Eli­a­ne Can­ta­nhê­de

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - ELI­A­NE CAN­TA­NHÊ­DE E-MAIL: ELI­A­[email protected]­TA­DAO.COM TWIT­TER: @ECANTANHED­E ELI­A­NE CAN­TA­NHÊ­DE ES­CRE­VE ÀS TERÇAS E SEX­TAS-FEI­RAS E AOS DO­MIN­GOS

O Su­pre­mo der­ru­bou um ins­tru­men­to im­por­tan­tís­si­mo con­tra o cri­me, em es­pe­ci­al o de co­la­ri­nho-bran­co. A gu­er­ra ago­ra se es­ten­de­rá a ou­tro fó­rum igual­men­te le­gí­ti­mo, o Con­gres­so Na­ci­o­nal.

OSu­pre­mo fi­nal­men­te cum­priu a ame­a­ça de der­ru­bar a pri­são após con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia – ins­tru­men­to im­por­tan­tís­si­mo con­tra os cri­mes, em es­pe­ci­al de co­la­ri­nho bran­co –, mas é bom que se sai­ba que a gu­er­ra con­ti­nua. Ago­ra num ou­tro fo­ro tam­bém im­pro­vá­vel, mas igual­men­te le­gí­ti­mo: o Con­gres­so Na­ci­o­nal.

“Sim, a gu­er­ra con­ti­nua”, con­cor­dou on­tem a ex-pro­cu­ra­do­ra ge­ral da Re­pú­bli­ca, Ra­quel Dod­ge, des­car­tan­do o frá­gil ar­gu­men­to de que o “trân­si­to em jul­ga­do”, que se con­tra­põe à pri­são em se­gun­da ins­tân­cia, é cláu­su­la pé­trea da Cons­ti­tui­ção. Não é. Lo­go, po­de ser mu­da­da por Pro­pos­ta de Emen­da Cons­ti­tu­ci­o­nal (PEC).

Se fos­se cláu­su­la pé­trea, ar­gu­men­ta ela, o Su­pre­mo ja­mais po­de­ria ter ad­mi­ti­do a pri­são após a con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia, co­mo até on­tem, e, aliás, te­ria vo­ta­do por una­ni­mi­da­de con­tra sua apli­ca­ção.

Co­mo PGR (aliás, a pri­mei­ra mu­lher a ocu­par o car­go), Dod­ge as­si­nou lon­go pa­re­cer con­tra no­va mu­dan­ça de en­ten­di­men­to. E, mui­to an­tes, qu­an­do a pri­são em se­gun­da ins­tân­cia vol­tou, era pro­cu­ra­do­ra jun­to ao Su­pe­ri­or Tri­bu­nal de Jus­ti­ça (STJ) e atu­ou pa­ra o cum­pri­men­to an­te­ci­pa­do da pe­na pas­sas­se a va­ler ra­pi­da­men­te.

Dod­ge, que tem no cur­rí­cu­lo tam­bém três anos na pres­ti­gi­a­da uni­ver­si­da­de de Har­vard, elo­gia a fir­me de­ci­são da mi­nis­tra Car­men Lú­cia que, em seus dois anos de pre­si­dên­cia do STF, se ne­gou pe­remp­to­ri­a­men­te a co­lo­car em pau­ta, mais uma vez, uma ques­tão já de­ci­di­da pe­lo ple­ná­rio em três opor­tu­ni­da­des mui­to re­cen­tes.

“Não há fa­tos no­vos nem mu­dan­ça na com­po­si­ção do ple­ná­rio”, diz a pro­cu­ra­do­ra, re­pe­tin­do qua­se que li­te­ral­men­te os ar­gu­men­tos de Car­men Lú­cia, que en­fren­tou ame­a­ças, agressões, in­si­nu­a­ções e iro­ni­as, in­clu­si­ve de co­le­gas e em ses­sões trans­mi­ti­das ao vi­vo pe­la TV Jus­ti­ça, mas não ar­re­dou pé da sua con­vic­ção. Seu su­ces­sor na pre­si­dên­cia, Di­as Tof­fo­li, es­pe­rou mais de um ano pa­ra fa­zer o opos­to e pôr em vo­ta­ção, mas já as­su­miu de­ter­mi­na­do a fa­zê-lo. Tar­dou, mas não fa­lhou.

Co­mo vem di­zen­do Dod­ge, o fim da pri­são após se­gun­da ins­tân­cia é um tri­plo re­tro­ces­so: fal­ta de es­ta­bi­li­da­de, com idas e vin­das; per­da de efi­ci­ên­cia do sis­te­ma, com a vol­ta de pro­ces­sos pe­nais in­fin­dá­veis, re­cur­sos pro­te­la­tó­ri­os e pres­cri­ções; ris­co de per­da de cre­di­bi­li­da­de jun­to à so­ci­e­da­de, pe­la eter­na sen­sa­ção de im­pu­ni­da­de, prin­ci­pal­men­te de réus ri­cos e po­de­ro­sos.

As­sim co­mo os es­pe­ci­a­lis­tas mi­li­ta­res de­fen­dem pe­sa­dos in­ves­ti­men­tos em De­fe­sa e For­ças Ar­ma­das pa­ra ga­ran­tir o “pa­pel dis­su­a­só­rio” dos paí­ses, mes­mo os mais pa­cí­fi­cos, co­mo o Bra­sil, Ra­quel Dod­ge lem­bra da im­por­tân­cia da “for­ça ini­bi­tó­ria” da Jus­ti­ça. Uma jus­ti­ça efe­ti­va, ágil e re­al­men­te jus­ta (ple­o­nas­mo ne­ces­sá­rio) é fun­da­men­tal pa­ra ini­bir ím­pe­tos cri­mi­no­sos e, por­tan­to, os pró­pri­os cri­mes. A es­ta­bi­li­da­de e a cre­di­bi­li­da­de são fa­to­res ina­li­e­ná­veis nes­sa di­re­ção.

Qu­an­to à ques­tão po­lí­ti­ca, so­bre a qual Dod­ge não fa­la, há que se des­ta­car que se po­de apoi­ar ou dis­cor­dar da de­ci­são do Su­pre­mo, mas esqueçam a pos­si­bi­li­da­de de re­be­liões, ma­ni­fes­ta­ções imen­sas, tu­mul­tos.

Di­zia-se que o im­pe­a­ch­ment de Dil­ma Rous­seff pa­ra­ria o País, mas ele foi apro­va­do na mais san­ta paz. A pre­si­den­te do PT pre­viu que, se pren­des­sem Lu­la, iam ter de “ma­tar gen­te”. Lu­la foi pre­so, nin­guém ma­tou, nin­guém mor­reu. E até a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, que ge­ra os mai­o­res tu­mul­tos mun­do afo­ra, foi apro­va­da sem pro­tes­tos nem mes­mo nos gra­ma­dos do Con­gres­so.

Lo­go, a are­na de ma­ni­fes­ta­ções e ata­ques de­ve con­ti­nu­ar res­tri­ta às re­des so­ci­ais. Com mui­ta his­te­ria e gros­se­ri­as, mas sem san­gue, sem mor­tes, sem que­bra-que­bra. Fo­ra is­so, “a gu­er­ra con­ti­nua” no Con­gres­so, co­mo con­cor­da Dod­ge. O res­to fi­ca pa­ra o jul­ga­men­to da his­tó­ria.

Não te­rá que­bra-que­bra, mas Dod­ge vê “tri­plo re­tro­ces­so” em de­ci­são do Su­pre­mo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.