Se­na­do pi­sa no freio da re­for­ma tri­bu­tá­ria

Sem con­sen­so na Ca­sa, se­na­do­res ad­mi­tem que se­rá im­pos­sí­vel con­cluir al­te­ra­ção mais am­pla no sis­te­ma tri­bu­tá­rio ain­da es­te ano

O Estado de S. Paulo - - Economia - Da­ni­el We­ter­man / BRA­SÍ­LIA

Sem con­sen­so en­tre go­ver­no fe­de­ral, Con­gres­so, go­ver­na­do­res e pre­fei­tos, se­na­do­res de­ci­di­ram co­lo­car o pé no freio na re­for­ma tri­bu­tá­ria. Na Ca­sa, um re­la­tó­rio so­bre a pro­pos­ta che­gou a ser apre­sen­ta­do e es­tá pron­to pa­ra vo­ta­ção na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ), mas os se­na­do­res ad­mi­tem que se­rá im­pos­sí­vel con­cluir uma re­for­ma nes­te ano.

“Não po­de­mos con­tar com uma re­for­ma tri­bu­tá­ria es­te ano”, afir­mou a presidente da Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) do Se­na­do, Si­mo­ne Te­bet (MDB-MS) ao Estadão/Bro­ad­cast. “Há uma bri­ga en­tre Câmara e Se­na­do, vão aca­bar cri­an­do uma co­mis­são mis­ta e es­que­cer es­se as­sun­to”, dis­se a se­na­do­ra. A ex­pec­ta­ti­va de Si­mo­ne Te­bet é que se­rá pos­sí­vel apro­var ape­nas uma pro­pos­ta sim­pli­fi­ca­da, a ser en­vi­a­da pe­lo go­ver­no, pa­ra me­xer em be­ne­fí­ci­os tri­bu­tá­ri­os.

A pro­pos­ta que tra­mi­ta no Se­na­do cria o Im­pos­to so­bre Ope­ra­ções com Bens e Ser­vi­ços (IBS). O re­la­tor do tex­to, Ro­ber­to Ro­cha (PSDB-MA), di­vi­diu o im­pos­to em du­as par­tes, ado­tan­do o cha­ma­do IVA (Im­pos­to so­bre Va­lor Adi­ci­o­na­do) du­al: um com a fu­são dos cin­co impostos e con­tri­bui­ções fe­de­rais (IPI, Co­fins, PIS, IOF e sa­lá­ri­o­e­du­ca­ção) e ou­tro com a jun­ção do ICMS (es­ta­du­al) e do ISS (mu­ni­ci­pal). Além dis­so, cria um im­pos­to so­bre bens e ser­vi­ços es­pe­cí­fi­cos (Im­pos­to Se­le­ti­vo), de com­pe­tên­cia fe­de­ral.

Ou­tra pro­pos­ta. A Câmara discute ou­tra pro­pos­ta, es­ta tam­bém cri­an­do o IBS, mas com a ex­tin­ção de me­nos impostos: três tri­bu­tos fe­de­rais (IPI, PIS e Co­fins), o ICMS, que é es­ta­du­al, e o ISS, mu­ni­ci­pal. A pro­pos­ta da Câmara não pre­vê in­cen­ti­vos e de­so­ne­ra­ções. Já a que tra­mi­ta no Se­na­do isen­ta de im­pos­to al­guns pro­du­tos e ser­vi­ços, como me­di­ca­men­tos, ali­men­tos e sa­ne­a­men­to.

A ideia de co­lo­car a re­for­ma em “ba­nho-ma­ria” já ha­via si­do ex­pos­ta por se­na­do­res. “A ini­ci­a­ti­va da re­for­ma tri­bu­tá­ria po­de tu­do, só não po­de ser aço­da­da, só não po­de ser pre­ci­pi­ta­da. Ela tem que ama­du­re­cer em um am­plo e pro­fun­do de­ba­te”, afir­mou o lí­der do go­ver­no no Se­na­do, Fer­nan­do Be­zer­ra Co­e­lho (MDB-PE), du­ran­te ses­são da Ca­sa na quar­ta-fei­ra, ci­tan­do um co­men­tá­rio do se­na­dor Jo­sé Ser­ra (PSDB-SP).

Ser­ra tem afir­ma­do que a re­for­ma tri­bu­tá­ria po­de au­men­tar a car­ga tri­bu­tá­ria, cau­san­do um efei­to in­ver­so ao pre­ten­di­do, com os con­fli­tos regionais de Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. “Eu ja­mais re­a­bri­ria de no­vo o ca­pí­tu­lo da re­for­ma tri­bu­tá­ria, por­que eu acho que dá bo­ba­gem, por­que to­do mundo vai que­rer re­sol­ver tu­do a par­tir do con­tex­to da re­for­ma tri­bu­tá­ria”, afir­mou o tu­ca­no em uma das au­di­ên­ci­as pú­bli­cas so­bre a pro­pos­ta na CCJ. “Pa­ra que a re­for­ma tri­bu­tá­ria? Pa­ra pa­ga­rem me­nos im­pos­to? Não. Vai au­men­tar a car­ga tri­bu­tá­ria.”

“Não po­de­mos con­tar com uma re­for­ma es­te ano.” “Há uma bri­ga en­tre Câmara e Se­na­do, vão aca­bar cri­an­do uma co­mis­são mis­ta e es­que­cer es­se as­sun­to.” Si­mo­ne Te­bet (MDB-MS) PRESIDENTE DA CCJ NO SE­NA­DO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.