Meio sé­cu­lo sem Fran­cis­co Mes­qui­ta

Di­re­tor do ‘Es­ta­do’, Dr. Chi­qui­nho Mes­qui­ta mor­reu em 1969 após lu­tar con­tra di­ta­du­ras, ser pre­so e exi­la­do, e mo­der­ni­zar o jor­nal

O Estado de S. Paulo - - Primeira página -

Com­ple­tam-se, ho­je, 50 anos da mor­te de Fran­cis­co Mes­qui­ta, di­re­tor de O Es­ta­do de S. Pau­lo en­tre 1927 e 1969. Dr. Chi­qui­nho foi um re­vo­lu­ci­o­ná­rio de­mo­cra­ta, cons­pi­ra­dor con­tra re­gi­mes au­to­ri­tá­ri­os e or­ga­ni­za­dor de par­ti­dos dou­tri­na­ri­a­men­te pre­o­cu­pa­dos com o de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co. Ele mo­der­ni­zou o jor­nal, a quem de­di­cou sua vi­da, e foi um lutador pe­la cau­sa da li­ber­da­de.

Nes­ta sex­ta-fei­ra, 8, com­ple­tam-se 50 anos da per­da de Fran­cis­co Mes­qui­ta, di­re­tor de O Es­ta­do de S. Pau­lo, que mor­reu aos 76 anos, em no­vem­bro de 1969, após uma vi­da de­di­ca­da ao jor­nal, à po­lí­ti­ca e à cau­sa da li­ber­da­de.

Nas­ci­do em São Pau­lo em 22 de abril de 1893, Fran­cis­co Mes­qui­ta, o Dr. Chi­qui­nho Mes­qui­ta, co­mo tam­bém era cha­ma­do, es­te­ve à fren­te da ad­mi­nis­tra­ção do Gru­po Es­ta­do por qua­tro dé­ca­das, de 1927 a 1969. Fi­lho de Ju­lio Mes­qui­ta e de Lu­ci­la Cer­quei­ra Ce­sar Mes­qui­ta e ca­sa­do com Ali­ce Vi­ei­ra de Car­va­lho Mes­qui­ta, Fran­cis­co Mes­qui­ta dei­xou os fi­lhos Luiz Vi­ei­ra de Car­va­lho Mes­qui­ta, Jo­sé Vi­ei­ra de Car­va­lho Mes­qui­ta e Ma­ria Ce­cí­lia Vi­ei­ra de Car­va­lho Mes­qui­ta. Dei­xou oi­to ne­tos, en­tre eles Ro­ber­to Cris­siu­ma Mes­qui­ta, atu­al pre­si­den­te do Con­se­lho de Ad­mi­nis­tra­ção de O Es­ta­do de S. Pau­lo, e Fran­cis­co Mes­qui­ta Ne­to, di­re­tor­pre­si­den­te do jor­nal.

De tem­pe­ra­men­to dis­cre­to, Fran­cis­co Mes­qui­ta es­te­ve com o ir­mão Ju­lio de Mes­qui­ta Fi­lho, fa­le­ci­do em 12 de ju­lho tam­bém de 1969, no co­man­do do jor­nal a par­tir da mor­te do pai em 1927. Eram ro­ti­nei­ras as reu­niões dos ir­mãos no jor­nal, sem­pre pe­la ma­nhã, por vol­ta de 10 ou 11 ho­ras, pa­ra dis­cu­tir o te­ma do prin­ci­pal edi­to­ri­al do dia, os as­sun­tos mais re­le­van­tes da pau­ta do jor­nal e ques­tões do co­ti­di­a­no da em­pre­sa.

