ES­QUER­DA JURÁSSICA

’Di­nos­sau­ros em Ha­va­na’

O Estado de S. Paulo - - Espaço aberto -

Que pri­mor o ma­ni­fes­to do

“con­ves­co­te” em Ha­va­na, o en­con­tro an­ti-im­pe­ri­a­lis­ta na se­ma­na pas­sa­da (7/11, A3). Nem a mais fér­til ima­gi­na­ção po­de­ria so­nhar tão al­to co­mo os re­pre­sen­tan­tes das “de­mo­cra­ci­as” ju­rás­si­cas que lá es­ta­vam. Pa­la­vras bo­ni­tas, chei­as de en­tu­si­as­mo e na­ci­o­na­lis­mo, co­mo “ofen­si­va imperial con­ser­va­do­ra”, “vi­das em har­mo­nia com a na­tu­re­za”, “me­di­das em be­ne­fí­cio po­pu­lar” e ou­tras tan­tas. De­mo­cra­cia, en­tão, era pa­la­vra na bo­ca de to­dos, re­pe­ti­da in­con­tá­veis ve­zes. E pa­ra fe­char com cha­ve de ou­ro, co­ro­a­da de ma­gia, o pe­di­do de li­ber­ta­ção do com­pa­nhei­ro Lu­la. Qu­an­to ao as­sas­si­na­to de cen­te­nas de ci­da­dãos cu­ba­nos no pa­re­dón por ide­o­lo­gia po­lí­ti­ca e à mor­te de ou­tros tan­tos ve­ne­zu­e­la­nos por fo­me, ina­ni­ção (co­me­ram até os ani­mais do zo­o­ló­gi­co) e ti­ros, além do ex­ter­mí­nio dos pe­tis­tas bra­si­lei­ros Cel­so Da­ni­el e To­ni­nho de Cam­pi­nas, nes­ses as­sun­tos nin­guém to­cou. Só quem não os co­nhe­ce os com­pra! E daí vem a dú­vi­da: se­ria cô­mi­co se não fos­se trá­gi­co ou se­ria trá­gi­co se não fos­se cô­mi­co?

SO­NIA SIL­VA so­[email protected]­ni­a­sil­va.com.br Cam­pi­nas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.