EX­TIN­ÇÃO DE MU­NI­CÍ­PI­OS

Di­re­ção cor­re­ta

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto -

Den­tre as vá­ri­as pro­pos­tas de re­for­mas en­vi­a­das pe­lo go­ver­no ao Con­gres­so Na­ci­o­nal, a da ex­tin­ção de mu­ni­cí­pi­os com até 5 mil ha­bi­tan­tes é, sem dú­vi­da, das mais re­a­lis­tas e elo­giá­veis. Quem já pas­sou por es­sas ci­da­de­zi­nhas sa­be bem co­mo elas são de­se­nha­das ad­mi­nis­tra­ti­va­men­te: há a tra­di­ci­o­nal pra­ça cen­tral, a igre­ja, a se­de da pre­fei­tu­ra, um pos­to de saú­de com re­cur­sos li­mi­ta­dís­si­mos e uma es­co­la de en­si­no fun­da­men­tal, no má­xi­mo. São mu­ni­cí­pi­os eman­ci­pa­dos so­men­te no pa­pel, uma vez que, na prá­ti­ca, de­pen­dem ope­ra­ci­o­nal­men­te de seus vi­zi­nhos mai­o­res e, fi­nan­cei­ra­men­te, do go­ver­no fe­de­ral, num co­mo­dis­mo iner­ci­al tal que, as­sim, ja­mais cres­ce­rão a pon­to de se tor­na­rem au­tos­sus­ten­tá­veis. Se a po­li­ti­ca­gem ras­tei­ra e os opo­si­to­res de plan­tão não atra­pa­lha­rem mui­to, a apro­va­ção des­sa pro­pos­ta se­rá mais um pas­so na di­re­ção cor­re­ta.

LU­CI­A­NO HARARY

lha­[email protected]­mail.com São Pau­lo

Ca­bi­dões de em­pre­gos

A pro­li­fe­ra­ção de mu­ni­cí­pi­os no Bra­sil é uma ex­cres­cên­cia que afron­ta a Lei de Res­pon­sa­bi­li­da­de Fis­cal. O pa­co­te de me­di­das do go­ver­no pa­ra des­tra­var a eco­no­mia pro­me­te aca­bar com es­sa far­ra do di­nhei­ro pú­bli­co, man­ti­da pe­lo Fun­do de Par­ti­ci­pa­ção dos Mu­ni­cí­pi­os. Es­pe­ra-se apoio da so­ci­e­da­de à pro­pos­ta de ex­tin­ção de mu­ni­cí­pi­os anões de­fi­ci­tá­ri­os e in­ten­sa pres­são po­pu­lar so­bre os par­la­men­ta­res pa­ra aca­bar de vez com es­se ca­bi­dão de em­pre­gos pa­ra pre­fei­tos, ve­re­a­do­res e as­ses­so­res, mui­to bem re­mu­ne­ra­dos, que pou­co fa­zem pe­lo bem-es­tar da po­pu­la­ção.

MAR­COS ABRÃO

[email protected]­ra.com.br São Pau­lo

Cho­que de re­a­li­da­de

Che­ga de po­lí­ti­co com cha­péu na mão pe­din­do ver­bas pa­ra so­bre­vi­vên­cia de seus mu­ni­cí­pi­os. Mes­mo que o pa­co­te do mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des se­ja des­car­ta­do em par­te, ser­vi­rá pa­ra de­mons­trar que o Bra­sil acor­dou, não de­ve so­nhar mais, ne­ces­si­ta de re­a­li­da­de e tra­ba­lho, sob o le­ma de gas­tar só o qu­an­to po­de. JO­SÉ CAR­LOS DE C. CAR­NEI­RO car­nei­[email protected]

Rio Cla­ro

Ou­tro en­fo­que

A pro­pos­ta do go­ver­no de ex­tin

ção dos mu­ni­cí­pi­os com me­nos de 5 mil ha­bi­tan­tes e ar­re­ca­da­ção pró­pria me­nor que 10% do to­tal me pa­re­ce mui­to boa. Mas de­ve, sim, en­fren­tar re­sis­tên­ci­as pa­ra sua apro­va­ção. Por que, em vez dis­so, o pro­je­to não mu­da o en­fo­que? Até há não mui­to tem­po, ne­nhum mu­ni­cí­pio com po­pu­la­ção até bem aci­ma des­sa pa­ga­va aos ve­re­a­do­res e ao vi­ce­pre­fei­to. Por que não se im­põe um li­mi­te mí­ni­mo po­pu­la­ci­o­nal e/ou de ar­re­ca­da­ção pró­pria pa­ra re­mu­ne­rar ve­re­a­do­res e vi­ce­pre­fei­tos, in­cluin­do tam­bém li­mi­tes des­sas re­mu­ne­ra­ções? Afi­nal, há Câmaras Mu­ni­ci­pais que não se reú­nem mais de uma vez por mês e seus edis che­gam a re­ce­ber R$ 3 mil, R$ 4 mil por mês. So­me­mos is­so aos gas­tos com fun­ci­o­ná­ri­os, vi­a­tu­ras, etc... Além dis­so, di­ver­sos mu­ni­cí­pi­os de pe­que­no e mé­dio por­tes au­men­ta­ram o nú­me­ro de ve­re­a­do­res ver­go­nho­sa­men­te.

EL­LIS A. OLIVEIRA

el­lisc­[email protected]­mail.com Cu­nha

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.