Ele­na Lan­dau

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - ELE­NA LAN­DAU E-MAIL: ELE­NA.LAN­[email protected]­S.ORG ELE­NA LAN­DAU ES­CRE­VE QUIN­ZE­NAL­MEN­TE

A ver­da­dei­ra ba­ta­lha em tor­no da am­pla re­for­ma fis­cal pro­pos­ta por Pau­lo Gu­e­des se­rá or­ga­ni­zar as pri­o­ri­da­des.

Mes­mo que o re­sul­ta­do do me­ga­lei­lão te­nha jo­ga­do água no cho­pe, es­ta foi uma boa se­ma­na pa­ra eco­no­mia. O Re­la­tó­rio Fo­cus apon­ta in­fla­ção bai­xa, re­du­ção da ta­xa bá­si­ca de ju­ros e me­lho­ra nas pro­je­ções pa­ra o cres­ci­men­to de 2020. Sem­pre é pre­ci­so cautela com es­sas es­ti­ma­ti­vas. Va­mos lem­brar que o ano co­me­çou com ex­pec­ta­ti­va de 2,8% pa­ra o PIB e vai ter­mi­nar per­to de 1%. Cla­ro que a cri­se da Ar­gen­ti­na e a tra­gé­dia de Bru­ma­di­nho atra­pa­lha­ram. Mas não se po­de des­pre­zar o er­ro es­tra­té­gi­co do go­ver­no de co­lo­car to­das as fi­chas na re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, ge­ran­do uma pa­ra­li­sia dos in­ves­ti­men­tos no 1.º se­mes­tre.

A per­da de mo­men­tum no Se­na­do no 2.º se­mes­tre não aba­lou a fé dos in­ves­ti­do­res. Sem es­ses fa­to­res ne­ga­ti­vos, a re­to­ma­da cí­cli­ca apon­ta pa­ra um cres­ci­men­to de, pe­lo me­nos, o do­bro pa­ra ano que vem. Ain­da me­dío­cre. Se na­da atra­pa­lhar os bons ven­tos, po­de-se pen­sar em al­go pró­xi­mo de 3%, se­gun­do al­gu­mas das pro­je­ções do mer­ca­do. Oxa­lá.

Pa­ra aju­dar no bom hu­mor, Pau­lo Gu­e­des, en­fim, anun­cia seu pro­je­to pa­ra a eco­no­mia. Mas o pa­pel do mi­nis­tro não se en­cer­ra com o en­vio do pa­co­te ao Con­gres­so. São inú­me­ras PECs a se­rem dis­cu­ti­das ao lon­go de 2020 e que afe­tam pri­vi­lé­gi­os de gru­pos es­pe­cí­fi­cos. O lobby dos des­con­ten­tes vai ten­tar con­ven­cer que o ajus­te é ruim pa­ra to­do mun­do. O mes­mo fil­me que se viu na Pre­vi­dên­cia. O che­fe da PGR foi rá­pi­do e já se ma­ni­fes­tou con­tra a “in­jus­ta” re­du­ção de seu pe­río­do de 60 di­as de fé­ri­as. A re­for­ma da se­gu­ri­da­de tam­bém atra­ves­sou uma gu­er­ra de nar­ra­ti­vas du­ran­te dois anos e che­gou es­te ano ao

Con­gres­so ma­du­ra pa­ra dis­cus­são. Ain­da as­sim, sua apro­va­ção se ar­ras­tou me­ses - deu até tem­po da apro­va­ção da PEC Pa­ra­le­la em 1º tur­no pe­los se­na­do­res. O pre­si­den­te in­ter­rom­peu o rit­mo das dis­cus­sões no Se­na­do ao im­por a in­di­ca­ção de um fi­lho pa­ra uma em­bai­xa­da. Pri­o­ri­da­des.

O con­jun­to de mu­dan­ças não trou­xe sur­pre­sas, é uma pro­pos­ta de am­pla re­for­ma fis­cal na li­nha já es­pe­ra­da. A ver­da­dei­ra ba­ta­lha se­rá or­ga­ni­zar pri­o­ri­da­des e a sequên­cia de vo­ta­ções, já que fo­ram aber­tas mui­tas fren­tes ao mes­mo tem­po. To­do cui­da­do é pou­co, to­da a ha­bi­li­da­de se­rá ne­ces­sá­ria. Inex­pli­ca­vel­men­te a Zo­na Fran­ca de Ma­naus man­tém seus be­ne­fí­ci­os e al­gu­mas car­rei­ras, co­mo mi­li­ta­res, juí­zes e pro­cu­ra­do­res, fi­ca­ram de fo­ra do aper­to. Co­me­çou er­ra­do. A con­tri­bui­ção tem que ser de to­dos os seg­men­tos. Se ou­tras ex­ce­ções fo­rem con­ce­di­das – não fal­ta­rá pres­são –, podemos ter­mi­nar com cor­te de gas­tos abai­xo do pro­je­ta­do, no con­tex­to de um no­vo pac­to fe­de­ra­ti­vo que pre­vê a trans­fe­rên­cia de re­cur­sos pa­ra es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os.

