Após bai­xar ju­ros de imó­veis, bancos cor­rem atrás de in­cor­po­ra­do­ras

Quer di­nhei­ro? Re­cu­pe­ra­ção do mercado imo­bi­liá­rio e ex­pec­ta­ti­va de ace­le­ra­ção do cres­ci­men­to fa­zem com que as ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras pas­sem a pro­cu­rar em­pre­sas do se­tor pa­ra ofe­re­cer os em­prés­ti­mos – si­tu­a­ção to­tal­men­te inu­si­ta­da no mercado

O Estado de S. Paulo - - Economia negócios - Cir­ce Bo­na­tel­li

A re­cu­pe­ra­ção do mercado imo­bi­liá­rio e a ex­pec­ta­ti­va de ace­le­ra­ção do cres­ci­men­to da­qui pa­ra fren­te têm cri­a­do uma si­tu­a­ção inu­si­ta­da: os bancos co­me­ça­ram a cor­rer atrás das in­cor­po­ra­do­ras pa­ra ofe­re­cer em­prés­ti­mos pa­ra a cons­tru­ção de novos em­pre­en­di­men­tos, de acor­do com o eco­no­mis­ta-che­fe do Sin­di­ca­to da Ha­bi­ta­ção de São Pau­lo (Secovi-SP), Cel­so Pe­truc­ci, que tam­bém é presidente da co­mis­são imo­bi­liá­ria da Câmara Bra­si­lei­ra da In­dús­tria da Cons­tru­ção (CBIC). “Os bancos têm pro­cu­ra­do o in­cor­po­ra­dor”, des­ta­cou Pe­truc­ci, em en­tre­vis­ta ao Estadão/Bro­ad­cast.

No acu­mu­la­do de ja­nei­ro até agos­to, os fi­nan­ci­a­men­tos imo­bi­liá­ri­os com re­cur­sos da ca­der­ne­ta de pou­pan­ça re­gis­tram al­ta de 26,4% em re­la­ção ao mes­mo pe­río­do do ano pas­sa­do. Es­se cres­ci­men­to foi mais in­ten­so nas con­ces­sões vol­ta­das às in­cor­po­ra­do­ras pa­ra cons­tru­ção, que su­bi­ram 47,2%, en­quan­to os em­prés­ti­mos pa­ra con­su­mi­do­res re­a­li­za­rem a com­pra au­men­ta­ram 20,9%, se­gun­do le­van­ta­men­to da con­sul­to­ria Ten­dên­ci­as. “Mas o in­cor­po­ra­dor tam­bém con­ti­nua pro­cu­ran­do os bancos”, afir­mou Pe­truc­ci. “Tu­do is­so é uma res­pos­ta ao au­men­to da de­man­da por imó­veis.”

O mai­or aque­ci­men­to do se­tor é con­sequên­cia di­re­ta da re­du­ção da ta­xa bá­si­ca de ju­ros da eco­no­mia bra­si­lei­ra (Se­lic), que le­vou os bancos a cor­ta­rem os ju­ros do cré­di­to imo­bi­liá­rio. A Cai­xa Econô­mi­ca Fe­de­ral anun­ci­ou es­ta se­ma­na corte de até 1 pon­to por­cen­tu­al nas ta­xas de ju­ros pa­ra fi­nan­ci­a­men­tos imo­bi­liá­ri­os com re­cur­sos do Sis­te­ma Bra­si­lei­ro de Pou­pan­ça e Em­prés­ti­mo (SBPE). A me­nor ta­xa de ju­ros co­bra­da pe­la Cai­xa pas­sa­rá de 8,50% mais a Ta­xa Re­fe­ren­ci­al (TR) pa­ra 7,50% mais TR. A mai­or ta­xa vai de 9,75% mais TR pa­ra 9,50% mais TR.

O mo­vi­men­to do ban­co es­ta­tal, mai­or fi­nan­ci­a­dor do se­tor imo­bi­liá­rio no País, veio após anún­ci­os do mes­mo ti­po pe­los con­cor­ren­tes di­as an­tes. O Bra­des­co anun­ci­ou ta­xa mí­ni­ma de TR + 7,30% ao ano, o Itaú fi­xou sua ta­xa mí­ni­ma em TR + 7,45% e o San­tan­der, TR + 7,99%.

O corte de 1 pon­to por­cen­tu­al em um em­prés­ti­mo de R$ 300 mil re­pre­sen­ta que­da de R$ 250 na par­ce­la do mu­tuá­rio, au­men­tan­do o aces­so ao imó­vel por mi­lha­res de con­su­mi­do­res, afir­mou Pe­truc­ci. “Es­ta­mos che­gan­do ao me­nor pa­ta­mar de ju­ros da his­tó­ria”, dis­se. “É uma com­pe­ti­ção sau­dá­vel dos bancos e não vai pa­rar por aí. Se a Se­lic cair pa­ra me­nos de 5% ao ano, es­se mo­vi­men­to vai con­ti­nu­ar.”

Pe­truc­ci elo­gi­ou a ini­ci­a­ti­va do Ban­co Central de cons­ti­tuir uma pla­ta­for­ma pa­ra dar trans­pa­rên­cia às fi­nan­ças dos em­pre­en­di­men­tos imo­bi­liá­ri­os em cons­tru­ção no País. Ba­ti­za­da de Block, ela tra­rá da­dos au­di­ta­dos so­bre o vo­lu­me de ven­da de ca­da pro­je­to e o flu­xo de pa­ga­men­tos pa­ra ca­da uma das uni­da­des, en­tre ou­tros itens.

A inclusão de da­dos pe­las in­cor­po­ra­do­ras se­rá vo­lun­tá­ria. O ob­je­ti­vo é dar aos bancos mai­or vi­si­bi­li­da­de so­bre os em­pre­en­di­men­tos, fa­ci­li­tan­do a de­ci­são de li­be­rar ou não cré­di­to pa­ra as obras. Is­so ser­vi­rá pa­ra em­pre­sas de pe­que­no e mé­dio por­tes, seg­men­to no qual as re­gras de go­ver­nan­ça de ca­da pro­je­to são mais frou­xas.

Na dú­vi­da, os bancos fe­cham as por­tas pa­ra es­se ti­po de em­pre­sa. A pers­pec­ti­va é que o Block es­te­ja no ar no pri­mei­ro se­mes­tre de 2020. “Há mi­lha­res de pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas que não con­se­guem fi­nan­ci­a­men­to. Es­sa fer­ra­men­ta vai abrir ca­mi­nho pa­ra elas”, dis­se Pe­truc­ci.

“Es­ta­mos che­gan­do ao me­nor pa­ta­mar de ju­ros da his­tó­ria. É uma com­pe­ti­ção sau­dá­vel dos bancos e não vai pa­rar por aí. Se a Se­lic cair a me­nos de 5% ao ano, o mo­vi­men­to con­ti­nua.” Cel­so Pe­truc­ci

ECO­NO­MIS­TA-CHE­FE DO SECOVI

FELIPE RAU/ESTADÃO–16/4/2019

Es­tí­mu­lo. Pla­ta­for­ma do BC tra­rá da­dos au­di­ta­dos so­bre em­pre­en­di­men­tos imo­bi­liá­ri­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.