Além da ati­vi­da­de no jor­nal, Dr. Chi­qui­nho Mes­qui­ta fez par­te ati­va da vi­da po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra da épo­ca, em de­fe­sa da en­tão re­cen­te de­mo­cra­cia re­pu­bli­ca­na na­ci­o­nal. Foi um dos pri­mei­ros ar­ti­cu­la­do­res da Re­vo­lu­ção de 1930 e che­gou a fa­zer par­te do “Go­ver­no dos 40 di­as” de São Pau­lo, ins­ti­tuí­do em 20 de ou­tu­bro de 1930, ini­ci­al­men­te sob a pre­si­dên­cia de Jo­sé Ma­ria Whi­ta­ker. Dr. Chi­qui­nho es­te­ve na Se­cre­ta­ria do In­te­ri­or.

Po­rém, as­se­di­a­do pe­los te­nen­tes vi­to­ri­o­sos, que ti­nham as­cen­dên­cia so­bre o che­fe ci­vil do mo­vi­men­to, Getúlio Var­gas, Mes­qui­ta en­du­re­ceu com o re­gi­me e se­guiu co­e­ren­te com sua atu­a­ção mar­can­te ini­ci­a­da nos anos 20, qu­an­do es­te­ve pre­sen­te na for­ma­ção do Par­ti­do De­mo­crá­ti­co, fun­da­do em 1926.

Es­por­tis­ta, ex-jo­ga­dor de fu­te­bol pe­lo Clu­be Atlé­ti­co Pau­lis­ta­no, on­de foi “ar­ti­lhei­ro do ano” na tem­po­ra­da de 1913, for­ma­do na Fa­cul­da­de de Di­rei­to do Lar­go São Fran­cis­co em 1916, Fran­cis­co Mes­qui­ta in­te­grou o gru­po de de­mo­cra­tas que en­fren­tou o au­to­ri­ta­ris­mo e, li­te­ral­men­te, foi à gu­er­ra, lu­tan­do con­tra o var­guis­mo em 1932: alis­tou-se co­mo vo­lun­tá­rio no Re­gi­men­to de In­fan­ta­ria (RI), de Qui­taú­na, pas­san­do en­tão a for­mar tro­pa no Ba­ta­lhão de Pi­ra­ti­nin­ga, que se pre­pa­ra­va pa­ra a re­sis­tên­cia a par­tir de 9 de ju­lho de 1932.

Na fren­te de ba­ta­lha, ser­viu ins­cri­to co­mo “ca­bo Chi­co”, sob co­man­do do ca­pi­tão da For­ça Pú­bli­ca pau­lis­ta Rei­nal­do Sal­da­nha da Ga­ma. Dez di­as de­pois de de­fla­gra­do o mo­vi­men­to 9 de Ju­lho, par­tiu de São Pau­lo pa­ra o cam­po de ação da re­gião do Va­le do Pa­raí­ba, a meio ca­mi­nho pa­ra o Rio de Ja­nei­ro, a ca­pi­tal fe­de­ral. Fei­to pri­si­o­nei­ro em 19 de agos­to, qu­an­do seu gru­po de­fen­dia a po­si­ção per­to de Qu­e­luz e sem o apoio mi­li­tar es­pe­ra­do dos Es­ta­dos do Rio Gran­de do Sul e Mi­nas Ge­rais, aca­bou ven­ci­do pe­lo ini­mi­go.

Pre­so e le­va­do pa­ra a Ilha Gran­de, no li­to­ral flu­mi­nen­se, se­guiu de­pois pa­ra o exí­lio em Por­tu­gal na com­pa­nhia de qua­se uma cen­te­na de re­vol­to­sos cons­ti­tu­ci­o­na­lis­tas, en­tre eles seu ir­mão Ju­lio de Mes­qui­ta Fi­lho, tam­bém di­re­tor de O Es­ta­do de S. Pau­lo.

O ba­ni­men­to na Eu­ro­pa du­rou dez me­ses. Der­ro­ta­da mi­li­tar­men­te, a cau­sa de 9 de Ju­lho, po­rém, ob­te­ve vi­tó­ri­as mo­rais e po­lí­ti­cas re­le­van­tes. Me­nos de um ano de­pois da gu­er­ra, Var­gas ado­ta­ria a cons­ti­tu­ci­o­na­li­za­ção do País, com re­con­ci­li­a­ção e am­pla anis­tia aos exi­la­dos. Nes­se pe­río­do, o cu­nha­do de

Fran­cis­co Mes­qui­ta, o en­ge­nhei­ro Armando de Sal­les Oliveira, foi no­me­a­do in­ter­ven­tor no go­ver­no pau­lis­ta.

