O Bra­sil, os EUA e a OCDE

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Imbróglio ser­ve de aler­ta aos es­pí­ri­tos com boa von­ta­de pa­ra que se afer­rem a fa­tos, não a ver­sões. Is­so va­le tan­to pa­ra o go­ver­no como pa­ra os ci­da­dãos.

Em março, o presidente Jair Bolsonaro re­tor­nou dos Es­ta­dos Uni­dos tra­zen­do na ba­ga­gem a de­cla­ra­ção de apoio do presidente Do­nald Trump à en­tra­da do Bra­sil na Or­ga­ni­za­ção pa­ra Co­o­pe­ra­ção e De­sen­vol­vi­men­to Econô­mi­co (OCDE), um plei­to bra­si­lei­ro des­de maio de 2017. O apoio pú­bli­co de Trump ao in­gres­so do Bra­sil no cha­ma­do “clu­be dos ri­cos” foi im­por­tan­te, não res­ta dú­vi­da, po­rém va­go.

Na­que­la vi­si­ta de Es­ta­do não foi as­su­mi­do qual­quer com­pro­mis­so en­tre os dois paí­ses que im­pli­cas­se a de­fi­ni­ção de pra­zos ou con­di­ções mais cla­ras pa­ra que o Bra­sil, de fa­to, fos­se acei­to como mem­bro da OCDE. Va­le di­zer, sou­be-se àque­la oca­sião que o in­te­res­se bra­si­lei­ro ti­nha a simpatia dos Es­ta­dos Uni­dos, so­men­te is­so.

A con­fu­são ge­ra­da pe­la di­vul­ga­ção de uma cor­res­pon­dên­cia re­cen­te en­tre o se­cre­tá­rio de Es­ta­do nor­te-ame­ri­ca­no, Michael Pom­peo, e o se­cre­tá­rio-ge­ral da OCDE, An­gel Gur­ría, à qual a agên­cia Blo­om­berg te­ve aces­so, po­de­ria ter si­do evi­ta­da ca­so o go­ver­no bra­si­lei­ro ti­ves­se tra­ta­do o apoio da­do por Trump ao plei­to bra­si­lei­ro com as de­vi­das res­sal­vas.

En­tre­tan­to, o go­ver­no tra­tou um me­ro ace­no positivo como um fa­to con­su­ma­do. Mais do que is­so, como uma “gran­de vi­tó­ria di­plo­má­ti­ca”, um si­nal inequí­vo­co do que se­ria o “acer­to” do presidente Jair Bolsonaro na con­du­ção da po­lí­ti­ca ex­ter­na bra­si­lei­ra, pau­ta­da pri­mor­di­al­men­te por seu re­la­ci­o­na­men­to pes­so­al com Do­nald Trump – ou ao me­nos a pro­xi­mi­da­de que o bra­si­lei­ro ima­gi­na ter com o seu con­tra­par­te nor­te-ame­ri­ca­no.

Na re­fe­ri­da car­ta de Michael Pom­peo a An­gel Gur­ría, os Es­ta­dos Uni­dos rejeitam uma pro­pos­ta de cro­no­gra­ma fei­ta pe­la OCDE pa­ra iní­cio das ne­go­ci­a­ções com al­gu­mas na­ções can­di­da­tas ao in­gres­so na or­ga­ni­za­ção. De acor­do com es­se cro­no­gra­ma, as tra­ta­ti­vas en­tre a OCDE e a Ar­gen­ti­na co­me­ça­ri­am ime­di­a­ta­men­te. Com a Ro­mê­nia, em de­zem­bro des­te ano. O plei­to bra­si­lei­ro se­ria ana­li­sa­do em maio de 2020. Já em de­zem­bro do ano que vem, che­ga­ria a vez da ne­go­ci­a­ção com o Pe­ru. Em maio de 2021, por fim, ha­ve­ria a ne­go­ci­a­ção com a Bul­gá­ria.

O que o go­ver­no dos Es­ta­dos Uni­dos afir­ma cla­ra­men­te na car­ta ao se­cre­tá­rio-ge­ral da OCDE é que apoia ago­ra ape­nas as tra­ta­ti­vas com a Ar­gen­ti­na e com a Ro­mê­nia, os dois ca­sos pre­vis­tos pa­ra se­rem ana­li­sa­dos nes­te ano. “Os Es­ta­dos Uni­dos de­fen­dem a ex­ten­são do gru­po, mas em rit­mo gra­du­al, le­van­do em con­ta a ne­ces­si­da­de de pres­si­o­nar (os candidatos) pe­la ado­ção de re­gras de go­ver­nan­ça, pla­ne­ja­men­to e su­ces­são”, diz tre­cho da car­ta as­si­na­da por Pom­peo.

Pe­lo que foi no­ti­ci­a­do, não é cor­re­to afir­mar que os Es­ta­dos Uni­dos re­ti­ra­ram o apoio à can­di­da­tu­ra bra­si­lei­ra pa­ra in­gres­so na OCDE. Tan­to Michael Pom­peo como Do­nald Trump vi­e­ram a pú­bli­co após a di­vul­ga­ção da car­ta pa­ra re­as­se­gu­rar o apoio ofe­re­ci­do du­ran­te a cú­pu­la bi­la­te­ral ha­vi­da em março. Ha­ve­rá, no en­tan­to, uma no­va pro­pos­ta de pra­zo pa­ra que o ca­so bra­si­lei­ro se­ja ava­li­a­do.

O imbróglio en­vol­ven­do o Bra­sil, os Es­ta­dos Uni­dos e a OCDE ser­ve de aler­ta pa­ra os es­pí­ri­tos com boa von­ta­de pa­ra se afer­rar aos fa­tos, não às ver­sões. Is­so tan­to va­le pa­ra os mem­bros do go­ver­no como pa­ra os ci­da­dãos em ge­ral, apri­si­o­na­dos nu­ma po­la­ri­za­ção acrí­ti­ca que ho­je in­ter­di­ta um de­ba­te mais ma­ti­za­do so­bre as ques­tões de in­te­res­se pú­bli­co.

Não se tra­tou pro­pri­a­men­te de uma “trai­ção” do go­ver­no dos Es­ta­dos Uni­dos. O Bra­sil, for­mal­men­te, tam­bém ain­da não abriu mão de sua con­di­ção es­pe­ci­al de país em de­sen­vol­vi­men­to na Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al do Co­mér­cio (OMC), uma con­tra­par­ti­da exi­gi­da pe­los nor­te-ame­ri­ca­nos pa­ra in­gres­so na OCDE. Lo­go, no ta­bu­lei­ro das re­la­ções di­plo­má­ti­cas, o jo­go es­ta­ria em­pa­ta­do.

O epi­só­dio tam­bém deve ser­vir de aler­ta pa­ra o presidente Jair Bolsonaro por sua ade­são qua­se in­con­di­ci­o­nal aos Es­ta­dos Uni­dos na con­du­ção da po­lí­ti­ca ex­ter­na do País. Nas re­la­ções in­ter­na­ci­o­nais, os in­te­res­ses de Es­ta­do sem­pre de­vem se so­bre­por às ami­za­des, se­jam elas re­ais ou ima­gi­ná­ri­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.