Ale­mães dis­cor­dam do sig­ni­fi­ca­do de reu­ni­fi­ca­ção

Trin­ta anos após que­da do Mu­ro de Ber­lim, 47% dos ale­mães-ori­en­tais se iden­ti­fi­cam pri­mei­ro co­mo sen­do do les­te, pro­por­ção mais al­ta que na épo­ca do co­lap­so do co­mu­nis­mo

O Estado de S. Paulo - - Internacio­nal - / TRA­DU­ÇÃO DE RO­BER­TO MUNIZ

Em 9 de no­vem­bro de 1989, en­quan­to o Mu­ro de Ber­lim caía, Hans-Jo­a­chim Bin­der tra­ba­lha­va na mi­na de po­tas­sa de Bis­chof­fe­ro­de, cidadezinh­a da Ale­ma­nha Ori­en­tal. Ele não ti­nha ideia do que es­ta­va acon­te­cen­do. O pri­mei­ro si­nal foi qu­an­do a mai­o­ria dos co­le­gas de­sa­pa­re­ceu pa­ra che­car o que se pas­sa­va na fron­tei­ra com a Ale­ma­nha Oci­den­tal, a dez mi­nu­tos de car­ro. Só três vol­ta­ram pa­ra ter­mi­nar o plan­tão.

Um ano de­pois, a Ale­ma­nha es­ta­va reu­ni­fi­ca­da. Mas, di­fe­ren­te­men­te de qual­quer ou­tro país já li­ber­ta­do da ti­ra­nia, a po­pu­la­ção in­tei­ra ga­nhou ci­da­da­nia em uma ri­ca de­mo­cra­cia. Em um gesto de bo­as-vin­das, o chan­ce­ler oci­den­tal, Hel­mut Kohl, trans­for­mou a pou­pan­ça sem va­lor dos ori­en­tais em moeda for­te, na ab­sur­da co­ta­ção de um mar­co ale­mão oci­den­tal por um ori­en­tal.

Mais de 1 mi­lhão de ori­en­tais apro­vei­ta­ram a li­ber­da­de pa­ra se mu­dar pa­ra o la­do oci­den­tal, on­de a mai­o­ria pros­pe­rou. Mas, pa­ra os que fi­ca­ram, os úl­ti­mos 30 anos têm si­do uma mis­tu­ra de pro­gres­so e de­sa­pon­ta­men­to. O mal cau­sa­do por qua­tro dé­ca­das de opres­são não po­de ser des­fei­to da noi­te pa­ra o dia. Uma po­pu­la­ção cres­ci­da em uma so­ci­e­da­de na qual a ini­ci­a­ti­va era es­ma­ga­da te­ve de se adap­tar re­pen­ti­na­men­te ao ca­pi­ta­lis­mo. Mui­tos não con­se­gui­ram. Bin­der foi de­mi­ti­do, co­mo mi­lha­res de ou­tros que an­tes ti­nham em­pre­gos se­gu­ros, mo­nó­to­nos e im­pro­du­ti­vos ban­ca­dos pe­lo Es­ta­do.

Não hou­ve guia pa­ra a ab­sor­ção dos ori­en­tais. Po­lí­ti­cas sem­pre fo­ram al­vo de dis­cus­sões, mas a sur­pre­sa é a ve­lo­ci­da­de com que os de­ba­tes fo­ram re­to­ma­dos. Jor­nais e re­vis­tas es­tão chei­os de re­a­va­li­a­ções da reu­ni­fi­ca­ção.

Nun­ca an­tes a Ale­ma­nha de­ba­teu o te­ma com tal vi­gor. Por quê?

Pa­ra mui­tos, o de­ba­te su­biu de tom qua­tro anos atrás, com a cri­se dos imi­gran­tes. Pe­tra Köp­ping, mi­nis­tra da In­te­gra­ção da Saxô­nia, um dos cin­co Es­ta­dos ori­en­tais es­ta­be­le­ci­dos com a reu­ni­fi­ca­ção, diz que, qu­an­do ten­ta ex­pli­car a seus elei­to­res por que o Es­ta­do aju­da re­fu­gi­a­dos, al­guns pe­dem que, pri­mei­ro, o go­ver­no com­ple­te a in­te­gra­ção. Mui­tos ori­en­tais re­cla­mam de re­cur­sos pa­ra os re­cém-che­ga­dos qu­an­do eles pró­pri­os se sen­tem aban­do­na­dos.

