Meio am­bi­en­te, cli­ma e so­be­ra­nia na­ci­o­nal

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto - •✽ LOUR­DES SOLA E EDU­AR­DO VI­O­LA

Aques­tão cli­má­ti­co-am­bi­en­tal , co­mo se sa­be, é uma das de­fi­ni­do­ras do nos­so tem­po. Des­sa pers­pec­ti­va, 2019 re­pre­sen­ta pa­ra o Bra­sil o que os teó­lo­gos qua­li­fi­ca­vam de an­nus hor­ri­bi­lis: Bru­ma­di­nho em ja­nei­ro, des­ma­ta­men­to e quei­ma­das ex­tra­or­di­ná­ri­as na Amazô­nia de ju­lho a se­tem­bro; der­ra­ma­men­to de óleo nas prai­as e re­ser­vas da vi­da ma­ri­nha do Nor­des­te. Além de su­as di­men­sões hu­ma­ni­tá­ria e ci­vi­li­za­tó­ria, de seu im­pac­to in­ter­na­ci­o­nal, es­ses epi­só­di­os tra­zem à luz as fra­tu­ras, ago­ra ex­pos­tas, da nos­sa eco­no­mia po­lí­ti­ca.

Quer di­zer, o con­fli­to de in­te­res­ses que com­põe a atu­al co­a­li­zão go­ver­na­men­tal; os dé­fi­cits de nos­sos ins­ti­tui­ções de con­tro­le e de pres­ta­ção de con­tas; a pre­e­mi­nên­cia das idei­as re­tró­gra­das, hos­tis ao sa­ber ci­en­tí­fi­co e pau­ta­das por um con­cei­to de so­be­ra­nia li­mi­ta­do. Em­bo­ra te­nham ca­rá­ter sis­tê­mi­co, é a ques­tão cli­má­ti­co-am­bi­en­tal que im­pri­me sen­ti­do de ur­gên­cia à me­lhor com­pre­en­são dos de­sa­fi­os en­vol­vi­dos tam­bém da pers­pec­ti­va das ci­ên­ci­as so­ci­ais. Is­so obri­ga a dar con­ta das con­tra­di­ções e dos pa­ra­do­xos do qua­dro atu­al. É es­se o pro­pó­si­to des­te ar­ti­go, par­te de um pro­je­to de pes­qui­sa abran­gen­te so­bre as con­jun­tu­ras crí­ti­cas do sé­cu­lo 21 no País.

Bru­ma­di­nho, que na­da tem que ver com o atu­al go­ver­no, na oca­sião re­cém-em­pos­sa­do, evi­den­ci­ou a es­ca­la da pro­mis­cui­da­de en­tre a Va­le e os ór­gãos re­gu­la­do­res e fis­ca­li­za­do­res. Di­an­te da tra­gé­dia, a aten­ção da opi­nião pú­bli­ca di­ri­gi­da à ques­tão am­bi­en­tal, até en­tão de­cli­nan­te em de­cor­rên­cia das cri­ses econô­mi­ca e po­lí­ti­ca (fenô­me­no co­mum em ou­tros paí­ses), ga­nhou no­vo im­pul­so. E com ela, a per­cep­ção dos ris­cos as­so­ci­a­dos à ex­plo­ra­ção de mi­né­ri­os, as de­man­das por ado­ção de tec­no­lo­gi­as mais ade­qua­das e a con­tes­ta­ção le­gal das re­la­ções sim­bió­ti­cas en­tre o se­tor pri­va­do e os ór­gãos ofi­ci­ais.

