Re­for­ma vai ex­cluir juí­zes e par­la­men­ta­res

Tex­to do go­ver­no pa­ra eli­mi­nar ‘ex­ces­sos’ em sa­lá­ri­os e be­ne­fí­ci­os dei­xa fo­ra mem­bros do Ju­di­ciá­rio, Mi­nis­té­rio Pú­bli­co e do Le­gis­la­ti­vo

O Estado de S. Paulo - - Economia - Adri­a­na Fer­nan­des Idi­a­na To­ma­zel­li / BRA­SÍ­LIA

Juí­zes, pro­cu­ra­do­res e par­la­men­ta­res vão fi­car, num pri­mei­ro mo­men­to, fo­ra do al­can­ce das me­di­das da re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va que a equi­pe econô­mi­ca de­ve apre­sen­tar na pró­xi­ma se­ma­na ao Con­gres­so Na­ci­o­nal. Se­gun­do apu­rou o Estadão/Bro­ad­cast, a aná­li­se ju­rí­di­ca do go­ver­no é de que só o Par­la­men­to po­de dis­ci­pli­nar mu­dan­ças pa­ra es­sas ca­te­go­ri­as.

Após apre­sen­tar um pa­co­te pa­ra re­ver a di­nâ­mi­ca de gas­tos do Exe­cu­ti­vo, o go­ver­no mi­ra com a no­va ini­ci­a­ti­va o que con­si­de­ra co­mo “ex­ces­sos” de van­ta­gens que be­ne­fi­ci­am car­rei­ras de ser­vi­do­res. En­tre es­sas van­ta­gens, es­tão a li­cen­ça-prê­mio e fé­ri­as de 60 di­as.

O ob­je­ti­vo é que o tex­to al­can­ce to­dos os ser­vi­do­res pú­bli­cos do Exe­cu­ti­vo, Le­gis­la­ti­vo, Ju­di­ciá­rio e Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, em to­das as es­fe­ras de go­ver­no (União, Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os). No en­tan­to, juí­zes, pro­cu­ra­do­res e par­la­men­ta­res – que, pe­la lei, são mem­bros dos Po­de­res, não ser­vi­do­res – fi­cam fo­ra ago­ra por­que o Exe­cu­ti­vo fe­de­ral en­ten­deu que não tem po­der pa­ra in­cluí-los na pro­pos­ta.

A pres­são dos ser­vi­do­res do Ju­di­ciá­rio tem tra­va­do o en­vio da re­for­ma ao Con­gres­so. O pro­cu­ra­dor-ge­ral da Re­pú­bli­ca, Au­gus­to Aras, por exem­plo, já re­a­giu à pro­pos­ta de aca­bar com fé­ri­as de dois me­ses. Se­gun­do ele, a car­ga de tra­ba­lho do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co é “de­su­ma­na”.

A re­a­ção de Aras pre­o­cu­pou o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, que tem se mos­tra­do sen­sí­vel tam­bém a re­cla­ma­ções de ou­tras ca­te­go­ri­as, prin­ci­pal­men­te de po­li­ci­ais e mi­li­ta­res.

Es­ta­bi­li­da­de. Em­bo­ra a es­ta­bi­li­da­de dos atu­ais ser­vi­do­res te­nha si­do pre­ser­va­da a man­do de Bol­so­na­ro, a equi­pe econô­mi­ca pre­ten­de pro­por ou­tras me­di­das pa­ra pôr fim a be­ne­fí­ci­os que são con­si­de­ra­dos “pri­vi­lé­gi­os”. Es­ses pon­tos são os que mais têm des­per­ta­do a ira das ca­te­go­ri­as, so­bre­tu­do do Ju­di­ciá­rio.

Uma das ini­ci­a­ti­vas de­ve ser a re­gu­la­men­ta­ção do te­to re­mu­ne­ra­tó­rio, pa­ra evi­tar que “pen­du­ri­ca­lhos” cri­a­dos em for­ma de au­xí­li­os ou van­ta­gens pe­los pró­pri­os Po­de­res aca­bem tur­bi­nan­do os sa­lá­ri­os pa­ra além do li­mi­te cons­ti­tu­ci­o­nal – que ho­je é de R$ 39,2 mil men­sais, re­fe­ren­te ao sa­lá­rio de mi­nis­tros do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (mais in­for­ma­ções nes­ta pá­gi­na).

O go­ver­no fe­de­ral já ten­tou fa­zer es­sa re­gu­la­men­ta­ção por meio de um pro­je­to de lei, res­trin­gin­do o que po­de ser con­si­de­ra­do “ver­ba in­de­ni­za­tó­ria”, is­to é, que po­de fi­car fo­ra do te­to. A pro­pos­ta che­gou a ser apro­va­da no Se­na­do Fe­de­ral – mes­mo as­sim, só an­dou qu­an­do o en­tão pre­si­den­te da Ca­sa, Re­nan Ca­lhei­ros (MDB-AL), al­vo de in­ves­ti­ga­ções na La­va Ja­to, usou o pro­je­to co­mo uma es­pé­cie de re­ta­li­a­ção.

O tex­to, po­rém, es­tá pa­ra­do na Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos e não foi se­quer vo­ta­do na Co­mis­são Es­pe­ci­al cri­a­da es­pe­ci­al­men­te pa­ra ana­li­sar o te­ma.

Por con­ta das pres­sões, as ne­go­ci­a­ções têm si­do con­du­zi­das da for­ma mais si­gi­lo­sa pos­sí­vel, pa­ra evi­tar de­si­dra­ta­ções an­tes mes­mo do en­vio do tex­to ao Con­gres­so. A equi­pe econô­mi­ca tam­bém tem bus­ca­do trans­mi­tir às ca­te­go­ri­as a men­sa­gem de que os atu­ais ser­vi­do­res só se­rão co­bra­dos pe­los “ex­ces­sos”, co­mo é con­si­de­ra­do o ca­so da li­cen­ça-prê­mio. Es­se be­ne­fí­cio exis­te ain­da em mui­tos Po­de­res, em di­fe­ren­tes es­fe­ras, e con­ce­de três me­ses de afas­ta­men­to, com re­mu­ne­ra­ção, a ca­da cin­co anos tra­ba­lha­dos. A ideia é ve­dar a con­ces­são da li­cen­ça-prê­mio pa­ra os no­vos ser­vi­do­res e cri­ar uma tran­si­ção pa­ra quem já es­tá na ati­va.

O go­ver­no tam­bém es­tá ten­do de apa­rar ares­tas dei­xa­das na co­mu­ni­ca­ção. Fon­tes di­zem que a ala po­lí­ti­ca do Pla­nal­to re­cla­mou por­que foi dei­xa­da no es­cu­ro so­bre os de­ta­lhes da re­for­ma.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.