te vá­ri­os me­ses, a ad­mi­nis­tra­ção im­pe­diu que a aju­da che­gas­se a abri­gos pa­ra de­sa­bri­ga­dos e for­çou as pes­so­as a vol­tar con­tra sua von­ta­de pa­ra áre­as que ain­da não eram se­gu­ras. Is­so con­tri­buiu pa­ra mais vi­o­lên­cia e fo­me.

O Prê­mio No­bel se­rá um in­cen­ti­vo pa­ra o pri­mei­ro-mi­nis­tro, que en­fren­ta uma elei­ção na­ci­o­nal no ano que vem. “Em ca­sa, es­ta­mos sem­pre bri­gan­do, mas qu­an­do se tra­ta do mundo ex­te­ri­or, es­ta­re­mos do la­do de to­do etío­pe”, diz um mo­ra­dor da ca­pi­tal, Adis-Abe­ba.

Abel Aba­te De­mis­sie, ana­lis­ta po­lí­ti­co, su­ge­re que o re­co­nhe­ci­men­to in­ter­na­ci­o­nal pos­sa man­ter Ah­med ho­nes­to, es­pe­ci­al­men­te por­que seu go­ver­no mostra si­nais de re­ver­ter as tá­ti­cas au­to­ri­tá­ri­as de seu an­te­ces­sor. “Es­pe­ro que is­so o en­co­ra­je a es­tar à al­tu­ra do prê­mio”, diz. “Ele sa­be que to­dos os olhos es­ta­rão so­bre ele ago­ra.”

ALEX WELSH / THE NEW YORK TI­MES - 29/7/2018

MULUGETA AYENE/AP–15/7/2018

Dis­ten­são. Afwer­ki, presidente da Eri­treia (E), e Ah­med, pre­miê da Etió­pia, fes­te­jam acor­do em Adis-Abe­ba

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.