Câ­ma­ra apro­va ve­to a co­po de plás­ti­co em bar

Se san­ci­o­na­da, me­di­da pas­sa­rá a va­ler em 2021 e po­de­rá ren­der mul­ta de R$ 1 mil pa­ra co­mér­cio que não se ade­quar

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Bru­no Ri­bei­ro Gil­ber­to Amen­do­la

Os ve­re­a­do­res de São Pau­lo apro­va­ram pro­je­to de lei, em vo­ta­ção fi­nal, que proí­be ba­res, ho­téis, res­tau­ran­tes e ou­tros es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais de dis­tri­buí­rem uten­sí­li­os de plás­ti­co de uso úni­co. As­sim, ta­lhe­res, co­pos e pra­tos de plás­ti­co des­car­tá­veis não po­de­rão ser mais usa­dos e de­vem ser tro­ca­dos por uten­sí­li­os de ma­te­ri­al bi­o­de­gra­dá­vel ou re­ci­clá­vel. O tex­to vai pa­ra san­ção do pre­fei­to Bru­no Co­vas (PSDB).

O pro­je­to ha­via si­do apro­va­do em pri­mei­ro tur­no em abril e na se­gun­da vo­ta­ção te­ve uma al­te­ra­ção: an­tes pre­vis­ta pa­ra va­ler ime­di­a­ta­men­te, a re­gra ago­ra só ren­de­rá pu­ni­ção ao co­mér­cio em ja­nei­ro de 2021.

A al­te­ra­ção foi su­ges­tão do pró­prio au­tor do pro­je­to, ve­re­a­dor Xe­xéu Trí­po­li (PV), que já ha­via si­do res­pon­sá­vel pe­la lei que proí­be ca­nu­dos plás­ti­cos. O en­ten­di­men­to foi o de que era pre­ci­so mais pra­zo pa­ra o mer­ca­do se adap­tar às re­gras.

A lei pre­vê ad­ver­tên­cia pa­ra o es­ta­be­le­ci­men­to que man­ter o for­ne­ci­men­to dos uten­sí­li­os de plás­ti­co. No se­gun­do fla­gran­te, a mul­ta pre­vis­ta é de R$ 1 mil. O va­lor do­bra na se­gun­da au­tu­a­ção e vai pro­gre­din­do até a sex­ta au­tu­a­ção, qu­an­do o es­ta­be­le­ci­men­to po­de so­frer fe­cha­men­to ad­mi­nis­tra­ti­vo.

As for­mas de fis­ca­li­za­ção se­rão de­fi­ni­das pe­la Pre­fei­tu­ra, ca­so a lei se­ja san­ci­o­na­da, por meio de de­cre­to mu­ni­ci­pal. Co­vas já ha­via si­na­li­za­do apoio à me­di­da. Por in­ter­mé­dio de Trí­po­li, o pre­fei­to as­si­nou um com­pro­mis­so in­ter­na­ci­o­nal de ba­nir es­ses ma­te­ri­ais da ci­da­de.

Em ju­nho, a Pre­fei­tu­ra de­ter­mi­nou a proi­bi­ção de ca­nu­dos plás­ti­cos em es­ta­be­le­ci­men­tos co­mer­ci­ais. Me­di­da se­me­lhan­te foi to­ma­da um ano an­tes pe­la pre­fei­tu­ra do Rio, pri­mei­ra ca­pi­tal do País a ado­tar a res­tri­ção.

Pro­cu­ra­da on­tem, a Pre­fei­tu­ra de São Pau­lo não in­for­mou se vai ou não san­ci­o­nar a lei.

Pre­si­den­te da se­ção pau­lis­ta da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Ba­res e Res­tau­ran­tes (Abra­sel), Per­ci­val Ma­ri­ca­to elo­gia a pro­pos­ta. “Tra­ta-se de um es­for­ço vá­li­do pe­lo meio am­bi­en­te. O im­pac­to econô­mi­co se­rá mui­to bai­xo. Não se­rá sig­ni­fi­ca­ti­vo. Além dis­so, a lei pre­vê um pra­zo ra­zoá­vel de adap­ta­ção, até 2021. Vai per­mi­tir que ba­res e res­tau­ran­tes ter­mi­nem com seus es­to­ques e fa­çam as ade­qua­ções ne­ces­sá­ri­as”, afir­ma.

Mes­mo sem a proi­bi­ção, al­guns es­ta­be­le­ci­men­tos da ci­da­de já abo­li­ram o plás­ti­co. É o ca­so do Te­va, res­tau­ran­te ve­ga­no ca­ri­o­ca que es­tá em São Pau­lo há apro­xi­ma­da­men­te 6 me­ses. Des­de sua inau­gu­ra­ção, é um res­tau­ran­te li­vre de plás­ti­cos. O es­ta­be­le­ci­men­to não usa ca­nu­dos de plás­ti­co nem gar­ra­fas de água (tan­to a na­tu­ral qu­an­to a com gás sa­em fil­tra­das da tor­nei­ra). Pe­la mes­ma ra­zão, não ofe­re­ce cer­ve­ja, ape­nas cho­pe.

Na ci­da­de.

Na co­zi­nha, o plás­ti­co tam­bém não é uti­li­za­do pa­ra se­pa­rar ali­men­tos. “Sem dú­vi­da, há um au­men­to de cus­tos e, por is­so, não jul­go ou­tros res­tau­ran­tes. Mas a gen­te pre­ci­sa pen­sar no fu­tu­ro, no meio am­bi­en­te e não só no bu­si­ness. Nos­sa pos­tu­ra ge­ra uma ad­mi­ra­ção pe­la mar­ca, um va­lor não tan­gí­vel”, dis­se o pro­pri­e­tá­rio e che­fe do Te­va, Da­ni­el Bi­ri­on.

Mag­no Bo­te­lho, bió­lo­go e es­pe­ci­a­lis­ta em meio am­bi­en­te da Uni­ver­si­da­de Pres­bi­te­ri­a­na Mac­ken­zie, faz res­sal­vas so­bre os efei­tos prá­ti­cos da me­di­da.

“Sou am­bi­en­ta­lis­ta e a fa­vor da re­du­ção do con­su­mo de plás­ti­co, mas não podemos ter com­por­ta­men­to de manada. É pre­ci­so re­fle­tir so­bre o te­ma. Nes­te ca­so, a proi­bi­ção não é re­le­van­te pa­ra o meio am­bi­en­te. O pro­ble­ma do plás­ti­co é o seu des­car­te. A mai­o­ria dos res­tau­ran­te já faz o des­car­te em ater­ros ou re­ci­cla o ma­te­ri­al”, ar­gu­men­ta.

“Subs­ti­tuir o plás­ti­co por ou­tro ma­te­ri­al vai ge­rar mais gas­tos com água e de­ter­gen­te pa­ra lim­pe­za – e, con­se­quen­te­men­te, cau­sar im­pac­to ao meio am­bi­en­te”, diz Bo­te­lho.

VA­LE­RIA GONCALVEZ/ESTADÃO – 15/2/2008

Res­tau­ran­tes te­rão mais de um ano pa­ra se adap­tar

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.