De­pois dos de­sa­cer­tos na in­sis­tên­cia com ca­pi­ta­li­za­ção e CPMF, que nos fez per­der um tem­po pre­ci­o­so, Gu­e­des en­ten­deu que sem ar­ti­cu­la­ção po­lí­ti­ca não se faz uma PEC, mui­to me­nos qua­tro. Maia e Al­co­lum­bre já pa­re­cem es­tar com­pro­me­ti­dos no es­for­ço de apro­va­ção. Da mes­ma for­ma, o STF pre­ci­sa es­tar ci­en­te de que re­gras pa­ra fun­ci­o­na­lis­mo e vin­cu­la­ções or­ça­men­tá­ri­as de­vem mu­dar pa­ra di­mi­nuir des­pe­sas obri­ga­tó­ri­as e abrir es­pa­ço pa­ra in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos. Mas, aci­ma tu­do, a so­ci­e­da­de de­ve es­tar con­ven­ci­da de que, se al­gu­mas ca­te­go­ri­as per­dem, no con­jun­to, o país sai­rá me­lhor.

O go­ver­no tam­bém ace­na com um no­vo ri­to pa­ra as pri­va­ti­za­ções, se­guin­do um pro­ce­di­men­to que pro­pus em mi­nha co­lu­na pas­sa­da, que é in­ver­ter o ônus da pro­va: a exis­tên­cia de uma es­ta­tal de­ve ser justificad­a, e não a sua de­ses­ta­ti­za­ção. A pro­pos­ta ofi­ci­al não é tão ou­sa­da ao não in­cluir to­das as em­pre­sas no pro­je­to de uma vez, co­mo eu su­gi­ro. Pe­tro­brás, por exem­plo, fi­ca de fo­ra. Mas pa­re­ce que as pri­va­ti­za­ções vão fi­nal­men­te co­me­çar a an­dar. Com mui­tos me­ses de atra­so, o PL pa­ra a ven­da da Ele­tro­bras saiu mui­to se­me­lhan­te à pro­pos­ta de Te­mer. A boa no­vi­da­de foi a re­ti­ra­da da gol­den sha­re, já que não há na­da de es­tra­té­gi­co na ope­ra­ção da em­pre­sa, e afe­ta­ria ne­ga­ti­va­men­te o pre­ço de ven­da. A União de­ve­rá man­ter ain­da en­tre 30% a 40% de par­ti­ci­pa­ção, exi­gin­do um bom de­se­nho de go­ver­nan­ça pa­ra blin­dar qual­quer in­fluên­cia es­ta­tal na em­pre­sa e dei­xá-la imu­ne a mu­dan­ças de go­ver­no.

No­tí­ci­as bo­as na eco­no­mia em tem­pos es­tra­nhos na po­lí­ti­ca. Bol­so­na­ro e seus fi­lhos po­dem atra­pa­lhar mui­to o an­da­men­to das re­for­mas se con­ti­nu­a­rem na mes­ma to­a­da dos úl­ti­mos di­as. De uma ta­ca­da, des­truí­ram sua frá­gil ba­se par­la­men­tar; ata­ca­ram a im­pren­sa, par­cei­ra no con­ven­ci­men­to so­bre Pre­vi­dên­cia; o Con­gres­so, que de­ve apro­var as mu­dan­ças nas con­tas pú­bli­cas, e o STF, que vai jul­gar sua cons­ti­tu­ci­o­na­li­da­de.

Os ar­rou­bos au­to­ri­tá­ri­os da fa­mí­lia vão num cres­cen­do, che­gan­do à ame­a­ça de um no­vo AI-5. Bol­so­na­ro fin­ge que re­pre­en­de os fi­lhos e a vi­da se­gue. Não são ape­nas ações de um ho­mem que não li­ga pa­ra o po­li­ti­ca­men­te cor­re­to. São ata­ques à de­mo­cra­cia li­be­ral por par­te do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. O pro­pó­si­to em ge­rar uma cri­se ins­ti­tu­ci­o­nal é ca­da vez mais evi­den­te. Po­de ser uma cor­ti­na de fu­ma­ça. Se Us­tra é o he­rói, Chá­vez po­de ser o mo­de­lo.

ECO­NO­MIS­TA E AD­VO­GA­DA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.