Col­lor é al­vo da PF por sus­pei­ta de la­va­gem de R$ 6 mi

Se­gun­do in­ves­ti­ga­ções, se­na­dor te­ria par­ti­ci­pa­do de es­que­ma de com­pra de bens em lei­lões pa­ra ocul­tar ori­gem ilí­ci­ta de re­cur­sos

O Estado de S. Paulo - - Política - Bre­no Pi­res / BRA­SÍ­LIA Pe­pi­ta Or­te­ga Faus­to Ma­ce­do

A Po­lí­cia Fe­de­ral de­fla­grou na ma­nhã de on­tem a Ope­ra­ção Ar­re­ma­te, pa­ra in­ves­ti­gar um es­que­ma de la­va­gem de di­nhei­ro en­vol­ven­do com­pras de imó­veis em lei­lões pú­bli­cos. A ação apu­ra su­pos­to en­vol­vi­men­to do ex-presidente da Re­pú­bli­ca e ho­je se­na­dor Fer­nan­do Col­lor (PROSAL) em ar­re­ma­ta­ções de bens cu­jos va­lo­res, se­gun­do a PF, so­mam R$ 6 mi­lhões.

Cer­ca de 70 po­li­ci­ais fe­de­rais cum­pri­ram 16 man­da­dos de bus­ca e apre­en­são em en­de­re­ços li­ga­dos ao se­na­dor em Ma­ceió e em Cu­ri­ti­ba. As or­dens fo­ram autorizada­s pe­lo mi­nis­tro Ed­son Fa­chin, do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral.

A prá­ti­ca de cri­mes, de acor­do com as in­ves­ti­ga­ções, te­ri­am ocor­ri­do a par­tir da com­pra de imó­veis em has­tas pú­bli­cas em 2010, 2011, 2012 e 2016. Has­ta pú­bli­ca é um ato da Jus­ti­ça pe­lo qual são ven­di­dos bens de um de­ve­dor, pa­ra que, com o di­nhei­ro do ne­gó­cio, pos­sa-se pa­gar a um cre­dor e as cus­tas de um pro­ces­so de exe­cu­ção de dí­vi­da.

Con­for­me a PF, Col­lor te­ria uti­li­za­do uma pes­soa in­ter­pos­ta – um “tes­ta de fer­ro” – pa­ra ocul­tar sua par­ti­ci­pa­ção como be­ne­fi­ciá­rio fi­nal das ope­ra­ções. “As com­pras ser­vi­ri­am pa­ra ocul­tar e dis­si­mu­lar a uti­li­za­ção de re­cur­sos de ori­gem ilí­ci­ta, bem como vi­a­bi­li­zar a ocul­ta­ção pa­tri­mo­ni­al dos bens e con­ver­tê-los em ati­vos lí­ci­tos”, afir­mou on­tem a PF.

En­tre os ilí­ci­tos em apu­ra­ção, es­tão os cri­mes de la­va­gem de ati­vos, cor­rup­ção ativa, cor­rup­ção pas­si­va, pe­cu­la­to e fal­si­fi­ca­ções e or­ga­ni­za­ção cri­mi­no­sa

‘In­dig­na­do’. Col­lor se de­fen­deu em seu per­fil no Twit­ter. O se­na­dor se dis­se “in­dig­na­do” com a in­ves­ti­ga­ção. “Es­tou in­dig­na­do com a ten­ta­ti­va de en­vol­ver meu no­me num as­sun­to em que não te­nho ne­nhum co­nhe­ci­men­to ou par­ti­ci­pa­ção. Tra­go a cons­ci­ên­cia tran­qui­la e a cer­te­za de que, mais uma vez, fi­ca­rá com­pro­va­da a mi­nha ino­cên­cia”, es­cre­veu o par­la­men­tar na re­de so­ci­al, on­tem.

Ca­sa da Din­da. O ex-presidente da Re­pú­bli­ca é al­vo de ou­tra in­ves­ti­ga­ção, es­ta por sus­pei­ta de uso de ver­ba do Se­na­do na Ca­sa da Din­da. Em fevereiro, o mi­nis­tro Ri­car­do Lewan­dows­ki, do Su­pre­mo, de­ci­diu abrir inqué­ri­to pa­ra apu­rar o ca­so, após o Es­ta­do mos­trar que o se­na­dor gas­tou cer­ca de R$ 40 mil men­sais de sua co­ta par­la­men­tar com se­gu­ran­ça, con­ser­va­ção, limpeza e jar­di­na­gem na pro­pri­e­da­de de sua fa­mí­lia.

O Guia do Par­la­men­tar, po­rém, es­ta­be­le­ce que o Se­na­do não dis­põe de ser­vi­ços de ma­nu­ten­ção e limpeza pa­ra re­si­dên­ci­as pri­va­das de par­la­men­ta­res.

Na épo­ca, a as­ses­so­ria do se­na­dor in­for­mou que os va­lo­res gas­tos com os ser­vi­ços fo­ram “de­vi­da­men­te res­sar­ci­dos”.

“As com­pras (em lei­lões) ser­vi­ri­am pa­ra ocul­tar re­cur­sos de ori­gem ilí­ci­ta, bem como vi­a­bi­li­zar a ocul­ta­ção pa­tri­mo­ni­al dos bens e con­ver­tê-los em ati­vos lí­ci­tos.”

Po­lí­cia Fe­de­ral

SO­BRE A IN­VES­TI­GA­ÇÃO DA

OPE­RA­ÇÃO AR­RE­MA­TE

DIDA SAM­PAIO/ESTADÃO - 22/8/2017

De­fe­sa. Col­lor afir­mou que tem a ‘cons­ci­ên­cia tran­qui­la’ e vai com­pro­var sua ino­cên­cia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.