Ro­man­ce de Chi­co

Em Es­sa Gen­te, o es­cri­tor ofe­re­ce um re­tra­to tra­gicô­mi­co do Bra­sil.

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Ubi­ra­tan Bra­sil

A tra­je­tó­ria do es­cri­tor Ma­nu­el Du­ar­te se con­fun­de com a do País: ao es­tre­ar com um ro­man­ce his­tó­ri­co que se tor­nou um best-sel­ler anos atrás, ele vi­ve ago­ra o im­pas­se do en­tra­ve cri­a­ti­vo, po­ten­ci­a­li­za­do por uma cri­se emo­ci­o­nal. Pi­or: sem di­nhei­ro e sem afe­to, vi­ve na imi­nên­cia de ser du­pla­men­te des­pe­ja­do: de seu apar­ta­men­to e do co­ra­ção das mu­lhe­res que ama. Ma­nu­el Du­ar­te é o pro­ta­go­nis­ta de Es­sa Gen­te, no­vo ro­man­ce de Chi­co Bu­ar­que que a Com­pa­nhia das Le­tras lan­ça a par­tir do dia 14.

Em sua cons­tan­te re­fle­xão so­bre a lin­gua­gem, Chi­co exer­ci­ta-se ago­ra no for­ma­to de um diá­rio, no qual a su­ces­são de fa­tos é re­gis­tra­da com da­tas que vão de 13 de de­zem­bro de 2016 (a mais an­ti­ga) até 29 de se­tem­bro des­te ano. São pe­que­nos ca­pí­tu­los que são, na ver­da­de, pe­ças de um que­bra-ca­be­ça que, mon­ta­do, ofe­re­ce uma tra­ma com ar po­li­ci­al ao lei­tor.

“Es­sa Gen­te é, en­tre os ro­man­ces de Chi­co, o mais ás­pe­ro e pos­si­vel­men­te o mais enig­má­ti­co”, es­cre­veu o tam­bém au­tor Sér­gio Ro­dri­gues, no ma­te­ri­al de di­vul­ga­ção do li­vro. “A re­fle­xão so­bre a lin­gua­gem que é uma di­men­são es­tru­tu­ran­te das fic­ções bu­ar­qui­a­nas se an­co­ra des­ta vez no es­ti­lo mais ime­di­a­to de to­dos: o do apon­ta­men­to rá­pi­do, fei­to pa­ra au­xi­li­ar a me­mó­ria do pró­prio apon­ta­dor no fu­tu­ro, qu­an­do hou­ver dis­tân­cia e lu­ci­dez pa­ra trans­for­mar o tu­mul­to do pre­sen­te nu­ma his­tó­ria re­don­da. Sim, es­ta­mos no ne­bu­lo­so país do ago­ra. A par­te da brin­ca­dei­ra que ca­be ao lei­tor é mais de­ci­si­va do que nun­ca.”

É jus­ta­men­te es­sa pro­xi­mi­da­de com o ago­ra que tor­na a es­cri­ta de Chi­co Bu­ar­que mais atra­en­te, es­pe­ci­al­men­te com as es­co­lhas que fez pa­ra não des­vi­ar dos pro­ble­mas do pre­sen­te sem, con­tu­do, to­mar uma ati­tu­de be­li­ge­ran­te – al­go que tal­vez al­guns es­pe­ras­sem, de­pois de o es­cri­tor tro­car far­pas com o pre­si­den­te Bol­so­na­ro por cau­sa da as­si­na­tu­ra em seu di­plo­ma do Prê­mio Ca­mões.

Chi­co pre­fe­re so­lu­ções ele­gan­tes, que apos­tam na eloquên­cia dos de­ta­lhes. Co­mo na ce­na em que o nar­ra­dor des­cre­ve a fo­me do ca­chor­ro de uma das mu­lhe­res de Du­ar­te: de­ses­pe­ra­do, “o cão de­vo­ra um jor­nal que en­con­tra no chão do ba­nhei­ro e co­me­ça a mas­ti­gar as no­tí­ci­as: sol­da­dos dis­pa­ram oi­ten­ta ti­ros con­tra car­ro de fa­mí­lia e ma­tam mú­si­co ne­gro”.

Tam­bém re­ve­la sua in­ti­mi­da­de com o mer­ca­do edi­to­ri­al, pro­xi­mi­da­de que lhe per­mi­te tam­bém brin­car com pos­tu­ras con­de­ná­veis, mas, de fa­to, exis­ten­tes. É o que acon­te­ce qu­an­do Du­ar­te, de­ses­pe­ra­do pa­ra pu­bli­car seu no­vo ro­man­ce, é obri­ga­do a tra­tar com seu edi­tor, “nos­so ve­lho Pe­trus, ti­do co­mo um ho­mem cul­to, sen­sí­vel, aman­te ex­tre­ma­do da boa li­te­ra­tu­ra”, mas que se re­ve­lou “um co­mer­ci­an­te re­les”.

