Pro­je­to quer di­vul­gar con­cei­to de ‘in­dús­tria 4.0’ no País

Li­de­ra­do pe­lo Fó­rum Econô­mi­co Mun­di­al, pro­gra­ma te­rá fo­co na au­to­ma­ção de pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas

O Estado de S. Paulo - - Economia - Gui­lher­me Gu­er­ra

O Fó­rum Econô­mi­co Mun­di­al quer dis­se­mi­nar a in­dús­tria 4.0 no Bra­sil. Em par­ce­ria com o Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia e com o go­ver­no es­ta­du­al de São Pau­lo, a or­ga­ni­za­ção anun­ci­ou on­tem um pro­je­to-pi­lo­to pa­ra im­pul­si­o­nar a cha­ma­da Quar­ta Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al nas pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas (PMEs) bra­si­lei­ras. A inau­gu­ra­ção es­tá pla­ne­ja­da pa­ra ocor­rer em maio de 2020, qu­an­do a ca­pi­tal pau­lis­ta se­di­a­rá o Fó­rum Econô­mi­co Mun­di­al pa­ra a Amé­ri­ca La­ti­na.

A di­fu­são da in­ter­net das coi­sas (de dis­po­si­ti­vos in­te­li­gen­tes) no ma­qui­ná­rio in­dus­tri­al bra­si­lei­ro se­rá o fo­co prin­ci­pal.

O ob­je­ti­vo é que di­fe­ren­tes se­to­res, co­mo go­ver­nos, ini­ci­a­ti­va pri­va­da, uni­ver­si­da­des e so­ci­e­da­de ci­vil, co­la­bo­rem na for­mu­la­ção de so­lu­ções e po­lí­ti­cas de in­cen­ti­vo in­dus­tri­al. A or­ga­ni­za­ção in­ter­na­ci­o­nal ofe­re­ce­rá su­por­te fi­nan­cei­ro, ca­pa­ci­ta­ção de fun­ci­o­ná­ri­os e co­la­bo­ra­ção com ou­tras com­pa­nhi­as. O pro­je­to irá ini­ci­ar com 130 em­pre­sas e, até 2021, a ex­pec­ta­ti­va é che­gar a 2 mil.

O Fó­rum pos­sui ini­ci­a­ti­vas si­mi­la­res em paí­ses co­mo Es­ta­dos Uni­dos, Chi­na, Ja­pão, Ín­dia, Colôm­bia, Emi­ra­dos Ára­bes Uni­dos, Is­ra­el, Áfri­ca do Sul e Ará­bia Sau­di­ta. To­dos têm co­mo ob­je­ti­vo fo­men­tar a cri­a­ção de pro­to­co­los pa­ra tec­no­lo­gi­as de rá­pi­do de­sen­vol­vi­men­to, co­mo veí­cu­los autô­no­mos, dro­nes e block­chain.

O Bra­sil se­rá o úni­co a re­ce­ber um en­fo­que nas PMEs, que cor­res­pon­dem a 98,5% das com­pa­nhi­as do País, e A 90% no mun­do, se­gun­do da­dos do Ban­co

Mun­di­al. “Se elas (as pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas) são dei­xa­das pa­ra trás, há con­sequên­ci­as no em­pre­go e no cres­ci­men­to econô­mi­co de um país”, afir­mou ao Es­ta­do Mo­rat Sön­mez, di­re­tor do Fó­rum Econô­mi­co Mun­di­al e à fren­te do Cen­tro pa­ra a Quar­ta Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al, uma re­de com 27 paí­ses cri­a­da em 2017 pe­la en­ti­da­de (mais in­for­ma­ções abai­xo).

In­dús­tria 4.0 é a mais re­cen­te eta­pa do pro­ces­so de in­dus­tri­a­li­za­ção do pla­ne­ta e abran­ge a au­to­ma­ção e di­gi­ta­li­za­ção de ati­vi­da­des das em­pre­sas, co­mo o uso de ro­bó­ti­ca, in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al e big da­ta na pro­du­ção. Ale­ma­nha, Chi­na, Es­ta­dos Uni­dos, Ja­pão e Co­reia do Sul li­de­ram a cor­ri­da mun­di­al com in­ves­ti­men­tos pa­ra au­men­tar a pro­du­ti­vi­da­de e efi­ci­ên­cia in­dus­tri­al. Até 2020, de­vem ser gas­tos qua­se US$ 1 tri­lhão, de acor­do com a De­loit­te.

Des­co­nhe­ci­men­to. No Bra­sil, no en­tan­to, o con­cei­to é pou­co di­fun­di­do. Pes­qui­sa da Fe­de­ra­ção das In­dús­tri­as do Es­ta­do de São Pau­lo (Fi­esp) de mar­ço de 2018 mos­tra que 32% das em­pre­sas bra­si­lei­ras não sa­bem o que sig­ni­fi­ca in­dús­tria 4.0. Além dis­so, 23% afir­ma­ram que não es­tão pre­pa­ra­das pa­ra en­fren­tar os de­sa­fi­os pos­tos pe­la di­gi­ta­li­za­ção. O es­tu­do con­clui que é pos­sí­vel que o País di­mi­nua a sua des­van­ta­gem em re­la­ção aos ou­tros paí­ses ao ado­tar uma po­lí­ti­ca pú­bli­ca na­ci­o­nal pa­ra o se­tor. Do con­trá­rio, po­de ser que exis­ta um agra­va­men­to des­sa dis­tân­cia.

A Em­bra­er é con­si­de­ra­do um ca­so de su­ces­so ao uti­li­zar au­to­ma­ção na li­nha de mon­ta­gem, que ago­ra é to­da di­gi­ta­li­za­da, sem uso de pro­tó­ti­pos, e com mo­ni­to­ra­men­to em tem­po re­al do chão de fá­bri­ca. Co­mo re­sul­ta­do, hou­ve re­du­ção de 25% do tem­po de pro­du­ção das ae­ro­na­ves.

Sön­mez, no en­tan­to, des­ta­ca que as em­pre­sas gran­des não te­rão di­fi­cul­da­des: “Elas têm o di­nhei­ro e o ta­len­to”, dis­se ele. “Se não nos mo­ver­mos rá­pi­do, fi­ca­re­mos ain­da mais pa­ra trás. O go­ver­no de­mo­ra mui­to tem­po pa­ra de­ci­dir, mas nós não te­mos mais es­se lu­xo com a Quar­ta Re­vo­lu­ção In­dus­tri­al.”

“Se elas (PMEs) são dei­xa­das pa­ra trás, há con­sequên­ci­as no em­pre­go e cres­ci­men­to de um país.” Mo­rat Sön­mez

DI­RE­TOR DO CEN­TRO PA­RA A QUAR­TA RE­VO­LU­ÇÃO IN­DUS­TRI­AL, DO FÓ­RUM ECONÔ­MI­CO MUN­DI­AL

WERTHER SAN­TA­NA/ESTADÃO - 6/11/ 2019

Re­vo­lu­ção. Sön­mez co­man­da o cen­tro pa­ra a in­dús­tria 4.0

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.