“A cri­se dos re­fu­gi­a­dos só de­sen­ca­de­ou uma mu­dan­ça mais pro­fun­da”, diz Ch­ris­ti­an Hir­te, co­mis­sá­rio do go­ver­no pa­ra o les­te da Ale­ma­nha. Uma ideia, le­van­ta­da pe­la chan­ce­ler An­ge­la Mer­kel, é que o les­te vi­ve uma ex­pe­ri­ên­cia com­pa­rá­vel à da Ale­ma­nha Oci­den­tal

em 1968, qu­an­do os fi­lhos for­ça­ram os pais a pres­tar con­tas de su­as ati­vi­da­des no pe­río­do na­zis­ta. Ago­ra, jo­vens ori­en­tais co­bram ex­pli­ca­ções so­bre o que ocor­reu na reu­ni­fi­ca­ção. “Fe­ri­das an­ti­gas fo­ram es­con­di­das, por­que as pes­so­as bus­ca­vam um lu­gar na no­va so­ci­e­da­de”, diz Stef­fen Mau, da Uni­ver­si­da­de Hum­boldt.

“Após 1990, a vi­da mu­dou pa­ra os ale­mães-ori­en­tais”, diz Mar­kus Ker­ber, se­cre­tá­rio do Mi­nis­té­rio do In­te­ri­or. Era ine­vi­tá­vel o so­fri­men­to no cur­to pra­zo. A pro­du­ti­vi­da­de mé­dia no les­te era 30% da oci­den­tal. A de­ci­são de Kohl de dar ao mar­co ori­en­tal a mes­ma co­ta­ção do oci­den­tal ti­rou da com­pe­ti­ção em­pre­sas ori­en­tais do dia pa­ra a noi­te. As que so­bre­vi­ve­ram lu­ta­ram com as re­gras oci­den­tais pa­ra im­por­tar no ata­ca­do. Se­gun­do es­ti­ma­ti­va, 80% dos ori­en­tais fi­ca­ram sem em­pre­go.

Köp­ping diz que ho­je os ale­mães ori­en­tais ocu­pam ape­nas 4% dos em­pre­gos de pon­ta no les­te. Mui­tos pa­gam alu­guel a oci­den­tais, do­nos dos imó­veis dis­po­ní­veis. “Às ve­zes, os ori­en­tais se sen­tem go­ver­na­dos por ou­tros, não por si mes­mos”, diz Kla­ra Geywitz, lí­der so­ci­al-de­mo­cra­ta.

Os ori­en­tais tam­bém não con­quis­ta­ram o po­der – Mer­kel é uma ex­ce­ção. Pre­o­cu­pan­do-se pou­co com su­as ori­gens, ela ul­ti­ma­men­te co­me­çou a re­fle­tir so­bre o le­ga­do da reu­ni­fi­ca­ção. “To­dos pre­ci­sa­mos en­ten­der que, pa­ra mui­tos ori­en­tais, a uni­da­de nem sem­pre foi uma ex­pe­ri­ên­cia po­si­ti­va”, dis­se.

Ou­tro obs­tá­cu­lo é que os ale­mães ve­em a reu­ni­fi­ca­ção de mo­do di­fe­ren­te. Me­ta­de con­si­de­ra que o les­te vi­rou um su­ces­so. Dois ter­ços dos ori­en­tais dis­cor­dam. Re­cen­te­men­te, sur­giu a ideia de que o les­te era ce­lei­ro de ne­o­na­zis­tas, im­pul­si­o­na­do pe­lo su­ces­so lo­cal da Al­ter­na­ti­va pa­ra a Ale­ma­nha (AfD), par­ti­do de ex­tre­ma di­rei­ta. No­tí­ci­as do les­te são com frequên­cia li­das co­mo des­pa­chos de uma ter­ra exó­ti­ca, on­de a ex­tre­ma di­rei­ta marcha nas ru­as ou ba­te em imi­gran­tes.

Tais ava­li­a­ções ig­no­ram os avan­ços do les­te. Os ci­da­dãos fo­ram li­ber­ta­dos da humilhação, po­dem es­co­lher seus lí­de­res, dar opi­nião e vi­a­jar. Eco­no­mi­ca­men­te, a vi­da me­lho­rou. Al­gu­mas re­giões ori­en­tais têm pa­drões oci­den­tais. A mo­vi­men­ta­ção de US$ 2,2 tri­lhões en­tre oes­te e les­te re­du­ziu o abis­mo da in­fra­es­tru­tu­ra. Os sa­lá­ri­os no les­te são 85% dos pa­gos no oes­te e o cus­to de vi­da é mais bai­xo. Se­gun­do o ins­ti­tu­to Al­lens­ba­ch, 53% dos ale­mães do les­te es­tão sa­tis­fei­tos com a si­tu­a­ção econô­mi­ca pes­so­al, mes­ma por­cen­ta­gem do oes­te.

