Cri­a­dor de ga­mes diz que jo­gos es­tão mui­to pu­ri­ta­nos.

Jo­gos de­ve­ri­am ter me­nos vi­o­lên­cia e mais hu­mor e se­xo, diz cri­a­dor de jo­gos que par­ti­ci­pa de fei­ra de ga­mes em São Pau­lo

O Estado de S. Paulo - - Economia negócios - Bru­no Ca­pe­las

Um qua­ren­tão so­zi­nho, em uma ci­da­de com um bar, um cas­si­no e uma dis­co­te­ca, bus­can­do desesperad­amente… por se­xo! Em uma épo­ca em que a por­no­gra­fia não es­ta­va ao al­can­ce de al­guns cli­ques, a sé­rie de ga­mes Lei­su­re Suit Lar­ry fez a ale­gria sa­fa­da de mui­ta gen­te en­tre o fi­nal dos anos 1980 e o iní­cio 1990. Mas, a des­pei­to de mais de 2 mi­lhões de có­pi­as ven­di­das (e ou­tras tan­tas pi­ra­te­a­das), a ener­gia cô­mi­ca e se­xu­al dos jo­gos não ge­rou su­ces­so­res – pe­lo me­nos é o que acre­di­ta seu cri­a­dor, o ga­me de­sig­ner Al Lowe.

“Nin­guém es­tá in­te­res­sa­do em fazer coi­sas no­vas, mas sim ver­sões me­lho­ra­das de jo­gos que já fi­ze­ram su­ces­so. O pro­ble­ma é que uma pi­a­da con­ta­da três ve­zes não tem mais gra­ça”, diz o ame­ri­ca­no, con­vi­da­do da 12.ª edi­ção da Bra­sil Ga­me Show, que acon­te­ce até ama­nhã no Expo Cen­ter Nor­te, na zo­na nor­te de São Pau­lo – os in­gres­sos pa­ra es­te fi­nal de se­ma­na, po­rém, já es­tão es­go­ta­dos.

Ao Es­ta­do, Lowe diz não en­ten­der por que há tan­tos jo­gos com ti­ros, ar­mas e bom­bas. “Nun­ca com­pre­en­di a fi­xa­ção ame­ri­ca­na por vi­o­lên­cia e a cen­su­ra quan­to ao se­xo. De­ve­ria ser o con­trá­rio”, brin­ca ele. “Os vi­de­o­ga­mes de ho­je são mui­to pu­ri­ta­nos.”

A se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta.

Lei­su­re Suit Lar­ry era um jo­go bas­tan­te li­be­ral – com um ho­mem em bus­ca de se­xo. Se­ria pos­sí­vel lan­çá-lo ho­je em dia? Lar­ry era um jo­go de sua épo­ca. Os anos 1980 fo­ram uma épo­ca di­fí­cil, con­ser­va­do­ra e re­pri­mi­da se­xu­al­men­te. Ha­via a AIDS, es­sa do­en­ça que nin­guém en­ten­dia. Eu cres­ci nos anos 1960, o amor li­vre era in­crí­vel. De re­pen­te, as pes­so­as mor­ri­am por tran­sar. Ho­je, se­ria um jo­go ao mes­mo tem­po mui­to con­ser­va­dor e mui­to ar­ris­ca­do. Con­ser­va­dor por­que ho­je as pes­so­as têm aces­so fá­cil à por­no­gra­fia, en­tão a ex­ci­ta­ção em tor­no do jo­go que ti­nha es­ses ele­men­tos se foi. Ao mes­mo tem­po, os ga­mes de ho­je são mui­tos pu­ri­ta­nos.

Como as­sim?