Fran­cis­co vol­tou do ex­te­ri­or com a fa­mí­lia. Re­to­mou ime­di­a­ta­men­te a ati­vi­da­de po­lí­ti­ca que já exer­cia des­de a for­ma­ção da Li­ga Nacionalis­ta e da Ali­an­ça Li­be­ral, mo­vi­men­tos po­lí­ti­cos dos quais se ori­gi­na­ram o Par­ti­do De­mo­crá­ti­co (PD) e o Par­ti­do Cons­ti­tu­ci­o­na­lis­ta (1934), ecos par­ti­dá­ri­os da agi­ta­da dé­ca­da que an­te­ce­deu a aven­tu­ra au­to­ri­tá­ria de Var­gas.

Elei­to de­pu­ta­do constituin­te pe­lo an­ti­go dis­tri­to de Bra­gan­ça e Ati­baia, Dr. Chi­qui­nho Mes­qui­ta pros­se­guiu co­mo um dos ar­ti­cu­la­do­res de par­ti­dos de cu­nho de­mo­crá­ti­co, co­mo a União De­mo­crá­ti­ca Na­ci­o­nal, a UDN, cri­a­da mais tar­de, em 1945. Nes­se pe­río­do, par­ti­ci­pou com o ir­mão Ju­lio e o cu­nha­do Sal­les de Oliveira da cri­a­ção da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo, a USP, em 1934 – a pri­mei­ra do Bra­sil –, e da ela­bo­ra­ção da Car­ta Es­ta­du­al de 1935, pro­mul­ga­da exa­ta­men­te no dia 9 de ju­lho.

Du­ran­te o man­da­to, atu­ou na Co­mis­são Per­ma­nen­te de Fi­nan­ças e Or­ça­men­to da As­sem­bleia de São Pau­lo on­de fez na tri­bu­na a de­fe­sa do jor­nal, da li­ber­da­de de ex­pres­são, dos va­lo­res re­pu­bli­ca­nos e de­mo­cra­tas, sem­pre com pro­nun­ci­a­men­tos mar­can­tes por oca­sião de co­me­mo­ra­ções dos cen­te­ná­ri­os de Quin­ti­no Bo­caiu­va, um his­tó­ri­co re­pu­bli­ca­no do Rio, e de Ben­to Qui­ri­no dos San­tos, abo­li­ci­o­nis­ta de São Pau­lo.

Ino­va­ção.

O Es­ta­do foi, em 1934, o pri­mei­ro jor­nal do Bra­sil a uti­li­zar um sis­te­ma de anún­ci­os clas­si­fi­ca­dos. Fran­cis­co Mes­qui­ta, o “pa­tro­no” da ino­va­ção, pre­o­cu­pou-se em ins­ta­lar o mai­or nú­me­ro pos­sí­vel de agên­ci­as ven­de­do­ras de clas­si­fi­ca­dos em to­do o País. Com a ini­ci­a­ti­va, o jor­nal au­men­tou as ven­das e a cre­di­bi­li­da­de, pas­san­do a ser pro­cu­ra­do por gran­des anun­ci­an­tes e re­ce­ber mais pro­pa­gan­da.

No Es­ta­do No­vo, a par­tir de no­vem­bro de 1937, qu­an­do se con­so­li­dou a di­ta­du­ra de Var­gas e foi dis­sol­vi­da a As­sem­bleia Le­gis­la­ti­va, o go­ver­no ten­tou sub­me­ter o jor­nal à cen­su­ra pré­via. Fran­cis­co Mes­qui­ta, de vol­ta ao jor­nal, abre um pe­río­do de mo­der­ni­za­ções, com o Es­ta­do man­ten­do a in­de­pen­dên­cia e en­con­tran­do mei­os de en­fren­tar o re­gi­me.