O pro­ta­go­nis­ta de Es­sa Gen­te se des­do­bra pa­ra ga­nhar um sus­ten­to en­quan­to lu­ta con­tra re­sis­tên­ci­as – além de du­as ex-mu­lhe­res, tem um fi­lho pré-ado­les­cen­te com quem pra­ti­ca­men­te não con­ver­sa. “En­quan­to is­so, à sua vol­ta, o Rio de Ja­nei­ro san­gra e es­tre­bu­cha sob o fla­ge­lo de fe­ri­das so­ci­ais fi­nal­men­te su­pu­ra­das, exi­bi­das por mui­tos com uma es­pé­cie do­en­tia de or­gu­lho”, ob­ser­va ain­da Sér­gio Ro­dri­gues, apon­tan­do com exa­ti­dão o pa­ra­le­lo fei­to en­tre a der­ro­ca­da do es­cri­tor com a da me­tró­po­le.

Em uma en­tre­vis­ta a um jor­nal ar­gen­ti­no em 1999, Chi­co Bu­ar­que con­fes­sou que se via co­mo um ar­tis­ta mais ino­va­dor na li­te­ra­tu­ra que nas le­tras de su­as can­ções. E, se as­sim acre­di­ta­va, era pa­ra re­for­çar tam­bém a in­fluên­cia li­te­rá­ria que sem­pre mar­cou su­as his­tó­ri­as em li­vros. O gran­de pas­so pa­ra is­so foi da­do oi­to anos an­tes, com a pu­bli­ca­ção de Es­tor­vo, que o pró­prio au­tor con­si­de­ra a vi­ra­da pa­ra a ma­tu­ri­da­de li­te­rá­ria.

Tra­ta-se de uma no­va fa­se de sua es­cri­ta, em que ele bus­ca al­ter­na­ti­vas pa­ra ex­pres­sar seu pen­sa­men­to.

Ali, o au­tor cons­truiu uma nar­ra­ti­va que cor­re no rit­mo ace­le­ra­do (na pri­mei­ra pes­soa e no pre­sen­te), ao mes­mo tem­po em que bus­ca ser des­pre­ten­si­o­sa. O mes­mo te­ma (um ho­mem que não se sen­te bem em seu meio) foi re­to­ma­do com Ben­ja­mim (1995). No­va­men­te, Chi­co Bu­ar­que fez da pró­pria es­cri­ta o seu ma­te­ri­al, cri­an­do uma in­trin­ca­da es­tru­tu­ra da nar­ra­ti­va, em que uma his­tó­ria é con­ta­da si­mul­ta­ne­a­men­te no pre­sen­te e no pas­sa­do.

O ha­bi­li­do­so jo­go de pa­la­vras vol­tou em 2004, com a pu­bli­ca­ção de Bu­da­pes­te. É a his­tó­ria de um ghost-wri­ter, ou se­ja, al­guém que es­cre­ve o que ou­tras pes­so­as as­si­nam, ar­ti­gos pa­ra jor­nal, au­to­bi­o­gra­fi­as e até po­e­sia. No­va­men­te, Chi­co vol­ta a brin­car com as pa­la­vras e, ao uti­li­zar um per­so­na­gem que vi­ve da es­cri­ta, fez com Bu­da­pes­te se trans­for­mas­se em seu tex­to mais au­to­ral até a che­ga­da de O Ir­mão Ale­mão (2014), em que a nar­ra­ti­va se es­tru­tu­ra na cons­tan­te ten­são en­tre um de fa­to que re­al­men­te acon­te­ceu, ou­tro que po­de­ria ter si­do e a mais pu­ra ima­gi­na­ção.

Com Es­sa Gen­te, Chi­co atin­ge um mo­men­to de ex­ce­lên­cia ao dar pis­tas ao lei­tor de que a his­tó­ria que é li­da é, na ver­da­de, o li­vro que Du­ar­te ten­ta es­cre­ver pa­ra, quem sa­be, re­sol­ver seus pro­ble­mas. Não se de­ve es­pe­rar, con­tu­do, por uma so­lu­ção fe­cha­da – co­mo úl­ti­mo to­que de so­fis­ti­ca­ção es­ti­lís­ti­ca, Chi­co sur­pre­en­de o mes­mo lei­tor com um fi­nal sem so­lu­ção apa­ren­te. E, ao re­ve­lar que o com­pu­ta­dor de Du­ar­te não con­tém ne­nhum ar­qui­vo guar­da­do, o au­tor, di­an­te do lei­tor bo­qui­a­ber­to, con­clui que o res­to é si­lên­cio.

@FE PI­NHEI­RO

Chi­co. Tex­to com apa­ren­te sim­pli­ci­da­de es­con­de, na ver­da­de, um es­ti­lo so­fis­ti­ca­do

ES­SA GEN­TE Au­tor: Chi­co Bu­ar­que Edi­to­ra: Com­pa­nhia das Le­tras (200 págs., R$ 49,90)

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.