Mas tal­vez a com­pa­ra­ção mais cor­re­ta se­ja com paí­ses que se li­vra­ram do co­mu­nis­mo. O cres­ci­men­to per ca­pi­ta da ve­lha Ale­ma­nha Ori­en­tal su­pe­rou o da mai­o­ria dos paí­ses da Eu­ro­pa Ori­en­tal. No en­tan­to, se os ori­en­tais nem sem­pre se en­tu­si­as­mam com a sor­te é por­que a re­fe­rên­cia tem si­do Ham­bur­go e Mu­ni­que, não Bra­tis­la­va ou Bu­da­pes­te.

Im­plí­ci­to na pro­mes­sa de reu­ni­fi­ca­ção es­ta­va o com­pro­mis­so de que os ori­en­tais te­ri­am o que por tan­to tem­po in­ve­ja­ram – pa­co­tes de ca­fé e do­ces, bens aces­sí­veis ape­nas aos que dis­pu­nham de moeda for­te. Em 1990, Kohl pro­me­teu “pai­sa­gens pa­ra­di­sía­cas”, mas en­tre­gou ape­nas de­sin­dus­tri­a­li­za­ção e de­sem­pre­go. “Qu­an­do Kohl vol­tou, qua­tro anos de­pois, fo­ram pre­ci­sos guar­da-chu­vas pa­ra pro­te­gê-lo de ovos e to­ma­tes”, lem­bra Kurt Ul­ri­ch Mayer, mem­bro da União De­mo­cra­ta-cris­tã (CDU), par­ti­do de Kohl, na Saxô­nia.

Pa­ra mui­tos, o me­lhor mo­do de se che­gar ao ní­vel de vi­da oci­den­tal foi se mu­dar pa­ra o oes­te. Mais de um quar­to de ori­en­tais en­tre 18 e 30 anos fez is­so. A imi­gra­ção em mas­sa de jo­vens cau­sou uma que­da de nas­ci­men­tos e um nú­me­ro des­pro­por­ci­o­nal de ido­sos. Des­de 1990, o nú­me­ro de pes­so­as com mais de 60 anos au­men­tou pa­ra 1,3 mi­lhão, mes­mo com a po­pu­la­ção di­mi­nuin­do 2,2 mi­lhões.

O com­pro­mis­so de igual­da­de pa­re­ce ina­tin­gí­vel. O go­ver­no ten­ta aju­dar, mas o in­ves­ti­men­to não con­te­ve o de­clí­nio de­mo­grá­fi­co. O qua­dro é mais oti­mis­ta em al­gu­mas ci­da­des: Pots­dam, Je­na

e Dres­den têm cen­tros in­dus­tri­ais e mo­ra­dia ba­ra­ta. Leip­zig vem cres­cen­do há anos. Mas es­se mo­vi­men­to tem ti­ra­do pes­so­as ca­pa­ci­ta­das de pe­que­nas ci­da­des que lu­tam pa­ra so­bre­vi­ver. “Iden­ti­da­de é a cha­ve pa­ra se en­ten­der o les­te da Ale­ma­nha”, diz Fran­zis­ka Schu­bert, de­pu­ta­da da Saxô­nia.

Ho­je, 47% dos ale­mães-ori­en­tais se iden­ti­fi­cam pri­mei­ro co­mo sen­do do les­te e, de­pois, da Ale­ma­nha, uma pro­por­ção mais al­ta que na épo­ca da reu­ni­fi­ca­ção. A AfD tem ex­plo­ra­do es­sas par­ti­cu­la­ri­da­des. Com slo­gans co­mo “O les­te vol­ta a se le­van­tar”, o par­ti­do te­ve mais de 20% dos vo­tos na Tu­rín­gia, em ou­tu­bro. Mas a iden­ti­da­de ori­en­tal não ser­ve ape­nas pa­ra pre­ser­var ex­tre­mos. Mui­tos jo­vens ori­en­tais de­sen­vol­ve­ram uma iden­ti­da­de pró­pria após se­rem re­ce­bi­dos com zom­ba­ria do ou­tro la­do.

Matthi­as Plat­zeck, che­fe da co­mis­são do 30.º ani­ver­sá­rio da reu­ni­fi­ca­ção, es­pe­ra o sur­gi­men­to no les­te de uma sau­dá­vel au­to­con­fi­an­ça, cal­ca­da em his­tó­ri­as de su­ces­so. O le­ma da co­mis­são é “o mí­ni­mo de ce­le­bra­ção ne­ces­sá­rio, o má­xi­mo de dis­cus­são pos­sí­vel”. E, des­de que o mu­ro caiu, nin­guém mais foi pa­ra a ca­deia por de­ba­ter.

Se os ori­en­tais se quei­xam da sor­te é por­que a re­fe­rên­cia tem si­do Ham­bur­go e Mu­ni­que, não Bra­tis­la­va ou Bu­da­pes­te

FABRIZIO BENSCH/REU­TERS

Lem­bran­ça. Me­mo­ri­al do mu­ro per­to de tú­nel usa­do em fu­gas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.