Uma re­for­ma fru­to da po­lí­ti­ca

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

APEC Pa­ra­le­la da Pre­vi­dên­cia é exem­plo vi­vo de que a po­lí­ti­ca exi­ge sem­pre ne­go­ci­a­ção, mas não faz sen­ti­do que se­ja es­va­zi­a­da com tran­si­gên­ci­as po­pu­lis­tas.

Na quar­ta-fei­ra pas­sa­da, o Se­na­do apro­vou, em pri­mei­ro tur­no, a Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) 133/2019, a cha­ma­da PEC Pa­ra­le­la da Pre­vi­dên­cia, que, en­tre ou­tros as­sun­tos, tor­na pos­sí­vel a apli­ca­ção nos Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os das no­vas re­gras da Pre­vi­dên­cia da União, apro­va­das com a PEC 6/2019. A PEC Pa­ra­le­la foi a so­lu­ção en­con­tra­da pe­lo Con­gres­so pa­ra fa­ci­li­tar a mo­der­ni­za­ção e atu­a­li­za­ção dos re­gi­mes pre­vi­den­ciá­ri­os es­ta­du­ais e mu­ni­ci­pais. O re­sul­ta­do da vo­ta­ção – 56 vo­tos fa­vo­rá­veis e 11 con­trá­ri­os – in­di­ca sau­dá­vel pre­o­cu­pa­ção do Se­na­do com o equi­lí­brio fis­cal dos en­tes fe­de­ra­ti­vos. Es­ti­ma-se uma eco­no­mia de R$ 350 bi­lhões em dez anos pa­ra os Es­ta­dos.

De acor­do com o tex­to apro­va­do, não há apli­ca­ção au­to­má­ti­ca do re­gi­me pró­prio de Pre­vi­dên­cia So­ci­al da União. Pa­ra que as no­vas re­gras se­jam ado­ta­das, co­mo tem­po de con­tri­bui­ção e ida­de mí­ni­ma, ca­da en­te fe­de­ra­ti­vo pre­ci­sa­rá apro­var uma lei or­di­ná­ria es­pe­cí­fi­ca, de ini­ci­a­ti­va do Po­der Exe­cu­ti­vo res­pec­ti­vo. Des­sa for­ma, a PEC Pa­ra­le­la fa­ci­li­ta­rá a ado­ção das re­gras ge­rais, mas não as im­po­rá, o que se co­a­du­na com o re­gi­me fe­de­ra­ti­vo e as com­pe­tên­ci­as dos en­tes fe­de­ra­ti­vos. A ex­ce­ção re­fe­re-se aos mu­ni­cí­pi­os. Ca­so um Es­ta­do apro­ve lei or­di­ná­ria apli­can­do a no­va Pre­vi­dên­cia, ela tam­bém va­le­rá pa­ra os mu­ni­cí­pi­os des­se Es­ta­do que não ti­ve­rem apro­va­do re­gras pró­pri­as.

A PEC 133/2019 pre­vê tam­bém que um Es­ta­do ou mu­ni­cí­pio pos­sa, por meio de lei or­di­ná­ria, re­cu­ar das al­te­ra­ções nas apo­sen­ta­do­ri­as, sain­do do re­gi­me da União. No en­tan­to, há um pra­zo-li­mi­te pa­ra es­sa re­vo­ga­ção – até seis me­ses an­tes do fim do man­da­to do che­fe do res­pec­ti­vo Po­der Exe­cu­ti­vo.

Ain­da que se­ja mui­to po­si­ti­va por fa­ci­li­tar a in­clu­são dos Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, a PEC 133/2019 traz tam­bém al­guns ris­cos, que me­re­cem aten­ção. Em es­pe­ci­al, a PEC Pa­ra­le­la se trans­for­mou nu­ma bre­cha pa­ra abran­dar al­guns itens da PEC da Pre­vi­dên­cia.

A PEC 133/2019 es­ta­be­le­ce, por exem­plo, o pi­so de um sa­lá­rio mí­ni­mo pa­ra a pen­são de ser­vi­do­res, o que não es­ta­va pre­vis­to na PEC 6/2019. Ela tam­bém man­tém em 15 anos o tem­po mí­ni­mo pa­ra que ho­mens que ain­da não in­gres­sa­ram no mer­ca­do de tra­ba­lho re­quei­ram apo­sen­ta­do­ria. A PEC da Pre­vi­dên­cia fi­xa 20 anos.

Ou­tra me­di­da ame­ni­za­do­ra da PEC Pa­ra­le­la diz res­pei­to a al­gu­mas re­gras de tran­si­ção. A PEC 6/2019 fi­xou que as mu­lhe­res que es­tão no mer­ca­do de tra­ba­lho, pa­ra se apo­sen­ta­rem, pre­ci­sam ter ao me­nos 60 anos de ida­de e 15 anos de con­tri­bui­ção. O au­men­to des­sa ida­de mí­ni­ma se da­ria de for­ma gra­du­al. A ca­da ano, se­ri­am exi­gi­dos mais seis me­ses. A PEC Pa­ra­le­la de­fi­ne um es­ca­lo­na­men­to mais su­a­ve: seis me­ses a ca­da dois anos.

Ao la­do des­sas mu­dan­ças que di­mi­nu­em o im­pac­to fis­cal da re­for­ma, a PEC 133/2019 traz al­te­ra­ções que agregam re­cei­ta. Por exem­plo, a PEC Pa­ra­le­la pre­vê a co­bran­ça, em al­guns ca­sos, de con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria nas ex­por­ta­ções agrí­co­las, o que po­de­rá ge­rar até R$ 60 bi­lhões ao lon­go de dez anos.

Ou­tra me­di­da que po­de­ria con­tri­buir pa­ra au­men­tar a ar­re­ca­da­ção, mas foi ex­cluí­da do tex­to do re­la­tor, se­na­dor Tas­so Je­reis­sa­ti (PSDB-CE), era a al­te­ra­ção na isen­ção da con­tri­bui­ção pa­ra a se­gu­ri­da­de, pre­vis­ta na Cons­ti­tui­ção pa­ra as en­ti­da­des fi­lan­tró­pi­cas. Ori­gi­nal­men­te, ha­via a in­ten­ção de ex­cluir o be­ne­fí­cio das en­ti­da­des que ofe­re­cem re­du­zi­da con­tra­par­ti­da à so­ci­e­da­de. Di­an­te da fal­ta de con­sen­so e da com­ple­xi­da­de do te­ma, foi aco­lhi­da, na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ), emen­da pre­ven­do a edi­ção de uma lei com­ple­men­tar pa­ra tra­tar da imu­ni­da­de des­sas en­ti­da­des.

A PEC Pa­ra­le­la é exem­plo vi­vo de que a po­lí­ti­ca exi­ge sem­pre ne­go­ci­a­ção. Não há avan­ços li­ne­a­res e tam­pou­co avan­ços sem ris­cos. Pre­ci­sa­men­te por is­so, é de re­co­men­dar es­pe­ci­al pru­dên­cia do Con­gres­so e de su­as li­de­ran­ças. Não faz sen­ti­do que, de­pois de to­do o es­for­ço pa­ra apro­var a PEC da Pre­vi­dên­cia, ela se­ja es­va­zi­a­da com tran­si­gên­ci­as po­pu­lis­tas. Que as mu­dan­ças se­jam pa­ra aper­fei­çoá­la, não pa­ra pi­o­rá-la.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.