O me­ga­lei­lão do pré-sal

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

O fa­to de o go­ver­no ad­mi­tir mu­dan­ças nas re­gras é o re­co­nhe­ci­men­to de que os re­sul­ta­dos cau­sa­ram al­gu­ma frus­tra­ção.

Em­bo­ra o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro te­nha rei­te­ra­do on­tem que o me­ga­lei­lão do pré­sal re­a­li­za­do na vés­pe­ra foi um su­ces­so – “foi o mai­or lei­lão do mun­do até o mo­men­to” –, o fa­to de a área téc­ni­ca do go­ver­no ad­mi­tir a ne­ces­si­da­de de mu­dan­ças nas re­gras pa­ra os pró­xi­mos lei­lões é o re­co­nhe­ci­men­to de que os re­sul­ta­dos cau­sa­ram al­gu­ma frus­tra­ção.

O lei­lão de ex­ce­den­tes da ces­são one­ro­sa do pré-sal foi, de fa­to, “o mai­or lei­lão” do mun­do na área de pe­tró­leo e per­mi­tiu ao go­ver­no le­van­tar R$ 69,9 bi­lhões, re­cur­sos que se­rão re­par­ti­dos en­tre a União, Es­ta­dos, mu­ni­cí­pi­os e a pró­pria Pe­tro­brás, a gran­de in­te­res­sa­da no ne­gó­cio. A des­pei­to de su­as di­men­sões, o va­lor al­can­ça­do é bem in­fe­ri­or aos R$ 106,5 bi­lhões pre­vis­tos pe­lo go­ver­no. Não hou­ve dis­pu­ta, pois as gi­gan­tes glo­bais do se­tor não fi­ze­ram ofer­tas, ape­nas du­as das qua­tro áre­as fo­ram ar­re­ma­ta­das (pe­lo va­lor mí­ni­mo) e tu­do de­pen­deu da Pe­tro­brás, res­pon­sá­vel por pra­ti­ca­men­te 90% do va­lor da ope­ra­ção (a es­ta­tal atu­ou em so­ci­e­da­de com du­as com­pa­nhi­as chi­ne­sas).

Na 6.ª ro­da­da de li­ci­ta­ções de par­ti­lha, re­a­li­za­da no dia se­guin­te, o re­sul­ta­do foi igual­men­te frus­tran­te. Das cin­co áre­as ofer­ta­das, qua­tro não re­ce­be­ram ne­nhu­ma ofer­ta. No­va­men­te a Pe­tro­brás foi a gran­de res­pon­sá­vel, com a par­ti­ci­pa­ção de uma só­cia mi­no­ri­tá­ria tam­bém chi­ne­sa, pe­lo ar­re­ma­te do úni­co blo­co lei­lo­a­do.

O mi­nis­tro de Mi­nas e Ener­gia, Ben­to Al­bu­quer­que, ad­mi­tiu que o di­rei­to con­ce­di­do à Pe­tro­brás pa­ra que se ma­ni­fes­te so­bre as áre­as de seu in­te­res­se e in­di­que quais ope­ra­ções pre­ten­de li­de­rar com a par­ti­ci­pa­ção de 30% do ca­pi­tal “re­duz a atra­ti­vi­da­de do cer­ta­me”. Al­bu­quer­que in­for­mou que o Mi­nis­té­rio tem pro­pos­tas pa­ra me­lho­rar o re­gi­me de par­ti­lha, por meio do qual a em­pre­sa con­tra­ta­da di­vi­de com a União uma de­ter­mi­na­da par­ce­la da pro­du­ção de óleo e gás de acor­do com cri­té­ri­os con­tra­tu­ais.

O mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, atri­buiu a es­se re­gi­me a au­sên­cia das gran­des com­pa­nhi­as no lei­lão de quar­ta-fei­ra pas­sa­da. Gu­e­des adi­an­tou que o go­ver­no po­de al­te­rar as re­gras do pró­xi­mo lei­lão da área do pré-sal, uti­li­zan­do o re­gi­me de con­ces­são. Por es­se re­gi­me, a em­pre­sa as­si­na con­tra­to com a União, por meio da Agên­cia Na­ci­o­nal do Pe­tró­leo, Gás Na­tu­ral e Bi­o­com­bus­tí­veis (ANP), e fi­ca res­pon­sá­vel pe­la ex­plo­ra­ção e pro­du­ção, as­su­min­do os ris­cos do in­ves­ti­men­to e ten­do a pro­pri­e­da­de do que des­co­brir e ex­trair.

São in­di­ca­ções de que no­vas re­gras se­rão uti­li­za­das nos no­vos lei­lões, que in­clui­rão as áre­as não ar­re­ma­ta­das nes­ta se­ma­na. As mu­dan­ças po­de­rão tor­nar es­sas áre­as mais atra­en­tes pa­ra as ope­ra­do­ras glo­bais do se­tor.

Além das re­gras, ou­tros fa­to­res po­dem ter afas­ta­do as em­pre­sas pri­va­das dos lei­lões. Não ha­via cla­re­za so­bre os vo­lu­mes de óleo con­ti­dos nos ex­ce­den­tes (as es­ti­ma­ti­vas da ANP eram de 6 bi­lhões a 15 bi­lhões de bar­ris). Mas, so­bre­tu­do, não ha­via cál­cu­los pre­ci­sos e con­fiá­veis so­bre qu­an­to as em­pre­sas ven­ce­do­ras te­ri­am de pa­gar à Pe­tro­brás a tí­tu­lo de com­pen­sa­ção fi­nan­cei­ra pe­los in­ves­ti­men­tos já re­a­li­za­dos nas áre­as de ces­são one­ro­sa. Em­bo­ra ha­ja re­gras pa­ra o cál­cu­lo des­sa com­pen­sa­ção, o nú­me­ro fi­nal te­rá de ser ne­go­ci­a­do pe­la em­pre­sa ven­ce­do­ra com a es­ta­tal.

Igual­men­te pou­co atra­en­te foi o va­lor do bô­nus de as­si­na­tu­ra do lei­lão, os R$ 106,5 bi­lhões es­pe­ra­dos pe­lo go­ver­no, o que, pa­ra al­guns ana­lis­tas, in­di­ca­va um ape­ti­te fis­cal exa­ge­ra­do. Se o re­sul­ta­do fos­se o es­pe­ra­do, uma par­ce­la de R$ 70,77 bi­lhões se­ria pa­ga ain­da em 2019; a ou­tra, de R$ 35,79 bi­lhões, em 2020. Is­so aju­da­ria a me­lho­rar subs­tan­ci­al­men­te, e de ime­di­a­to, as con­tas pú­bli­cas. O re­sul­ta­do al­can­ça­do com o lei­lão for­ça­rá o go­ver­no a re­ver su­as pro­je­ções pa­ra a po­lí­ti­ca fis­cal. Ha­ve­rá mais di­fi­cul­da­des do que as pre­vis­tas pa­ra ge­rir as con­tas pú­bli­cas no ano que vem.

Tu­do is­so se so­mou a um pe­río­do em que boa par­te das gi­gan­tes do se­tor de pe­tró­leo ain­da di­ge­re os gran­des in­ves­ti­men­tos re­a­li­za­dos nos úl­ti­mos anos em ex­plo­ra­ção offshore. Os re­sul­ta­dos des­ses in­ves­ti­men­tos es­tão atra­sa­dos ou são es­cas­sos, im­pon­do mai­or ri­gor na de­fi­ni­ção de no­vos pla­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.