O re­cru­des­ci­men­to do des­ma­ta­men­to na Amazô­nia sus­ci­ta ou­tras ques­tões, a co­me­çar pe­la no­ção de so­be­ra­nia im­plí­ci­ta no dis­cur­so e nas prá­ti­cas do go­ver­no – em con­tras­te com a que ca­rac­te­ri­zou a pos­tu­ra do Es­ta­do bra­si­lei­ro des­de iní­cio dos anos 1990. Ao as­su­mir a res­pon­sa­bi­li­da­de de pro­te­ger um ecos­sis­te­ma que tem im­pac­to no cli­ma glo­bal, o Es­ta­do bra­si­lei­ro mar­ca­va sua ade­são a um con­cei­to de so­be­ra­nia pau­ta­do pe­la emer­gên­cia dos no­vos pro­ble­mas glo­bais: mu­dan­ça cli­má­ti­ca, cri­me trans­na­ci­o­nal, ris­co de pan­de­mi­as, etc. A par­tir de 2005, as po­lí­ti­cas ati­vas de re­du­ção de des­ma­ta­men­to e de im­plan­ta­ção do Es­ta­do do Di­rei­to na re­gião bus­ca­ram in­cor­po­rar es­se con­cei­to. Ao mes­mo tem­po, bus­ca­va-se cum­prir as ta­re­fas, ain­da pen­den­tes, as­so­ci­a­das à con­cep­ção de so­be­ra­nia ado­ta­da pe­las de­mo­cra­ci­as no sé­cu­lo pas­sa­do: con­tro­le do ter­ri­tó­rio, vi­gên­cia do im­pé­rio da lei em to­da a sua ex­ten­são, mo­no­pó­lio da vi­o­lên­cia. Nes­se con­tex­to, não há co­mo des­co­nhe­cer a com­ple­xi­da­de de um dos prin­ci­pais de­sa­fi­os de go­ver­nan­ça de­mo­crá­ti­ca ho­je: le­var a ca­bo, si­mul­ta­ne­a­men­te, as po­lí­ti­cas que ga­ran­tem o exer­cí­cio da so­be­ra­nia na­ci­o­nal nas du­as acep­ções, a do sé­cu­lo 20 e a do 21.

O ideá­rio do go­ver­no Bol­so­na­ro, seu dis­cur­so ne­ga­ti­vo so­bre a pro­te­ção do am­bi­en­te, a nar­ra­ti­va ne­ga­ci­o­nis­ta dos con­sen­sos ci­en­tí­fi­cos so­bre a mu­dan­ça cli­má­ti­ca com­bi­na­ram­se à po­lí­ti­ca de en­fra­que­ci­men­to dos ór­gãos am­bi­en­tais. Tra­ta-se de uma sín­dro­me re­gres­si­va aos tem­pos em que o Bra­sil se con­ver­te­ra em vi­lão da cau­sa am­bi­en­tal. E de in­cen­ti­vo ao des­ma­ta­men­to por gru­pos cri­mi­no­sos que ope­ram na re­gião há dé­ca­das: com a cum­pli­ci­da­de dos seus be­ne­fi­ciá­ri­os, os se­to­res pau­ta­dos pe­la con­cep­ção de de­sen­vol­vi­men­to que ca­rac­te­ri­zou a mo­der­ni­za­ção so­ci­al e eco­lo­gi­ca­men­te ul­tra­con­ser­va­do­ra do Bra­sil ru­ral. No âm­bi­to in­ter­na­ci­o­nal, é sin­to­má­ti­co o fa­to de que as crí­ti­cas de ato­res es­ta­tais e não es­ta­tais de­ri­vam do mun­do de­mo­crá­ti­co, en­quan­to o go­ver­no chi­nês se re­ve­la­va so­li­dá­rio – es­cu­da­do co­mo é nu­ma con­cep­ção tra­di­ci­o­nal da so­be­ra­nia , que o pro­te­ge das crí­ti­cas às sis­te­má­ti­cas vi­o­la­ções de di­rei­tos hu­ma­nos.

