STF proí­be pri­são após 2ª ins­tân­cia e abre ca­mi­nho pa­ra Lu­la ser sol­to

Re­sul­ta­do é vis­to co­mo der­ro­ta da La­va Ja­to; de­fe­sa diz que vai pe­dir ho­je li­ber­da­de pa­ra o ex-pre­si­den­te

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Ra­fa­el Mo­ra­es Mou­ra Bre­no Pi­res / BRA­SÍ­LIA

O STF de­ci­diu der­ru­bar a pos­si­bi­li­da­de de pri­são após con­de­na­ção em 2.ª ins­tân­cia, con­si­de­ra­da um dos pi­la­res da Ope­ra­ção La­va Ja­to. A Cor­te en­ten­deu, por 6 vo­tos a 5, que um con­de­na­do tem o di­rei­to à li­ber­da­de até o fim de to­dos os re­cur­sos ju­di­ci­ais. A de­ci­são abre ca­mi­nho pa­ra que o ex-pre­si­den­te Lu­la, pre­so des­de abril de 2018 pe­lo ca­so do tri­plex do Gu­a­ru­já, se­ja sol­to. A de­fe­sa in­for­mou que pe­di­rá à Jus­ti­ça a “ime­di­a­ta sol­tu­ra” de Lu­la. Em no­ta, a for­ça-ta­re­fa da La­va Ja­to afir­mou que de­ci­são des­toa do sen­ti­men­to de “re­pú­dio à im­pu­ni­da­de e com­ba­te à cor­rup­ção”. Pe­lo me­nos 400 apoi­a­do­res do ex-pre­si­den­te Lu­la co­me­mo­ra­ram o re­sul­ta­do na Pra­ça dos Três Po­de­res sol­tan­do fo­gos de ar­ti­fí­cio. O vo­to de de­sem­pa­te do jul­ga­men­to foi da­do pe­lo pre­si­den­te do STF, Di­as Tof­fo­li. “Não é com a pri­são após con­de­na­ção em 2.ª ins­tân­cia que se re­sol­vem pro­ble­mas de im­pu­ni­da­de”, dis­se. Da­dos do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça (CNJ) in­di­cam que 4.895 pre­sos po­dem ser be­ne­fi­ci­a­dos pe­la de­ci­são.

Por 6 a 5, o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) de­ci­diu on­tem der­ru­bar a pos­si­bi­li­da­de de pri­são após con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia, me­di­da con­si­de­ra­da um dos pi­la­res da Ope­ra­ção La­va Ja­to. Em um jul­ga­men­to que se es­ten­deu por qua­tro di­as e cin­co ses­sões ple­ná­ri­as, a Cor­te en­ten­deu que um con­de­na­do tem o di­rei­to de aguar­dar em li­ber­da­de a de­ci­são de­fi­ni­ti­va da Jus­ti­ça até o fim de to­dos os re­cur­sos. A de­ci­são abre ca­mi­nho pa­ra a sol­tu­ra do ex­pre­si­den­te Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va (PT), pre­so des­de abril do ano pas­sa­do, e é vis­ta co­mo a mai­or der­ro­ta da La­va Ja­to até ago­ra.

O re­sul­ta­do pro­vo­cou re­a­ções no Con­gres­so, no Pa­lá­cio do Pla­nal­to e no Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. Pou­co após o jul­ga­men­to, a de­fe­sa de Lu­la di­vul­gou no­ta in­for­man­do que le­va­rá à Jus­ti­ça um pe­di­do pa­ra que ha­ja sua “ime­di­a­ta sol­tu­ra” e, além dis­so, rei­te­ra­rá so­li­ci­ta­ção pa­ra que o Su­pre­mo jul­gue os ha­be­as cor­pus que têm co­mo ob­je­ti­vo de­cla­rar a nu­li­da­de do pro­ces­so “em vir­tu­de da sus­pei­ção do ex­juiz Sér­gio Mo­ro e dos pro­cu­ra­do­res da La­va Ja­to”.

O vo­to de­ci­si­vo pa­ra a re­vi­ra­vol­ta no atu­al en­ten­di­men­to do Su­pre­mo foi da­do pe­lo pre­si­den­te da Cor­te, o mi­nis­tro Di­as Tof­fo­li, após mais de se­te ho­ras de ses­são. “Não é a pri­são após se­gun­da ins­tân­cia que re­sol­ve es­ses pro­ble­mas (de cri­mi­na­li­da­de), que é pa­na­ceia pa­ra re­sol­ver a im­pu­ni­da­de, evi­tar prá­ti­ca de cri­mes ou im­pe­dir o cum­pri­men­to da lei pe­nal”, dis­se ele, emo­ci­o­na­do.

A li­ber­ta­ção de réus pre­sos não é au­to­má­ti­ca, já que os juí­zes de exe­cu­ção vão ana­li­sar ca­so a ca­so. Po­dem até, em ca­ra­tér ex­cep­ci­o­nal, de­ter­mi­nar pri­sões pre­ven­ti­vas pa­ra pu­nir réus que re­pre­sen­tem pe­ri­go pa­ra a so­ci­e­da­de, co­mo es­tu­pra­do­res e ho­mi­ci­das, ou pa­ra apro­fun­da­men­to das in­ves­ti­ga­ções.

A mu­dan­ça na ju­ris­pru­dên­cia do Su­pre­mo be­ne­fi­ci­a­rá 4.895 pre­sos, de acor­do com da­dos do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Jus­ti­ça (CNJ). O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral diz que 38 réus da La­va Ja­to po­de­rão ser sol­tos. O mais ilus­tre de­les é Lu­la, que foi con­de­na­do por cor­rup­ção pas­si­va e la­va­gem de di­nhei­ro no ca­so do tri­plex do Gu­a­ru­já. Em­bo­ra ele es­te­ja ine­le­gí­vel, a cú­pu­la do PT es­tá cer­ta de que po­de­rá tam­bém der­ru­bar es­se obs­tá­cu­lo mais adi­an­te.

