Co­lu­na de Jo­sé Ro­ber­to Guz­zo es­treia do­min­go

Jor­na­lis­ta, que pas­sou por JT, Ve­ja e Exa­me, vai es­cre­ver se­ma­nal­men­te so­bre ce­ná­rio po­lí­ti­co e econô­mi­co do País

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

O jor­na­lis­ta Jo­sé Ro­ber­to Guz­zo, um dos pro­fis­si­o­nais mais res­pei­ta­dos da im­pren­sa bra­si­lei­ra, faz a sua es­treia co­mo colunista do Es­ta­do nes­te do­min­go. Em sua co­lu­na, que se­rá pu­bli­ca­da se­ma­nal­men­te, Guz­zo de­ve­rá ana­li­sar o ce­ná­rio po­lí­ti­co e econô­mi­co do País, com o mes­mo olhar apu­ra­do e sin­gu­lar pe­lo qual se tor­nou co­nhe­ci­do do pú­bli­co.

“O que mais me cha­ma aten­ção ho­je é que exis­tem dois paí­ses: um Bra­sil re­al e um Bra­sil ima­gi­ná­rio”, afir­ma. “O Bra­sil re­al é o Bra­sil que tra­ba­lha, que pro­duz, pu­jan­te, que de­mons­tra is­so com fa­tos, re­sul­ta­dos. O Bra­sil ima­gi­ná­rio é o País da cri­se diá­ria, on­de tu­do é pro­ble­ma, mo­ti­vo de im­pe­a­ch­ment do pre­si­den­te, mo­ti­vo pa­ra o fim do mun­do. Es­se é um Bra­sil que, na mi­nha opi­nião, é fal­so, não che­ga às pes­so­as, por­que elas não se im­por­tam com ele.”

Guz­zo diz que pre­ten­de se­guir os mes­mos prin­cí­pi­os que sem­pre pro­cu­rou apli­car em seus tex­tos: “1) bus­car a cla­re­za má­xi­ma, pa­ra o lei­tor não ter de ler a mes­ma li­nha du­as ve­zes; 2) li­dar só com fa­tos e com pou­co ‘eu acho’; e 3) acei­tar a ló­gi­ca, que ho­je as pes­so­as não res­pei­tam mais, co­mo di­zer que dois mais dois são qua­tro, que o tri­ân­gu­lo tem três la­dos e que 1º de no­vem­bro vem de­pois de 31 de ou­tu­bro”.

Do­no de um tex­to pri­mo­ro­so, mar­ca­do por fi­na iro­nia, e com uma ca­pa­ci­da­de in­ve­já­vel de fa­lar com sim­pli­ci­da­de so­bre acon­te­ci­men­tos com­ple­xos, Guz­zo, de 76 anos, ini­ci­ou sua car­rei­ra co­mo re­pór­ter do jor­nal Úl­ti­ma Ho­ra de São Pau­lo, em 1961. Cin­co anos de­pois, foi tra­ba­lhar no Jor­nal da Tar­de,

que aca­ba­ra de ser lan­ça­do pe­lo Gru­po Es­ta­do, do qual foi cor­res­pon­den­te em Pa­ris. “Eu tra­ba­lhei sé­cu­los atrás, no co­me­ço da mi­nha car­rei­ra, no lan­ça­men­to do JT, e ago­ra es­tou vol­tan­do, com es­sa co­lu­na no Es­ta­do,

que mui­to me hon­ra, co­mo um co­la­bo­ra­dor”, afir­ma. “É um ci­clo que se com­ple­ta.”

Foi na Edi­to­ra Abril, po­rém, que Guz­zo tra­ba­lhou a mai­or par­te de car­rei­ra. Em 1968, fez par­te da equi­pe fun­da­do­ra da Ve­ja, co­mo edi­tor de In­ter­na­ci­o­nal, e de­pois foi cor­res­pon­den­te em No­va York. Co­briu a gu­er­ra do Vi­et­nã e acom­pa­nhou a vi­si­ta pi­o­nei­ra do en­tão pre­si­den­te ame­ri­ca­no, Ri­chard Ni­xon, à Chi­na, em 1972. Foi o úni­co jor­na­lis­ta bra­si­lei­ro pre­sen­te ao en­con­tro de Ni­xon com o lí­der chi­nês Mao Tsé-Tung.

Em 1976, aos 32 anos, Guz­zo as­su­miu a di­re­ção da Ve­ja, que ocu­pou du­ran­te quin­ze anos. Nes­te pe­río­do, a pu­bli­ca­ção saiu do ver­me­lho e sua cir­cu­la­ção pas­sou de 175 mil exem­pla­res pa­ra qua­se 1 mi­lhão, o que a le­vou ao quar­to lu­gar no ran­king das mai­o­res re­vis­tas se­ma­nais de in­for­ma­ção do mun­do, atrás ape­nas das ame­ri­ca­nas Ti­me e Newswe­ek e da ale­mã Der Spi­e­gel. Por sua ha­bi­li­da­de de trans­for­mar um tex­to en­fa­do­nho em al­go agra­dá­vel de ler ape­nas com re­to­ques pon­tu­ais, ga­nhou o ape­li­do de “mão pe­lu­da” na re­da­ção.

Em 1988, pas­sou a acu­mu­lar a di­re­ção da Ve­ja com o car­go de di­re­tor-ge­ral da Exa­me, en­car­re­ga­do de rein­ven­tar a re­vis­ta. Dei­xou a Ve­ja em 1991, en­cer­ran­do um ci­clo na re­vis­ta. De­pois de um ano sa­bá­ti­co, vol­tou à ati­va, de­di­can­do-se ex­clu­si­va­men­te à Exa­me, pri­mei­ro co­mo di­re­tor edi­to­ri­al e de­pois co­mo pu­blisher. Nos 11 anos em que es­te­ve à fren­te da re­vis­ta, trans­for­mou-a na pu­bli­ca­ção mais ren­tá­vel, em ter­mos re­la­ti­vos, da Abril. Nos úl­ti­mos anos, foi colunista da Ve­ja e da Exa­me.

Na vi­são de Guz­zo, um jor­na­lis­ta, pa­ra ser um bom pro­fis­si­o­nal, “tem de de­di­car to­do o seu es­for­ço pa­ra pro­du­zir ma­té­ri­as que o lei­tor co­me­ce a ler, te­nha von­ta­de de con­ti­nu­ar len­do e só pa­re qu­an­do che­gar ao fim”. A mes­ma re­co­men­da­ção va­le pa­ra os jor­na­lis­tas de rá­dio e TV.

“Se ele não con­se­guir in­te­res­sar o pú­bli­co na­qui­lo que es­cre­ve, fa­la ou mos­tra, o jor­na­lis­ta fra­cas­sou”, afir­ma. “A úni­ca me­di­da de seu é qual o jul­ga­men­to que o lei­tor faz de­le”.

NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Tra­je­tó­ria. Guz­zo co­me­çou car­rei­ra co­mo re­pór­ter do Úl­ti­ma Ho­ra, em São Pau­lo, em 1961

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.