STF ti­ra si­gi­lo de gas­tos da Pre­si­dên­cia

De­ci­são do Su­pre­mo der­ru­ba ar­ti­go de de­cre­to da épo­ca da di­ta­du­ra que bar­ra­va a di­vul­ga­ção das des­pe­sas com os car­tões cor­po­ra­ti­vos

O Estado de S. Paulo - - Política - Pau­lo Ro­ber­to Net­to Ra­fa­el Mo­ra­es Mou­ra / BRA­SÍ­LIA

O Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) der­ru­bou um ar­ti­go de de­cre­to mi­li­tar de 1967, que pre­via si­gi­lo dos gas­tos pre­si­den­ci­ais. A ação foi apre­sen­ta­da em 2008, ano mar­ca­do pe­lo escândalo dos car­tões cor­po­ra­ti­vos no go­ver­no de Luiz Iná­cio Lu­la da Sil­va, e ques­ti­o­na­va a fal­ta de pu­bli­ci­da­de nas des­pe­sas do Pa­lá­cio do Pla­nal­to, prá­ti­ca man­ti­da até ho­je.

A de­ci­são que te­rá im­pac­to so­bre os car­tões cor­po­ra­ti­vos foi to­ma­da pe­lo ple­ná­rio vir­tu­al do Su­pre­mo, por seis vo­tos a cin­co. Vo­ta­ram pe­la pro­ce­dên­cia da ação os mi­nis­tros Luiz Fux, Cel­so de Mel­lo, Mar­co Au­ré­lio Mel­lo, Ri­car­do Lewan­dows­ki, Cár­men Lú­cia, acom­pa­nhan­do a po­si­ção do re­la­tor, Ed­son Fa­chin. As ma­ni­fes­ta­ções con­trá­ri­as fo­ram do pre­si­den­te da Cor­te, Di­as Tof­fo­li, e dos mi­nis­tros Gil­mar Men­des, Ale­xan­dre de Mo­ra­es, Luís Ro­ber­to Bar­ro­so e Ro­sa We­ber.

O pro­ces­so foi mo­vi­do pe­lo an­ti­go Par­ti­do Po­pu­lar So­ci­a­lis­ta (PPS), ho­je Ci­da­da­nia. “Caiu um dos úl­ti­mos en­tu­lhos da di­ta­du­ra”, dis­se ao Es­ta­do o pre­si­den­te do Ci­da­da­nia, Ro­ber­to Frei­re. “Nós en­tra­mos no Su­pre­mo pa­ra di­zer que aque­la lei da di­ta­du­ra – uti­li­za­da por Lu­la pa­ra de­cre­tar o si­gi­lo dos car­tões cor­po­ra­ti­vos e man­ti­da até ho­je – não po­de­ria ser re­cep­ci­o­na­da pe­la Cons­ti­tui­ção de 1988”.

A ação mo­vi­da pe­la si­gla ale­gou que o si­gi­lo vi­o­la­va a Cons­ti­tui­ção, que pre­vê a pu­bli­ci­da­de dos atos pú­bli­cos do go­ver­no co­mo re­gra. De acor­do com o pro­ces­so, em ca­sos em que fos­se ne­ces­sá­rio o si­gi­lo cons­ti­tu­ci­o­nal, co­mo ques­tões que en­vol­vem a se­gu­ran­ça na­ci­o­nal, tal ação de­ve­ria ser fun­da­men­ta­da. O par­ti­do tra­tou a lei mi­li­tar co­mo “ní­ti­da ofen­sa ao prin­cí­pio da pu­bli­ci­da­de”.

Da­dos do Por­tal da Trans­pa­rên­cia in­di­cam que a Se­cre­ta­ria de Ad­mi­nis­tra­ção da Pre­si­dên­cia

gas­tou R$ 4.649.787,28 des­de o iní­cio da ges­tão do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. Tra­ta-se da mai­or des­pe­sa pa­ra o pe­río­do, des­de 2014. Des­te to­tal, R$ 4,5 mi­lhões (97%) es­tão sob si­gi­lo e não há de­ta­lha­men­to dos gas­tos. Os va­lo­res es­tão cor­ri­gi­dos pe­la in­fla­ção.

Bol­so­na­ro já ace­nou com a pos­si­bi­li­da­de de le­van­tar o si­gi­lo de su­as des­pe­sas pes­so­ais com o car­tão. A equi­pe do pre­si­den­te che­gou a co­gi­tar a ex­tin­ção do car­tão, mas de­sis­tiu.

Em 2008, qu­an­do a ação foi le­va­da ao Su­pre­mo, o en­tão pre­si­den­te Lu­la es­ta­va às vol­tas com o escândalo dos car­tões cor­po­ra­ti­vos. O Es­ta­do re­ve­lou, em ja­nei­ro da­que­le ano, que a União ha­via re­gis­tra­do au­men­to de 129% com es­sa mo­da­li­da­de de gas­tos, em 2007.

CPI. O ca­so im­pul­si­o­nou a aber­tu­ra de uma Co­mis­são Par­la­men­tar de Inqué­ri­to (CPI) no Con­gres­so pa­ra in­ves­ti­gar pos­sí­veis ir­re­gu­la­ri­da­des no uso do di­nhei­ro pú­bli­co e le­vou à que­da da en­tão mi­nis­tra de Igual­da­de Ra­ci­al, Ma­til­de Ri­bei­ro.

O car­tão cor­po­ra­ti­vo é usa­do por ser­vi­do­res do go­ver­no, in­cluin­do o pró­prio pre­si­den­te, com a fi­na­li­da­de de fa­ci­li­tar o pa­ga­men­to de pe­que­nas des­pe­sas ou da­que­las que de­vam ser pa­gas no ato da com­pra, co­mo as re­a­li­za­das du­ran­te vi­a­gens. Gas­tos do ocu­pan­te do Pa­lá­cio do Pla­nal­to, no en­tan­to, são pos­tos em si­gi­lo sob a jus­ti­fi­ca­ti­va de “se­gu­ran­ça na­ci­o­nal”.

A Ad­vo­ca­cia-Ge­ral da União (AGU) foi pro­cu­ra­da, mas não ha­via se ma­ni­fes­ta­do até o en­cer­ra­men­to des­ta re­por­ta­gem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.