Pre­nún­ci­os no Chi­le

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - •✽ SIMON SCHWARTZMA­N

Em San­ti­a­go, re­cen­te­men­te, sur­pre­en­di-me qu­an­do me dis­se­ram que a si­tu­a­ção do país es­ta­va pés­si­ma, pre­nun­ci­an­do as ma­ni­fes­ta­ções que vi­ri­am lo­go de­pois. Vis­to por um bra­si­lei­ro, o Chi­le é nos­so so­nho de con­su­mo: a eco­no­mia cres­cen­do a 3% ao ano, a me­lhor edu­ca­ção e os me­no­res ín­di­ces de vi­o­lên­cia da re­gião, pou­ca cor­rup­ção, uma re­du­ção dra­má­ti­ca nos ní­veis de po­bre­za e a ci­da­de mo­der­na e vi­bran­te que é San­ti­a­go in­te­gra­da por ex­ce­len­te sis­te­ma de me­trô. O Chi­le é uma de­mo­cra­cia es­tá­vel des­de a saí­da de Pi­no­chet, em 1989, e a Con­cer­ta­ción de cen­tro-es­quer­da que go­ver­nou o país até 2010 in­ves­tiu for­te­men­te na área so­ci­al, ao mes­mo tem­po que man­te­ve gran­de par­te da eco­no­mia de mer­ca­do ins­ti­tuí­da pe­los “Chi­ca­go boys” dos anos an­te­ri­o­res.

Cla­ro que nem tu­do são so­nhos. O Chi­le ain­da de­pen­de mui­to do pre­ço in­ter­na­ci­o­nal do co­bre e o PIB em 2019 não de­ve cres­cer mui­to. A de­si­gual­da­de ain­da é gran­de, em­bo­ra me­nor do que a bra­si­lei­ra. Os cus­tos dos ser­vi­ços de saú­de e me­di­ca­men­tos são al­tos e o sis­te­ma de ca­pi­ta­li­za­ção das apo­sen­ta­do­ri­as sem ga­ran­tia de pi­so não deu cer­to, dei­xan­do a po­pu­la­ção mais ve­lha, em gran­de par­te, de­sam­pa­ra­da. O de­sem­pre­go, ao re­dor dos 7%, não é al­to, mas a in­for­ma­li­da­de e a pre­ca­ri­za­ção cres­cem.

Os que mais pro­tes­tam não são os mais ve­lhos ou os mais po­bres, mas, so­bre­tu­do, jo­vens es­tu­dan­tes das clas­ses mé­di­as, co­nec­ta­dos nas re­des, in­se­gu­ros qu­an­to ao fu­tu­ro e bus­can­do um pro­ta­go­nis­mo que não con­se­guem ter. Na Fa­cul­da­de de Edu­ca­ção aon­de fui, o te­ma do mo­men­to eram as ocu­pa­ções dos pré­di­os fei­tas por mo­vi­men­tos fe­mi­nis­tas ra­di­cais com de­man­das ex­tre­ma­men­te am­plas, que iam des­de te­mas li­ga­dos à igual­da­de de gê­ne­ro, o fim do pa­tri­ar­ca­lis­mo e do as­sé­dio se­xu­al até te­mas mais ge­rais, co­mo o di­rei­to a ha­bi­ta­ção dig­na pa­ra to­dos e o fim da eco­no­mia ex­tra­ti­vis­ta. E con­ti­nua vi­va na me­mó­ria dos chi­le­nos a “re­vol­ta dos pin­guins” de 2006 e 2011, es­tu­dan­tes se­cun­dá­ri­os que iam às ru­as em ma­ni­fes­ta­ções ex­tre­ma­men­te vi­o­len­tas con­tra go­ver­nos de es­quer­da e de di­rei­ta, Ba­che­let e Piñe­ra, não so­men­te con­tra a edu­ca­ção pri­va­da, mas con­tra a eco­no­mia de mer­ca­do e o re­gi­me po­lí­ti­co co­mo um to­do.

Mi­nha apre­sen­ta­ção no Chi­le foi so­bre as qua­tro gran­des fun­ções que a edu­ca­ção de­ve­ria de­sem­pe­nhar co­mo con­tri­bui­ção pa­ra o pro­gres­so so­ci­al: o de­sen­vol­vi­men­to da pes­soa hu­ma­na, o for­ta­le­ci­men­to da ci­da­da­nia, o de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co e a equi­da­de so­ci­al. Os dois úl­ti­mos te­mas têm mo­no­po­li­za­do a aten­ção de go­ver­nan­tes e pes­qui­sa­do­res, en­quan­to os dois pri­mei­ros pa­re­cem ter caí­do no esquecimen­to. Ago­ra que o fo­co na edu­ca­ção são as com­pe­tên­ci­as, que sen­ti­do tem ain­da di­zer que as es­co­las de­vem “for­mar” as pes­so­as, mens sa­na in cor­po­re sa­no, co­mo nos ve­lhos tem­pos? Qu­an­do os mo­der­nos Es­ta­dos na­ci­o­nais fo­ram cri­a­dos, nos sé­cu­los 18 e 19, a edu­ca­ção pú­bli­ca foi vis­ta co­mo o me­ca­nis­mo pa­ra de­sen­vol­ver nos ci­da­dãos o sen­ti­do de per­ten­ci­men­to à na­ção, o do­mí­nio de uma lín­gua co­mum e os co­nhe­ci­men­tos ne­ces­sá­ri­os pa­ra vi­ver nu­ma so­ci­e­da­de com­ple­xa. Ago­ra que to­das as in­for­ma­ções es­tão na in­ter­net, a vi­da so­ci­al e os va­lo­res dos es­tu­dan­tes se es­tru­tu­ram a par­tir das re­des so­ci­ais, da mú­si­ca po­pu­lar e da cul­tu­ra de ju­ven­tu­de, ain­da se po­de es­pe­rar que as es­co­las de­sem­pe­nhem es­ses pa­péis?

