O des­mon­te dos con­se­lhos e o es­pí­ri­to da Car­ta de 88

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - LUCIANA TE­MER

ACons­ti­tui­ção de 1988 re­pre­sen­ta a eta­pa fi­nal de um pro­ces­so de re­de­mo­cra­ti­za­ção do País. Foi o documento ju­rí­di­co-po­lí­ti­co que se­lou es­se pro­ces­so, de­cla­ran­do for­mal­men­te que so­mos um Es­ta­do De­mo­crá­ti­co de Di­rei­to re­pu­bli­ca­no e pre­ven­do ins­tru­men­tos pa­ra que is­so se ma­te­ri­a­li­ze de fa­to. Nes­sa li­nha, a op­ção do cons­ti­tuin­te ori­gi­ná­rio foi por uma de­mo­cra­cia par­ti­ci­pa­ti­va, ou se­ja, na qual o po­der é exer­ci­do por re­pre­sen­tan­tes eleitos pe­lo po­vo, mas tam­bém di­re­ta­men­te, além de com­pre­en­der me­ca­nis­mos de par­ti­ci­pa­ção per­ma­nen­te da so­ci­e­da­de nas de­ci­sões po­lí­ti­cas e nos atos da ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca.

Ve­ja­mos a di­fe­ren­ça en­tre a re­da­ção da Cons­ti­tui­ção de 1969, que di­zia no pa­rá­gra­fo úni­co do ar­ti­go 1.º que “to­do o po­der ema­na do po­vo e em seu no­me é exer­ci­do”, pa­ra a da nos­sa atu­al Car­ta: “To­do o po­der ema­na do po­vo, que o exer­ce por meio de re­pre­sen­tan­tes eleitos ou di­re­ta­men­te, nos ter­mos des­ta Cons­ti­tui­ção”. Su­til, não? Mas ex­tre­ma­men­te sig­ni­fi­ca­ti­va. No re­gi­me anterior, o po­vo de­le­ga­va o po­der, no atu­al, ele de­le­ga, mas tam­bém exer­ce di­re­ta­men­te. E quais os ins­tru­men­tos pre­vis­tos pa­ra es­se exer­cí­cio di­re­to? Os que vêm ime­di­a­ta­men­te à ca­be­ça são o ple­bis­ci­to, o re­fe­ren­do e a ini­ci­a­ti­va po­pu­lar de leis. To­dos im­por­tan­tís­si­mos pa­ra que o po­vo fa­le por si, sem in­ter­me­diá­ri­os, em mo­men­tos pon­tu­ais.

Mas a Cons­ti­tui­ção pre­vê tam­bém ins­tru­men­tos que per­mi­tem o exer­cí­cio de fa­la per­ma­nen­te e con­tí­nuo, os con­se­lhos, for­ma­dos por so­ci­e­da­de civil e go­ver­no, que se sen­tam à mes­ma me­sa pa­ra pen­sar, dis­cu­tir e de­li­be­rar so­bre po­lí­ti­cas pú­bli­cas. São es­pa­ços de­mo­crá­ti­cos de par­ti­ci­pa­ção e con­tro­le so­ci­al. In­de­pen­den­te­men­te de te­rem na­tu­re­za con­sul­ti­va ou de­li­be­ra­ti­va, são sem­pre am­bi­en­tes em que go­ver­no e so­ci­e­da­de, em pé de igual­da­de, debatem e bus­cam o bem co­mum.

Cla­ro que po­de ha­ver di­ver­gên­ci­as so­bre os caminhos pa­ra atin­gir o bem co­mum e até so­bre o que é o bem co­mum. E nor­mal­men­te há! É is­so que tra­duz a im­por­tân­cia e jus­ti­fi­ca a ne­ces­si­da­de dos con­se­lhos. Di­ver­gên­cia, de­ba­te, bus­ca por con­sen­so, is­so dá mui­to tra­ba­lho. Mas é o que de­fi­ne um pro­ces­so como de­mo­crá­ti­co.

Fui se­cre­tá­ria de As­sis­tên­cia So­ci­al do Mu­ni­cí­pio de São Pau­lo por qua­tro anos e as­sis­tên­cia so­ci­al tem por obri­ga­ção cons­ti­tu­ci­o­nal con­se­lhos nas três es­fe­ras de go­ver­no. E con­se­lhos de­li­be­ra­ti­vos, o que sig­ni­fi­ca que ti­ve lon­gos e sé­ri­os em­ba­tes, mui­tas con­ver­sas e es­tra­té­gi­as de con­ven­ci­men­to. Con­ven­ci al­gu­mas ve­zes, fui con­ven­ci­da ou­tras. Al­gu­mas ve­zes per­di sem ter-me con­ven­ci­do de que es­ta­va er­ra­da. Mas is­so é de­mo­cra­cia. Eu, re­pre­sen­tan­te do go­ver­no à épo­ca, sub­me­ti­da ao con­tro­le so­ci­al.