Acre­di­to que ti­ve­mos mui­to pro­gres­so, não só em tec­no­lo­gia, mas tam­bém em te­mas, du­ran­te os pri­mei­ros 20 anos dos ga­mes. Nos úl­ti­mos anos, foi o con­trá­rio: evo­luí­mos em grá­fi­cos, mas não em his­tó­ri­as. Qu­an­do co­me­cei a cri­ar jo­gos, nos anos 1980, eu bus­ca­va fazer al­go di­fe­ren­te. Per­ce­bi que nin­guém fa­zia co­mé­dia, em­bo­ra ela es­ti­ves­se na TV, no ci­ne­ma e nos li­vros. Ho­je, as em­pre­sas de jo­gos pa­re­cem que­rer cri­ar ape­nas ver­sões me­lho­ra­das de jo­gos que já fi­ze­ram su­ces­so. Só usa­mos as mes­mas me­câ­ni­cas, os mes­mos tru­ques de jo­go, 20 ve­zes. É um pro­ble­ma: uma me­câ­ni­ca até po­de ser re­ci­cla­da, mas a mes­ma pi­a­da não po­de ser con­ta­da três ve­zes. O hu­mor vem do ines­pe­ra­do – e os ga­mes não fo­ram nes­sa di­re­ção.

É en­gra­ça­do por­que há mui­tos jo­gos de vi­o­lên­cia, mas pou­cos que se­gui­ram a li­nha de Lei­su­re Suit Lar­ry, se­ja pe­lo hu­mor ou pe­lo se­xo.

Va­mos fa­lar a ver­da­de: se­xo é bem me­lhor do que ma­tar pes­so­as. Nun­ca en­ten­di a fi­xa­ção ame­ri­ca­na por vi­o­lên­cia e a cen­su­ra quan­to ao se­xo. Ar­mas são boas, se­xo é ruim? De­ve­ria ser o con­trá­rio. Mas é bom di­zer: eu tam­bém era pai. Qu­an­do cri­ei es­se jo­go, em 1987, meu fi­lho ti­nha 11 anos. Eu sa­bia que ele não de­ve­ria jo­gá-lo. Por is­so, co­lo­ca­mos o se­lo “só pa­ra adul­tos” na cai­xa. Era só um avi­so, mas foi uma óti­ma jo­ga­da de mar­ke­ting: as pes­so­as com­pra­vam o ga­me pa­ra ver “as coi­sas su­jas” den­tro de­le. Tam­bém aju­dou a pi­ra­ta­ria, cla­ro: hou­ve uma épo­ca em que ven­de­mos mais li­vros de di­cas pa­ra pas­sar as fa­ses do jo­go do que có­pi­as do pró­prio jo­go. Pe­lo me­nos lu­cra­mos um pou­co com is­so…

O sr. co­me­çou sua car­rei­ra tar­de, aos 36 anos. Por que is­so acon­te­ceu?

Eu era pro­fes­sor de mú­si­ca e já ti­nha con­se­gui­do che­gar ao te­to do meu sa­lá­rio, mas ain­da te­ria de tra­ba­lhar mais de 20 anos até me apo­sen­tar. De­ci­di ar­ris­car: pe­di uma li­cen­ça da es­co­la e ten­tei cri­ar meus pró­pri­os jo­gos, eu ama­va com­pu­ta­do­res. Aca­bou dan­do cer­to – e ho­je es­tou apo­sen­ta­do!

Deve ser um dos pri­mei­ros apo­sen­ta­dos da in­dús­tria dos ga­mes. Apro­vei­ta seu tem­po li­vre jo­gan­do?

Não! Eu ama­va vi­de­o­ga­mes an­tes de co­me­çar a tra­ba­lhar com eles. De­pois, pas­sou a ser pes­qui­sa de mercado. É aqui­lo: fa­ça o que vo­cê gos­ta e nun­ca mais vai gos­tar de na­da (ri­sos)! Mas de­vo ser ho­nes­to: só tra­ba­lhei com o que gos­to na vi­da. Fiz coi­sas que, mes­mo que não me pa­gas­sem, eu te­ria feito do mes­mo jei­to. Mas a mai­or li­ção que dei­xo é que nin­guém te con­ta como a apo­sen­ta­do­ria é in­crí­vel. Mui­ta gen­te me diz que fi­ca­ria en­te­di­a­da com tan­to tem­po li­vre. É por­que são pes­so­as cha­tas. A apo­sen­ta­do­ria é como se to­do dia fos­se sá­ba­do!

BRU­NO CA­PE­LAS/ESTADÃO

Cai­xi­nha. Pa­ra Lowe, nin­guém quer fazer coi­sas no­vas, só me­lho­rar o que já te­ve su­ces­so

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.