Tal­vez de­ves­sem, mas não es­tão con­se­guin­do, e tal­vez es­te­ja­mos es­pe­ran­do da edu­ca­ção mais do que ela pos­sa dar. Ch­ris­ti­an Cox, edu­ca­dor chi­le­no que se tem de­di­ca­do ao te­ma, mos­tra co­mo os cur­rí­cu­los es­co­la­res em qua­se to­da par­te es­tão dei­xan­do de la­do os te­mas clás­si­cos de ci­da­da­nia e co­e­são so­ci­al, subs­ti­tuí­dos por te­mas lo­cais ou iden­ti­tá­ri­os, mas a gran­de ques­tão é se es­ses con­teú­dos, mais tra­di­ci­o­nais ou não, de fa­to são in­cor­po­ra­dos. No Chi­le, os im­por­tan­tes avan­ços me­di­dos pe­los tes­tes do Pi­sa não le­va­ram a um mai­or con­sen­so en­tre os es­tu­dan­tes so­bre o va­lor da de­mo­cra­cia e as vir­tu­des do mo­de­lo econô­mi­co e so­ci­al es­ta­be­le­ci­do pe­los go­ver­nos des­de o fim da di­ta­du­ra.

Uma das crí­ti­cas que se fa­zem à edu­ca­ção no Chi­le é que a in­tro­du­ção de um am­plo sis­te­ma de fi­nan­ci­a­men­to pú­bli­co da edu­ca­ção pri­va­da, por meio de vou­chers, que ho­je aten­de a mais da me­ta­de da ma­trí­cu­la, jun­to com a co­bran­ça de anui­da­des das uni­ver­si­da­des pú­bli­cas, te­ria tor­na­do o aces­so à edu­ca­ção mais de­si­gual. A evi­dên­cia pa­re­ce mos­trar que es­co­las pri­va­das sub­si­di­a­das têm re­sul­ta­dos me­lho­res do que as pú­bli­cas, mas em gran­de par­te por­que são mais se­le­ti­vas, e os re­sul­ta­dos es­co­la­res con­ti­nu­am de­pen­den­do for­te­men­te da con­di­ção so­ci­al das fa­mí­li­as. Com os vou­chers as fa­mí­li­as po­dem es­co­lher aon­de man­dar os fi­lhos e a gran­de pre­fe­rên­cia é pe­las es­co­las pri­va­das, dei­xan­do as pú­bli­cas mu­ni­ci­pais com os alu­nos em pi­o­res con­di­ções, e com mui­tas di­fi­cul­da­des pa­ra me­lho­rar. No en­si­no su­pe­ri­or, um am­plo sis­te­ma de bol­sas, cré­di­tos edu­ca­ti­vos e a po­lí­ti­ca mais re­cen­te de ga­ran­tir gra­tui­da­de em qual­quer ins­ti­tui­ção a alu­nos pro­ve­ni­en­tes de fa­mí­li­as mais po­bres tem re­du­zi­do o pro­ble­ma da de­si­gual­da­de de aces­so por mo­ti­vos fi­nan­cei­ros.

Há mui­ta se­me­lhan­ça en­tre as ma­ni­fes­ta­ções chi­le­nas de 2019, que co­me­ça­ram con­tra o au­men­to do me­trô, e as ma­ni­fes­ta­ções pau­lis­tas de 2013, que co­me­ça­ram con­tra o au­men­to dos ôni­bus: de­man­das sim­ples que se vão am­pli­an­do e dan­do va­zão aos sen­ti­men­tos de frus­tra­ção e im­po­tên­cia das pes­so­as an­te uma so­ci­e­da­de e uma eco­no­mia que pro­por­ci­o­nam mui­to me­nos do que gos­ta­ri­am. Al­gu­mas das de­man­das po­dem ser aten­di­das, mas nun­ca o su­fi­ci­en­te pa­ra re­cu­pe­rar com­ple­ta­men­te a le­gi­ti­mi­da­de re­ce­bi­da pe­los go­ver­nan­tes nas úl­ti­mas elei­ções que dis­pu­ta­ram. No Chi­le ain­da há que guar­dar pa­ra ver quais se­rão as con­sequên­ci­as, mas um cla­ro ris­co é o rom­pi­men­to do gran­de con­sen­so cons­truí­do en­tre o cen­tro-es­quer­da e o cen­tro-di­rei­ta nos úl­ti­mos 20 anos, que pa­re­cia es­tar le­van­do o país a um pa­ta­mar de de­sen­vol­vi­men­to iné­di­to na re­gião. Se as­sim for, a de­mo­cra­cia so­fre, per­de le­gi­ti­mi­da­de, e o fu­tu­ro não se afi­gu­ra pro­mis­sor.

SO­CIÓ­LO­GO, É MEM­BRO DA ACA­DE­MIA BRA­SI­LEI­RA DE CI­ÊN­CI­AS

Se vi­er a se rom­per o con­sen­so cons­truí­do nos úl­ti­mos 20 anos, o fu­tu­ro não se afi­gu­ra pro­mis­sor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.