Te­nho mil crí­ti­cas e ques­ti­o­na­men­tos acer­ca do fun­ci­o­na­men­to e re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de dos con­se­lhos. Acho que te­mos de pen­sar se­ri­a­men­te em como apri­mo­rá-los. Mas aca­bar com eles, como pre­ten­de o go­ver­no fe­de­ral, é ab­so­lu­ta­men­te in­cons­ti­tu­ci­o­nal. Nes­te ano o STF foi pro­vo­ca­do a se ma­ni­fes­tar so­bre o De­cre­to Pre­si­den­ci­al 9.759/2019, que ex­tin­guia to­dos os con­se­lhos, co­mi­tês, co­mis­sões, gru­pos e ou­tros ti­pos de co­le­gi­a­dos li­ga­dos à ad­mi­nis­tra­ção pú­bli­ca fe­de­ral, cri­a­dos por de­cre­to ou ato nor­ma­ti­vo, in­cluí­dos os men­ci­o­na­dos em lei que não ti­ves­sem de­ta­lha­da su­as com­pe­tên­cia e com­po­si­ção. No jul­ga­men­to da ADI n.º 2.161 a Corte afas­tou li­mi­nar­men­te a pos­si­bi­li­da­de de ex­tin­ção, por ato uni­la­te­ral do che­fe do Exe­cu­ti­vo, de co­le­gi­a­do cu­ja exis­tên­cia es­te­ja pre­vis­ta em lei, ain­da que au­sen­te ex­pres­sa re­fe­rên­cia so­bre sua com­pe­tên­cia ou com­po­si­ção. Fi­ca­ram ven­ci­dos os mi­nis­tros Ed­son Fa­chin, Ro­ber­to Bar­ro­so, Ro­sa We­ber, Cár­men Lú­cia e Cel­so de Mello, que con­ce­di­am in­te­gral­men­te a cau­te­lar pa­ra im­pe­dir a ex­tin­ção mes­mo dos co­le­gi­a­dos não pre­vis­tos em lei.

A ques­tão vol­ta­rá a ser dis­cu­ti­da qu­an­do do jul­ga­men­to de­fi­ni­ti­vo. En­ten­do, as­sim como par­te dos mi­nis­tros, que sem uma jus­ti­fi­ca­ti­va con­sis­ten­te a ex­tin­ção de qual­quer con­se­lho por de­cre­to, pre­vis­to ou não em lei, é in­cons­ti­tu­ci­o­nal. E acre­di­to que o mes­mo en­ten­di­men­to de­va va­ler pa­ra si­tu­a­ções em que não se ex­tin­gue, mas se “de­si­dra­ta” um con­se­lho, re­ti­ran­do-lhe a for­ça e plu­ra­li­da­de dos re­pre­sen­tan­tes da so­ci­e­da­de civil.

To­me­mos como exemplo o De­cre­to Pre­si­den­ci­al n.º 9.926/2019, que di­mi­nuiu de 31 pa­ra 14 o nú­me­ro de mem­bros do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Po­lí­ti­cas so­bre Dro­gas (Co­nad). Per­de­ram as­sen­to re­pre­sen­tan­tes da Or­dem dos Ad­vo­ga­dos do Bra­sil, do Con­se­lho Fe­de­ral de Me­di­ci­na, do Con­se­lho Fe­de­ral de Psi­co­lo­gia, do Con­se­lho Fe­de­ral de Ser­vi­ço So­ci­al, do Con­se­lho Fe­de­ral de En­fer­ma­gem, do Con­se­lho Fe­de­ral de Edu­ca­ção, da União Na­ci­o­nal dos Es­tu­dan­tes e da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra pa­ra o Pro­gres­so da Ciência, além de um jor­na­lis­ta, um an­tro­pó­lo­go, um re­pre­sen­tan­te da clas­se ar­tís­ti­ca e dois re­pre­sen­tan­tes de en­ti­da­des do ter­cei­ro se­tor. Com is­so se eli­mi­nou a par­ti­ci­pa­ção da so­ci­e­da­de civil. A edi­ção de um de­cre­to como es­se con­fi­gu­ra, no meu en­ten­der, um “com­por­ta­men­to in­cons­ti­tu­ci­o­nal” do che­fe da na­ção. Ex­pli­co.

Em sua obra A For­ça Nor­ma­ti­va da Cons­ti­tui­ção, o ju­ris­ta ale­mão Kon­rad Hes­se aler­ta pa­ra o fa­to de a Cons­ti­tui­ção ter for­ça nor­ma­ti­va qu­an­do os Po­de­res e a so­ci­e­da­de civil as­si­mi­lam o seu “es­pí­ri­to” e caminham no sen­ti­do de con­cre­ti­zá-la. Qu­an­do há “von­ta­de de cons­ti­tui­ção”, ou se­ja, qu­an­do con­teú­do e prá­xis cons­ti­tu­ci­o­nal an­dam de mãos da­das. No iní­cio des­te ar­ti­go afir­mei que a Cons­ti­tui­ção de 1988 é a con­so­li­da­ção de um pro­ces­so de re­de­mo­cra­ti­za­ção do País, por­tan­to, tem um “es­pí­ri­to” ex­tre­ma­men­te plu­ra­lis­ta e de­mo­crá­ti­co, que deve ser res­pei­ta­do por to­dos, es­pe­ci­al­men­te pe­lo presidente da Re­pú­bli­ca. Go­ver­nar na de­mo­cra­cia dá tra­ba­lho. Mui­to tra­ba­lho. Mas foi is­so que es­co­lhe­mos pa­ra a so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra. E es­sa escolha tem de ser ob­ser­va­da e res­pei­ta­da, sob pe­na de in­cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de.

Aca­bar com eles, como pre­ten­de o go­ver­no fe­de­ral, é in­cons­ti­tu­ci­o­nal

AD­VO­GA­DA, PRO­FES­SO­RA DE DI­REI­TO CONS­TI­TU­CI­O­NAL NA PUC-SP E NA UNINOVE, FOI SE­CRE­TÁ­RIA DE JUVENTUDE, ES­POR­TE E LA­ZER DO ES­TA­DO DE SÃO PAU­LO E SE­CRE­TÁ­RIA DE AS­SIS­TÊN­CIA SO­CI­AL DO MU­NI­CÍ­PIO DE SÃO PAU­LO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.