O Es­ta­do não ven­dia pá­gi­nas pa­ra a pro­pa­gan­da de Getúlio Var­gas, que era far­ta em ou­tros ór­gãos de im­pren­sa. A re­pres­são foi gran­de e Ju­lio de Mes­qui­ta Fi­lho, en­tão di­re­tor, foi pre­so 17 ve­zes até fi­nal­men­te vir a ser afas­ta­do e no­va­men­te sub­me­ti­do ao exí­lio. Fran­cis­co Mes­qui­ta se­guiu no co­man­do sem al­te­rar o ca­rá­ter cí­vi­co e de­fen­sor da de­mo­cra­cia do jor­nal.

Em mar­ço de 1940, mi­li­ta­res in­va­di­ram a re­da­ção do Es­ta­do sob a fal­sa acu­sa­ção de cons­pi­ra­ção armada. Ar­mas fo­ram co­lo­ca­das no for­ro do pré­dio pe­la pró­pria po­lí­cia pa­ra for­jar pro­vas. O jor­nal foi acu­sa­do de ar­ma­ze­nar me­tra­lha­do­ras que se­ri­am usa­das em ações des­ti­na­das a der­ru­bar o go­ver­no. Fran­cis­co Mes­qui­ta, de no­vo pre­so, foi le­va­do pa­ra o Rio, on­de fi­cou iso­la­do por 40 di­as. Na­da foi pro­va­do con­tra ele. Li­ber­ta­do, não pô­de re­as­su­mir su­as fun­ções no jor­nal, que pas­sou a ser di­ri­gi­do por um in­ter­ven­tor de­sig­na­do pe­la di­ta­du­ra. O in­di­ca­do pa­ra as­su­mir foi Ab­ner Mourão.

O Es­ta­do fi­cou en­tão sob con­tro­le do re­gi­me var­guis­ta por cin­co anos, até 1945, e so­men­te foi de­vol­vi­do à fa­mí­lia Mes­qui­ta em de­zem­bro da­que­le ano. O Gru­po Es­ta­do não re­co­nhe­ce os nú­me­ros edi­ta­dos e pu­bli­ca­dos no pe­río­do de in­ter­ven­ção.

Com a re­to­ma­da do con­tro­le do jor­nal, Dr. Chi­qui­nho Mes­qui­ta ini­ci­ou uma ou­tra fa­se de mo­der­ni­za­ção da em­pre­sa, que te­ve a inau­gu­ra­ção da no­va se­de, na Rua Ma­jor Qu­e­di­nho, 28, em 18 de agos­to de 1953. A se­guir, sem­pre com a par­ce­ria afi­na­da do Dr. Chi­qui­nho Mes­qui­ta com o ir­mão Ju­lio, o Es­ta­do

en­tra em um ci­clo de lan­ça­men­to de ca­der­nos. É qu­an­do nas­cem pu­bli­ca­ções que fi­ze­ram his­tó­ria na im­pren­sa bra­si­lei­ra co­mo o Su­ple­men­to Fe­mi­ni­no

(1953), Su­ple­men­to Agrícola

(1955) e ocor­re a inau­gu­ra­ção da Rá­dio El­do­ra­do (1958).

Nos anos 60, mais uma vez os ir­mãos Mes­qui­ta ti­ve­ram pa­pel re­le­van­te nas ar­ti­cu­la­ções po­lí­ti­cas que le­va­ram ao mo­vi­men­to de 64 con­tra o en­tão pre­si­den­te João Gou­lart. Com o en­du­re­ci­men­to do re­gi­me em de­zem­bro de 1968, a par­tir da edi­ção do Ato Ins­ti­tu­ci­o­nal Nú­me­ro 5 (AI-5) e da cen­su­ra à im­pren­sa, os ir­mãos Mes­qui­ta se ne­ga­ram a par­ti­ci­par da ma­no­bra e, mais uma vez, ado­ta­ram a de­fe­sa das ins­ti­tui­ções de­mo­crá­ti­cas.

