Ve­to a fi­li­a­ção par­ti­dá­ria de ser­vi­do­res de­ve ser am­pli­a­do

Me­di­da po­de ser in­cluí­da na pro­pos­ta de re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va que de­ve che­gar ao Con­gres­so na pró­xi­ma se­ma­na

O Estado de S. Paulo - - Economia - A.F e I.T.

O go­ver­no pre­ten­de pro­por a am­pli­a­ção do nú­me­ro de car­rei­ras cu­jos ser­vi­do­res fi­ca­rão im­pe­di­dos de se fi­li­ar a par­ti­do po­lí­ti­co, se­gun­do apu­rou o Estadão/Bro­ad­cast. A me­di­da de­ve ser in­cluí­da na re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va, pre­vis­ta pa­ra che­gar ao Con­gres­so na pró­xi­ma ter­ça-fei­ra.

O mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, an­te­ci­pou na ter­ça­fei­ra que a pro­pos­ta vai im­pe­dir que ser­vi­do­res pú­bli­cos com mi­li­tân­cia par­ti­dá­ria ga­nhem es­ta­bi­li­da­de no em­pre­go. “( Se) Tem fi­li­a­ção par­ti­dá­ria não é ser­vi­dor, é mi­li­tan­te. Po­de ser mi­li­tan­te, mas não po­de ter es­ta­bi­li­da­de”, dis­se du­ran­te a apre­sen­ta­ção da pri­mei­ra fa­se das re­for­mas.

Após a de­cla­ra­ção de Gu­e­des, a me­di­da foi ques­ti­o­na­da nas re­des so­ci­ais. O go­ver­no, po­rém, tem uma es­pé­cie de “va­ci­na” e ar­gu­men­ta­rá que car­rei­ras co­mo juí­zes e pro­cu­ra­do­res já são ho­je im­pe­di­das de se fi­li­ar a par­ti­dos.

A ideia é cri­ar uma “no­va fi­gu­ra” na es­tru­tu­ra ad­mi­nis­tra­ti­va pa­ra en­qua­drar al­gu­mas car­rei­ras que tam­bém fi­ca­rão im­pos­si­bi­li­ta­das de man­ter ati­vi­da­de par­ti­dá­ria. Uma pos­si­bi­li­da­de é que as car­rei­ras de Es­ta­do, que in­clu­em au­di­to­res fis­cais, se­jam os atin­gi­dos por es­sa me­di­da.

A ava­li­a­ção na área econô­mi­ca é de que, as­sim co­mo uma fi­li­a­ção par­ti­dá­ria de um juiz ou pro­cu­ra­dor po­de­ria cau­sar con­fli­to de in­te­res­se, es­se mes­mo di­le­ma po­de­ria ocor­rer em ou­tras car­rei­ras.

Com os fo­cos de re­sis­tên­cia se am­pli­an­do nos úl­ti­mos di­as con­tra a re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va, a equi­pe econô­mi­ca já es­tá se pre­pa­ran­do pa­ra a ba­ta­lha da co­mu­ni­ca­ção. O gru­po en­vol­vi­do na for­mu­la­ção da pro­pos­ta se reu­niu com os in­te­gran­tes da Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Pre­vi­dên­cia e Tra­ba­lho pa­ra “apren­der” com a ex­pe­ri­ên­cia da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, tam­bém mui­to com­ba­ti­da pe­los ser­vi­do­res.

A ava­li­a­ção na área econô­mi­ca é de que a ba­ta­lha pa­ra apro­var a re­for­ma ad­mi­nis­tra­ti­va (com cor­te de be­ne­fí­ci­os que não são en­con­tra­dos na ini­ci­a­ti­va pri­va­da) vai ser gran­de, mas, as­sim co­mo na Pre­vi­dên­cia, o apoio po­pu­lar pe­lo fim dos pri­vi­lé­gi­os se­rá fa­tor de­ci­si­vo.

A equi­pe econô­mi­ca tam­bém tem con­ver­sa­do com o pre­si­den­te da Câ­ma­ra, Ro­dri­go Maia (DEM-RJ), so­bre a me­lhor ma­nei­ra de apre­sen­tar a pro­pos­ta. Che­gou a co­gi­tar apro­vei­tar a Pro­pos­ta de Emen­da à Cons­ti­tui­ção (PEC) 85, que aca­ba com apo­sen­ta­do­ria vi­ta­lí­cia de go­ver­na­do­res, pa­ra ace­le­rar a tra­mi­ta­ção – o tex­to já te­ve a ad­mis­si­bi­li­da­de apro­va­da na Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ) da Ca­sa. No en­tan­to, Maia acon­se­lhou o go­ver­no a man­dar seu pró­prio tex­to. /

GA­BRI­E­LA BILO/ ESTADÃO

Mi­li­tan­te. De­cla­ra­ção de Gu­e­des foi ques­ti­o­na­da nas re­des

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.