A de­te­ri­o­ra­ção da Amazô­nia , po­rém, sus­ci­ta ques­tões mais abran­gen­tes so­bre os pro­ces­sos trans­for­ma­do­res que ca­rac­te­ri­zam a nos­sa eco­no­mia po­lí­ti­ca. Quais as ba­ses so­ci­ais e os cri­té­ri­os de le­gi­ti­ma­ção que ser­vem de su­por­te às po­lí­ti­cas em cur­so, de um go­ver­no elei­to le­gi­ti­ma­men­te? Até que pon­to as preferênci­as da so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra au­to­ri­zam a nar­ra­ti­va cli­má­ti­ca ne­ga­ci­o­nis­ta, em con­tra­po­si­ção ao pa­pel que exer­ceu no pe­río­do an­te­ri­or às cri­ses econô­mi­ca e po­lí­ti­ca, qu­an­do se­to­res fun­da­men­tais das eli­tes e da opi­nião pú­bli­ca alavancara­m a ade­são do Es­ta­do bra­si­lei­ro ao con­cei­to de so­be­ra­nia do sé­cu­lo 21 – e tam­bém o de­sem­pe­nho elei­to­ral de Ma­ri­na? Co­mo si­tu­ar uma re­tó­ri­ca que es­tá na con­tra­mão dos in­te­res­ses eco­no­mi­ca­men­te do­mi­nan­tes do ca­pi­ta­lis­mo bra­si­lei­ro, par­ti­cu­lar­men­te os do agro­ne­gó­cio? Se­rão su­fi­ci­en­tes tais de­sas­tres pa­ra re­ver­ter a ati­tu­de to­le­ran­te do nú­cleo di­nâ­mi­co do ca­pi­ta­lis­mo bra­si­lei­ro à po­lí­ti­ca am­bi­en­tal de Bol­so­na­ro?

As crí­ti­cas eu­ro­pei­as ati­va­ram uma re­a­ção nacionalis­ta en­tre os mi­li­ta­res, em con­tras­te com os avan­ços des­ses ato­res na com­pre­en­são da ques­tão cli­má­ti­co-am­bi­en­tal, com a sua pre­sen­ça so­li­dá­ria na re­gião e com a par­ti­ci­pa­ção ati­va de seus qu­a­dros na con­ten­ção de ou­tros de­sas­tres, co­mo o da Amazô­nia Azul. Se­rá is­so um in­di­ca­dor de mu­dan­ça subs­tan­ti­va, mol­da­da por um so­be­ra­nis­mo da­ta­do?

Pa­ra re­gis­trar nos­so viés de es­pe­ran­ça, há si­nais de que as tra­gé­di­as am­bi­en­tais des­te ano con­tri­bu­em pa­ra res­ga­tar as preferênci­as da so­ci­e­da­de por uma con­cep­ção de so­be­ra­nia com­pa­tí­vel com os de­sa­fi­os do sé­cu­lo 21 – aque­la que mi­ra tam­bém o in­te­res­se ge­ral da hu­ma­ni­da­de. A in­ten­sa mo­bi­li­za­ção das ener­gi­as so­ci­ais, nas vá­ri­as fren­tes que par­ti­ci­pam do com­ba­te ao der­ra­ma­men­to de óleo no Nor­des­te – vo­lun­ta­ri­a­do, go­ver­na­do­res, Mi­nis­té­rio Pú­bli­cos lo­cais, co­mu­ni­da­de ci­en­tí­fi­ca, ONGs, mi­li­ta­res – ates­ta is­so.

Os de­sas­tres des­te ano bas­ta­rão pa­ra re­ver­ter a to­le­rân­cia à po­lí­ti­ca am­bi­en­tal de Bol­so­na­ro?

RES­PEC­TI­VA­MEN­TE, CI­EN­TIS­TA PO­LÍ­TI­CA, PES­QUI­SA­DO­RA SÊ­NI­OR DA USP, FOI PRE­SI­DEN­TE DA AS­SO­CI­A­ÇÃO IN­TER­NA­CI­O­NAL DE CI­ÊN­CIA PO­LÍ­TI­CA; E PRO­FES­SOR DE RE­LA­ÇÕES IN­TER­NA­CI­O­NAIS DA UNI­VER­SI­DA­DE DE BRA­SÍ­LIA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.