De qual­quer for­ma, a pro­vá­vel li­ber­ta­ção de Lu­la me­xe no ta­bu­lei­ro da su­ces­são pre­si­den­ci­al, em 2022, acen­tu­an­do a po­la­ri­za­ção en­tre a di­rei­ta e a es­quer­da. O pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro

não co­men­tou a de­ci­são. Nos bas­ti­do­res, no en­tan­to, ali­a­dos do pre­si­den­te dis­se­ram que a de­ci­são foi de­cep­ci­o­nan­te. O ve­re­a­dor Car­los Bol­so­na­ro (PSC-RJ), fi­lho do pre­si­den­te, foi lacô­ni­co. “Meu Deus!”, es­cre­veu no Twit­ter.

O Con­gres­so po­de­rá mu­dar o en­ten­di­men­to do Su­pre­mo pa­ra de­fi­nir qu­an­do o in­ves­ti­ga­do co­me­ça­rá a cum­prir a pe­na. “Não ve­jo pro­ble­ma de o Par­la­men­to al­te­rar es­se dis­po­si­ti­vo. Tem au­to­no­mia pa­ra is­so”, dis­se Tof­fo­li, em re­fe­rên­cia ao ar­ti­go 283 do Có­di­go de Pro­ces­so Pe­nal, que pre­vê a ne­ces­si­da­de do trân­si­to em jul­ga­do – qu­an­do to­dos os re­cur­sos ju­rí­di­cos são es­go­ta­dos – pa­ra es­ta­be­le­cer as con­di­ções da pri­são.

O jul­ga­men­to encerrado on­tem foi so­bre o mé­ri­to de três ações, mo­vi­das pe­lo Con­se­lho Fe­de­ral da OAB, PC do B e Pa­tri­o­ta, que tra­tam so­bre a exe­cu­ção an­te­ci­pa­da de pe­na. Além do pre­si­den­te do Su­pre­mo, vo­ta­ram pa­ra der­ru­bar a pri­são após con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia os mi­nis­tros Gil­mar Men­des, Cel­so de Mel­lo, Ro­sa We­ber, Ri­car­do Lewan­dows­ki e o re­la­tor das ações, Mar­co Au­ré­lio Mel­lo. Pa­ra a cor­ren­te ma­jo­ri­tá­ria do Su­pre­mo, a exe­cu­ção an­te­ci­pa­da de pe­na fe­re o prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal da pre­sun­ção de ino­cên­cia pre­vis­to no ar­ti­go 5º da Cons­ti­tui­ção.

Na ou­tra pon­ta, os mi­nis­tros Ed­son Fa­chin, Ale­xan­dre de Mo­ra­es, Luís Ro­ber­to Bar­ro­so, Luiz Fux e Cár­men Lú­cia se ma­ni­fes­ta­ram a fa­vor de man­ter a pri­são após se­gun­da ins­tân­cia.

A dis­cus­são do te­ma ra­chou o ple­ná­rio do Su­pre­mo, opon­do de um la­do mi­nis­tros que de­fen­dem res­pos­ta ri­go­ro­sa da Jus­ti­ça no com­ba­te à cor­rup­ção – e, de ou­tro, quem des­ta­ca o prin­cí­pio cons­ti­tu­ci­o­nal da pre­sun­ção de ino­cên­cia e os di­rei­tos fun­da­men­tais dos pre­sos.

“Até mes­mo o de­ba­te so­bre o pa­pel do STF pre­ci­sa ser ve­ri­fi­ca­do. Dis­cu­ti­mos mui­to es­sa ques­tão da se­gun­da ins­tân­cia ten­do co­mo pa­no de fun­do o ca­so Lu­la. O ca­so Lu­la, de al­gu­ma for­ma, con­ta­mi­nou to­do es­se de­ba­te, ten­do em vis­ta es­sa po­li­ti­za­ção. E is­to aca­bou não sen­do bom pa­ra um de­ba­te ra­ci­o­nal. Eu, in­clu­si­ve, sou cha­ma­do nas re­des so­ci­ais de um ‘co­ri­feu (pes­soa de mai­or des­ta­que ou in­fluên­cia em um gru­po) do pe­tis­mo’”, dis­se Gil­mar.

Pe­núl­ti­mo a vo­tar, Cel­so de Mel­lo fri­sou que, in­de­pen­den­te­men­te da po­si­ção de ca­da co­le­ga so­bre o te­ma, to­dos se opõem à cor­rup­ção. “Ne­nhum juiz do Su­pre­mo (...) é con­trá­rio à ne­ces­si­da­de im­pe­ri­o­sa de com­ba­ter e re­pri­mir as mo­da­li­da­des de cri­me pra­ti­ca­das por agen­tes pú­bli­cos ou por de­lin­quen­tes em­pre­sa­ri­ais”, afir­mou o de­ca­no.

UESLEI MARCELINO / REU­TERS

Vo­to de mi­ner­va. Di­as Tof­fo­li, pre­si­den­te do STF, de­fi­niu a ques­tão

DIDA SAM­PAIO/ESTADÃO

Ple­ná­rio. Mi­nis­tros do STF, du­ran­te jul­ga­men­to que de­ci­diu que con­de­na­dos só po­dem cum­prir pe­na após o fim dos re­cur­sos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.