“Em 13 de de­zem­bro de 1968, a edi­ção de O Es­ta­do de S. Pau­lo foi apre­en­di­da a par­tir da de­ci­são de seu di­re­tor e pro­pri­e­tá­rio Ju­lio de Mes­qui­ta Fi­lho de não ex­cluir da se­ção No­tas e In­for­ma­ções o his­tó­ri­co edi­to­ri­al Ins­ti­tui­ções em fran­ga­lhos”, es­cre­veu o jor­na­lis­ta Jo­sé Ma­ria May­rink no li­vro Mor­da­ça no Estadão, de de­zem­bro de 2008, qu­an­do se com­ple­ta­vam 40 anos do AI-5 e da ten­ta­ti­va dos po­de­ro­sos de plan­tão de ou­tra vez do­mi­nar o jor­nal.

Mes­mo sub­me­ti­do à pres­são do re­gi­me mi­li­tar, com a pre­sen­ça cons­tan­te de cen­so­res na re­da­ção, o Es­ta­do não ado­tou a au­to­cen­su­ra. O es­pa­ço dos tex­tos e fo­tos cor­ta­dos pe­los agen­tes do go­ver­no era ocu­pa­do pe­los ver­sos do épi­co Os Lu­sía­das, de Luís de Ca­mões.

Fran­cis­co Mes­qui­ta mor­reu em São Pau­lo, às 3 ho­ras da ma­dru­ga­da, ví­ti­ma de uma bron­cop­neu­mo­nia, qua­tro me­ses de­pois de seu ir­mão Ju­lio. Foi se­pul­ta­do no Ce­mi­té­rio da Con­so­la­ção. La­men­tan­do a per­da, Sal­da­nha da Ga­ma, ex­co­man­dan­te da tro­pa da re­sis­tên­cia na Re­vo­lu­ção de 1932, re­lem­brou o com­por­ta­men­to dis­cre­to do Dr. Chi­qui­nho Mes­qui­ta, par­cei­ro das pri­sões var­guis­tas e do des­ter­ro em Lis­boa. “Era ho­mem de ra­ra co­ra­gem e não a exi­bia”, dis­se o mi­li­tar ao co­men­tar no jor­nal a mor­te de Fran­cis­co Mes­qui­ta. “Nun­ca o vi er­guer a voz nem fa­zer ges­tos des­ne­ces­sá­ri­os; li­de­rou sem que o per­ce­bes­sem.”

No dia se­guin­te ao de sua mor­te, a “pri­mei­ra no­ta”, o prin­ci­pal edi­to­ri­al da pá­gi­na 3, sob o tí­tu­lo Uma obra ex­cep­ci­o­nal, des­ta­cou o tra­ba­lho de­le na trans­for­ma­ção de O Es­ta­do de S. Pau­lo num dos mai­o­res ór­gãos da im­pren­sa mun­di­al. “Com sua sen­si­bi­li­da­de de ho­mem de im­pren­sa, com­pre­en­deu que, pa­ra se im­por, um gran­de jor­nal ti­nha de ser igual­men­te uma gran­de em­pre­sa mo­der­na”, diz o edi­to­ri­al.

AR­QUI­VO-ESTADÃO - 3/1/1975

Fran­cis­co Mes­qui­ta. Uma vi­da de­di­ca­da à re­sis­tên­cia às di­ta­du­ras, de­fe­sa da li­ber­da­de de im­pren­sa e ino­va­ções no jor­nal

FO­TOS: ACER­VO ESTADÃO

Ca­bo Chi­co. Mes­qui­ta (2º à esq.) na fren­te de com­ba­te de 32

Exí­lio em Por­tu­gal. No Es­to­ril, Fran­cis­co Mes­qui­ta, Baby Al­mei­da, Sa­ra Men­don­ça, Ali­ce Mes­qui­ta, An­to­nio Men­don­ça, Ma­ri­na e Ju­lio Mes­qui­ta e Gui­lher­me de Al­mei­da

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.