UMA CI­DA­DE ON­DE TU­DO É DUPLICADO

Após 30 anos, ca­pi­tal ale­mã tem dois zo­o­ló­gi­cos, du­as tor­res de TV e dois ti­mes de fu­te­bol

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - An­toi­ne Be­lhas­sen FRAN­CE PRESSE / BER­LIM

Dois zo­o­ló­gi­cos, dois ae­ro­por­tos, dois ti­mes de fu­te­bol: Ber­lim ain­da tem tu­do duplicado, mes­mo 30 anos após a que­da do mu­ro. “Na Gu­er­ra Fria, as du­as par­tes se en­fren­ta­vam por meio de sua ca­pa­ci­da­de de re­cons­truir Ber­lim me­lhor e o mais rá­pi­do pos­sí­vel”, dis­se Han­no Ho­ch­muth, pes­qui­sa­dor do Ins­ti­tu­to de His­tó­ria Con­tem­po­râ­nea de Pots­dam.

No que era Ber­lim Ori­en­tal con­ti­nua exis­tin­do o mai­or zo­o­ló­gi­co da Eu­ro­pa, o Ti­er­park, cri­a­do em 1955 pa­ra com­pe­tir com seu vi­zi­nho ri­co, o Zo­o­lo­gis­cher Gar­ten, fun­da­do em 1844. No au­ge, o zo­o­ló­gi­co co­mu­nis­ta ti­nha mais de 120 es­pé­ci­es, par­te vin­da de paí­ses do Les­te. Des­de a reu­ni­fi­ca­ção, os dois par­ques ten­tam co­o­pe­rar da for­ma mais pró­xi­ma pos­sí­vel.

Ou­tra dis­pu­ta foi pe­las tor­res de TV. Ber­lim Ori­en­tal tem a Fern­seh­turm, que do­mi­na Ale­xan­der­platz e se tor­nou pon­to tu­rís­ti­co des­de sua cons­tru­ção, em 1969. Mas sua ar­qui­te­tu­ra foi du­ran­te mui­to tem­po um ins­tru­men­to de pro­pa­gan­da. “O blo­co so­vié­ti­co ten­ta­va mos­trar de to­das as for­mas seus gran­des avan­ços. Não é à toa que a for­ma da Fern­seh­turm pa­re­ce o Sput­nik (na­ve es­pa­ci­al so­vié­ti­ca)”, diz Ho­ch­muth. A antena de 368 me­tros emi­te on­das de rá­dio, di­fe­ren­te­men­te de sua ir­mã me­nor, a Ber­li­ner Funk­turm, a oes­te do bair­ro de Wes­tend. As­sim co­mo a Fern­seh­turm, a “pe­que­na tor­re” de aço de 150 me­tros de al­tu­ra tem ho­je um res­tau­ran­te.

A reu­ni­fi­ca­ção tam­bém ren­deu à ci­da­de três ópe­ras. A re­no­va­ção da Deuts­che Oper, par­ci­al­men­te des­truí­da na 2.ª Gu­er­ra, ter­mi­nou em 1961, seis se­ma­nas após a inau­gu­ra­ção do mu­ro. É a úni­ca ópe­ra do la­do oci­den­tal e se trans­for­mou em um dos pon­tos cul­tu­rais mais im­por­tan­tes da an­ti­ga Ale­ma­nha Oci­den­tal. Ho­je, ela con­vi­ve com ou­tras du­as sa­las: a Sta­at­so­per, na fa­mo­sa Ave­ni­da Un­ter den Lin­den, di­ri­gi­da por Da­ni­el Ba­ren­boim, e a Ópe­ra Cô­mi­ca.

Quem tam­bém aguar­da a reu­ni­fi­ca­ção são os ae­ro­por­tos. O de Schö­ne­feld, no la­do ori­en­tal, uniu al­gu­mas pis­tas com um ae­ró­dro­mo. No la­do oci­den­tal, o Te­gel subs­ti­tuiu o Tem­pe­lhof, trans­for­ma­do há pou­co tem­po em par­que. Os dois ae­ro­por­tos ain­da ati­vos aguar­dam a inau­gu­ra­ção do ae­ro­por­to WillyB­randt, pre­vis­ta pa­ra 2020.

2.

A di­vi­são tam­bém ocor­re nos gra­ma­dos. Es­te ano, pe­la pri­mei­ra vez, o Uni­on Ber­lim, cri­a­do em 1966 no la­do ori­en­tal, su­biu pa­ra a pri­mei­ra di­vi­são do fu­te­bol ale­mão. O clu­be diz que de­fen­de uma tra­di­ção ope­rá­ria de va­lo­res an­ti­fas­cis­tas. O clás­si­co con­tra o ri­val do la­do oci­den­tal, o Hertha Ber­lim – fun­da­do em 1892 –, foi dis­pu­ta­do pe­la pri­mei­ra vez na se­ma­na pas­sa­da. O derby foi ven­ci­do pe­lo Uni­on Ber­lin (1 a 0) e pre­ci­sou ser in­ter­rom­pi­do em ra­zão das hos­ti­li­da­des en­tre as tor­ci­das. O jo­go foi dis­pu­ta­do no pe­que­no es­tá­dio do Uni­on, a Al­te Förs­te­rei, de 22 mil lu­ga­res. Os dois ti­mes se en­fren­ta­rão de no­vo no re­tur­no, em 2020, no imen­so Es­tá­dio Olím­pi­co, de 75 mil lu­ga­res, on­de o Hertha man­da su­as partidas.

HAYOUNG JEON/EFE-2/11/2019

1.

GER­MANY-MER­KEL/ REU­TERS-28/05/2013

1. Ri­va­li­da­de. Clás­si­co en­tre Uni­on Ber­lin e Hertha Ber­lin foi in­ter­rom­pi­do por hos­ti­li­da­des

FABRIZIO BENSCH/REU­TERS-15/03/2019

2. Sím­bo­lo Tor­re de TV Fern­seh­turm, em Ber­lim, ho­je abri­ga um res­tau­ran­te 3. Gi­gan­te Zo­o­ló­gi­co Ti­er­park foi cri­a­do pa­ra com­pe­tir com o do vi­zi­nho ri­co

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.