Se­na­do de­ve vo­tar pa­co­te de cor­te de gas­tos só em 2020

Pre­si­den­te da Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça afir­ma que PEC emer­gen­ci­al só vai ser apro­va­da es­te ano se so­frer al­te­ra­ções

O Estado de S. Paulo - - Economia - Da­ni­el We­ter­man / BRA­SÍ­LIA

A pre­si­den­te da Co­mis­são de Cons­ti­tui­ção e Jus­ti­ça (CCJ), Si­mo­ne Te­bet (MDB-MS), afir­mou ao ‘Estadão/Bro­ad­cast’ que o go­ver­no vai ter de es­co­lher en­tre apro­var a PEC emer­gen­ci­al es­te ano com al­te­ra­ções ou dei­xar pa­ra 2020 in­sis­tin­do no con­teú­do pro­pos­to pe­lo mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des.

“O Se­na­do não tem pres­sa. Mais do que o ca­len­dá­rio, nós te­mos de nos pre­o­cu­par com aqui­lo que va­mos en­tre­gar pa­ra o País”, afir­mou Si­mo­ne. “PEC emer­gen­ci­al, que o go­ver­no es­que­ça. Se ela é emer­gen­ci­al pa­ra o go­ver­no, ele que di­ga o que é emer­gen­ci­al pa­ra ele por­que is­so não pas­sa es­te ano.” As três pro­pos­tas do go­ver­no pas­sam pe­la CCJ an­tes da vo­ta­ção no ple­ná­rio da Ca­sa.

Ba­ti­za­do de Pla­no Mais Bra­sil, o con­jun­to de me­di­das ela­bo­ra­do pe­la equi­pe econô­mi­ca e en­vi­a­do ao Con­gres­so Na­ci­o­nal na ter­ça-fei­ra pro­põe a des­cen­tra­li­za­ção de re­cur­sos pa­ra Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os, fim de par­te das amar­ras do Or­ça­men­to e cor­te de sa­lá­rio e jor­na­da de tra­ba­lho de ser­vi­do­res pú­bli­cos.

A PEC emer­gen­ci­al cria me­ca­nis­mos de con­tro­le de des­pe­sas pú­bli­cas pa­ra União, Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. A ex­pec­ta­ti­va é que, com as me­di­das, a União con­si­ga abrir um es­pa­ço de R$ 50 bi­lhões, que po­de­ri­am ser di­re­ci­o­na­dos pa­ra ou­tras áre­as.

Au­to­no­mia. O tex­to faz par­te do pa­co­te que foi en­tre­gue pe­lo pró­prio pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro nes­ta se­ma­na ao Con­gres­so. O pa­co­te tam­bém pre­vê a PEC do pac­to fe­de­ra­ti­vo, que trans­fe­re R$ 400 bi­lhões em re­cur­sos de ex­plo­ra­ção de pe­tró­leo e dá mais au­to­no­mia fi­nan­cei­ra pa­ra Es­ta­dos e mu­ni­cí­pi­os. E a PEC dos fun­dos se­to­ri­ais, que ex­tin­gue a mai­or par­te dos 281 fun­dos pú­bli­cos e per­mi­te o uso de R$ 220 bi­lhões de re­cur­sos pa­ra aba­ti­men­to da dí­vi­da pú­bli­ca.

O avi­so da se­na­do­ra faz eco a uma ava­li­a­ção ma­jo­ri­tá­ria en­tre os lí­de­res do Se­na­do. A PEC emer­gen­ci­al é a mais di­fí­cil dos três tex­tos do pa­co­te, ava­li­am se­na­do­res. En­tre as me­di­das po­lê­mi­cas, a pro­pos­ta pre­vê con­ge­la­men­to de sa­lá­ri­os, de pro­gres­sões nas car­rei­ras e a pos­si­bi­li­da­de de re­du­zir jor­na­da e os sa­lá­ri­os de ser­vi­do­res em até 25% por dois anos.

Es­ses ga­ti­lhos se­ri­am aci­o­na­dos qu­an­do as ope­ra­ções de cré­di­to do go­ver­no fe­de­ral su­pe­ra­rem as des­pe­sas de ca­pi­tal em um ano e, pa­ra os Es­ta­dos, qu­an­do as des­pe­sas ex­ce­de­rem 95% da re­cei­ta, tam­bém em um ano.

“O que pe­sa mais pa­ra o go­ver­no: a ur­gên­cia ou o con­teú­do de­le? Se for o con­teú­do de­le, vai fi­car pa­ra o que vem por­que eu não sei o que sai. Se for a ur­gên­cia, a ca­ne­ta é do Se­na­do. Is­so eles vão ter de ava­li­ar na ho­ra cer­ta”, afir­mou Si­mo­ne

“Se ela (a PEC) é emer­gen­ci­al pa­ra o go­ver­no, ele que di­ga o que é emer­gen­ci­al pa­ra ele por­que is­so não pas­sa es­te ano.”

Si­mo­ne Te­bet

PRE­SI­DEN­TE DA CCJ DO SE­NA­DO

DIDA SAM­PAIO / ESTADÃO-4/9/2019

Ori­en­ta­ção. ‘O que pe­sa mais pa­ra o go­ver­no: a ur­gên­cia ou o con­teú­do’, in­da­ga Si­mo­ne

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.