Se­cre­tá­rio cri­ti­ca mo­ra­tó­ria da so­ja

Re­pre­sen­tan­te da Ca­sa Ci­vil si­na­li­za apoio a pro­du­to­res con­tra res­tri­ção na Amazô­nia

O Estado de S. Paulo - - Metrópole - Gi­o­va­na Gi­rar­di

Re­pre­sen­tan­tes do se­tor de pro­du­ção de so­ja re­ce­be­ram si­na­li­za­ção po­si­ti­va do se­cre­tá­rio es­pe­ci­al da Ca­sa Ci­vil pa­ra Re­la­ci­o­na­men­to Ex­ter­no, Abe­lar­do Lu­pi­on, na ar­ti­cu­la­ção pa­ra ten­tar re­ver a mo­ra­tó­ria da so­ja. Es­se acor­do, fir­ma­do en­tre em­pre­sas do agro­ne­gó­cio em 2006, pre­vê não com­prar o pro­du­to qu­an­do plan­ta­do em áre­as des­ma­ta­das e é con­si­de­ra­do um me­ca­nis­mo im­por­tan­te pa­ra con­ter o avanço do des­ma­ta­men­to na Amazô­nia.

Após reu­nião no fim de ou­tu­bro no Mi­nis­té­rio da Ca­sa Ci­vil com lí­de­res da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra de Pro­du­to­res de So­ja (Apro­so­ja), Lu­pi­on afir­mou, em ví­deo, dar apoio à rei­vin­di­ca­ção da en­ti­da­de. Ques­ti­o­na­do so­bre se o go­ver­no es­tá to­man­do pro­vi­dên­ci­as pa­ra re­ver a mo­ra­tó­ria, ele dis­se que vai “aca­bar com es­sa pa­lha­ça­da que a Abi­o­ve (As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra das In­dús­tri­as de Óle­os Ve­ge­tais) es­tá fa­zen­do”, em re­fe­rên­cia à op­ção de cum­prir o pac­to. Ain­da dis­se que iria “pa­ra ci­ma do CPF das em­pre­sas”.

Pro­cu­ra­do, o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra dis­se que não se ma­ni­fes­ta­ria, por se tra­tar de “as­sun­to pri­va­do”. E a Ca­sa Ci­vil con­fir­mou ape­nas que “es­tá pre­vis­ta pa­ra a se­ma­na que vem reu­nião a res­pei­to” no mi­nis­té­rio. O go­ver­no não tem a prer­ro­ga­ti­va de aca­bar com a mo­ra­tó­ria, mas te­ve pa­pel im­por­tan­te na ar­ti­cu­la­ção fei­ta em 2006 pa­ra tor­nar o pac­to pos­sí­vel.

Pre­si­den­te da Apro­so­ja Bra­sil, Bartolomeu Braz afir­mou ao Es­ta­do que a Abi­o­ve faz “re­ser­va de mer­ca­do” ao não com­prar so­ja de al­guns pro­du­to­res ru­rais da Amazô­nia e que pre­ten­de re­cor­rer no Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo de De­fe­sa Econô­mi­ca (Ca­de) con­tra as em­pre­sas. Pe­la mo­ra­tó­ria, gran­des tra­dings do se­tor, co­mo Amag­gi, Car­gill, Bun­ge e Cof­co, se com­pro­me­te­ram a não com­prar o grão cul­ti­va­do em no­vas áre­as des­ma­ta­das na Amazô­nia a par­tir de 2008, aten­den­do a uma exi­gên­cia fei­ta por mer­ca­dos no ex­te­ri­or, em es­pe­ci­al a Eu­ro­pa.

Foi um com­pro­mis­so com o des­ma­te ze­ro. Mes­mo o cor­te de ve­ge­ta­ção per­mi­ti­do pe­lo Có­di­go Flo­res­tal não foi to­le­ra­do, no en­ten­di­men­to de que era di­fí­cil ras­tre­ar o que era le­gal ou ilegal. As­sim, o mais se­gu­ro era não ter des­ma­te ne­nhum.

Is­so con­te­ve o avanço da so­ja so­bre a flo­res­ta, que cres­cia a par­tir do co­me­ço da dé­ca­da pas­sa­da, mas não a al­ta da pro­du­ção, que pas­sou a se dar só so­bre áre­as aber­tas an­te­ri­or­men­te, co­mo pas­ta­gens de­gra­da­das. Con­for­me a Abi­o­ve, que re­pre­sen­ta 13 tra­dings no País, a área plan­ta­da com so­ja na Amazô­nia pas­sou de pou­co mais de 1 mi­lhão de hec­ta­res em 2006 pa­ra qua­se 5 mi­lhões de hec­ta­res na sa­fra de 2018. Mas pro­du­to­res li­de­ra­dos pe­la Apro­so­ja, que nun­ca con­cor­da­ram com a mo­ra­tó­ria, de­fen­dem que o acor­do, ao tra­zer li­mi­ta­ção aci­ma

das nor­mas do País, des­res­pei­ta a lei. “Não há pro­du­ção de so­ja no mun­do pró­xi­ma da sus­ten­ta­bi­li­da­de que tem a nos­sa, que pro­te­ge Re­ser­va Le­gal e Área de Pre­ser­va­ção Per­ma­nen­te. Não pre­ci­sa­mos de mais im­po­si­ção”, diz Braz. Pa­ra ele, se a Eu­ro­pa não qui­ser a so­ja da Amazô­nia, há o mer­ca­do asiá­ti­co.

Re­ceio.

An­dré Nas­sar, pre­si­den­te da Abi­o­ve, ar­gu­men­ta que a mo­ra­tó­ria per­mi­tiu “cri­ar uma his­tó­ria de cre­di­bi­li­da­de na Eu­ro­pa, de que a so­ja bra­si­lei­ra é con­fiá­vel”. A ideia de que é pos­sí­vel ig­no­rar o mer­ca­do eu­ro­peu por­que não é tão gran­de, diz, é er­ra­da – cer­ca de 6% dos grãos vão pa­ra lá.

“Mas a Eu­ro­pa res­pon­de por 50% da com­pra do fa­re­lo de so­ja”, afir­ma Nas­sar. “Se ti­ver cor­te na Eu­ro­pa por cau­sa de des­ma­ta­men­to, que­bra da mo­ra­tó­ria ou ne­go­ci­a­ção mal fei­ta, o gran­de pre­ju­di­ca­do é a in­dús­tria que be­ne­fi­cia a so­ja – e a ca­deia que es­tá por trás.”

Ele con­cor­da ain­da com os pro­du­to­res no sen­ti­do de que, co­mo a mo­ra­tó­ria exi­ge mais do que a lei, se­ria in­te­res­san­te um prê­mio pa­ra quem pre­ser­va mais do que o Có­di­go Flo­res­tal. “Mas tem de ser ne­go­ci­a­do com o mer­ca­do. Nun­ca se­rá fei­to com uma que­bra abrup­ta.”

TI­A­GO QU­EI­ROZ/ESTADÃO-12/10/2015

Pro­te­ção. Acor­do fir­ma­do en­tre em­pre­sas em 2006 con­te­ve avanço da so­ja so­bre bi­o­ma

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.