Pre­va­le­ceu te­se dos di­rei­tos es­cul­pi­dos na Cons­ti­tui­ção

O Estado de S. Paulo - - Política - Ve­ra Che­mim

Ore­sul­ta­do do jul­ga­men­to do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) so­bre a pos­si­bi­li­da­de de pri­são após a con­de­na­ção em se­gun­da ins­tân­cia já era pre­vi­sí­vel, a jul­gar pe­lo per­fil da mai­o­ria dos mi­nis­tros da Cor­te.

Pre­va­le­ceu a te­se da as­cen­dên­cia dos di­rei­tos fun­da­men­tais es­cul­pi­dos no ar­ti­go 5º da Car­ta Mag­na, en­tre eles o ob­je­to do atu­al de­ba­te: o prin­cí­pio de pre­sun­ção de ino­cên­cia, cu­jo pres­su­pos­to é o de que se tra­ta de uma ga­ran­tia não ape­nas cons­ti­tu­ci­o­nal mas igual­men­te le­gal e que se im­põe re­la­ti­va­men­te ao po­der de per­se­cu­ção do Es­ta­do.

O in du­bio pro so­ci­e­ta­te de­ci­di­do em 2016 foi subs­ti­tuí­do, ago­ra, pe­lo in du­bio pro reo.

É im­por­tan­te res­sal­tar que a in­ter­pre­ta­ção ado­ta­da com re­la­ção ao in­ci­so LVII, do ar­ti­go 5º da Cons­ti­tui­ção foi li­te­ral, pre­sa à le­tra da lei, em con­tra­po­si­ção à in­ter­pre­ta­ção ado­ta­da pe­la cor­ren­te mi­no­ri­tá­ria da Cor­te, cu­ja com­pre­en­são re­me­te à lei­tu­ra de ou­tros dis­po­si­ti­vos que de­fi­nem o sen­ti­do e al­can­ce da pre­sun­ção de ino­cên­cia. Pa­ra es­sa cor­ren­te que saiu der­ro­ta­da do jul­ga­men­to de on­tem, a ino­cên­cia do réu se es­va­zia com o jul­ga­men­to das ques­tões de mé­ri­to re­e­xa­mi­na­das por um co­le­gi­a­do de se­gun­da ins­tân­cia.

A des­pei­to de tais di­ver­gên­ci­as há que se re­co­nhe­cer a ne­ces­si­da­de de man­ter a for­ça nor­ma­ti­va da Cons­ti­tui­ção bra­si­lei­ra que só se efe­ti­va­rá com a per­cep­ção da re­a­li­da­de em que se en­con­tra in­se­ri­da pa­ra a sua de­vi­da “con­cre­ti­za­ção” e con­se­quen­te “atu­a­li­za­ção”.

Con­rad Hes­se ob­ser­va que a for­ma­ção do juí­zo do Tri­bu­nal da Ale­ma­nha em sua prá­ti­ca re­cen­te tem to­ma­do de­ci­sões “em que a aná­li­se cui­da­do­sa e pro­fun­da da re­a­li­da­de de­sem­pe­nha, com to­da ra­zão, um pa­pel de­ci­si­vo”.

Daí o cui­da­do de um tri­bu­nal su­pe­ri­or não ser as­som­bra­do por de­ci­sões gui­a­das por um “po­si­ti­vis­mo acrí­ti­co ou no ou­tro ex­tre­mo, ape­nas por “va­lo­res”, aler­ta Hes­se.

É AD­VO­GA­DA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.