‘A no­va re­vo­lu­ção in­dus­tri­al não vai es­pe­rar pe­lo Bra­sil’

O Estado de S. Paulo - - Economia - / G.G.

Di­re­tor do Fó­rum Econô­mi­coMun­di­al, Mu­rat Sön­mez afir­mou ao Es­ta­do que o País pre­ci­sa ace­le­rar sua en­tra­da na era da in­dús­tria 4.0. “O ris­co de não fa­zer a au­to­ma­ção é mui­to mai­or do que fa­zer.” A se­guir, os prin­ci­pais tre­chos da en­tre­vis­ta:

• Quais são os re­sul­ta­dos do Cen­tro pa­ra a Quar­ta Re­vo­lu­ção

In­dus­tri­al até ago­ra?

Te­mos 38 pro­je­tos em an­da­men­to. Te­mos um so­bre dro­nes, por exem­plo, pa­ra pes­so­as que vi­vem em vi­la­re­jos dis­tan­tes. Podemos usar dro­nes pa­ra fa­zer en­tre­gas? Nos­so pri­mei­ro pi­lo­to foi em Ru­an­da, on­de aju­da­mos a cri­ar um pro­to­co­lo há 18 me­ses. Ago­ra, eles têm a mai­or re­de ci­vil de dro­nes do mun­do.

São ca­pa­zes de en­tre­gar su­pri­men­tos mé­di­cos em clí­ni­cas no to­po de mon­ta­nhas.

• O Bra­sil pa­re­ce atrás na in­dús­tria 4.0. Co­mo mu­dar is­so?

Não fi­car per­den­do tem­po com a ter­cei­ra re­vo­lu­ção in­dus­tri­al. Olhe pa­ra Ru­an­da. Nor­mal­men­te, pa­ra dis­tri­buir san­gue, se­ri­am ne­ces­sá­ri­os es­tra­das, sis­te­mas de re­fri­ge­ra­ção, eletricida­de. Le­va­ria pro­va­vel­men­te dez anos. Com dro­nes, eles en­tre­gam san­gue em 45 mi­nu­tos. Eles pu­la­ram a ter­cei­ra re­vo­lu­ção in­dus­tri­al. Se exis­te um car­ro dis­po­ní­vel, e vo­cê tem car­ro­ça, vo­cê quer o car­ro, e não o ca­va­lo mais rá­pi­do. Em vez de gas­tar bi­lhões em in­fra­es­tru­tu­ra, po­de gas­tar uma fra­ção dis­so com me­lho­res re­sul­ta­dos.

• Em 2018, o Fó­rum Econô­mi­co Mun­di­al de­fen­deu que o Bra­sil fi­zes­se re­for­mas es­tru­tu­rais pa­ra me­lho­rar cres­ci­men­to e pro­du­ti­vi­da­de. Hou­ve al­gu­ma me­lho­ra nes­se di­ag­nós­ti­co?

Es­sas re­for­mas vão le­var um tem­po pa­ra se­rem im­ple­men­ta­das. Mas a quar­ta re­vo­lu­ção in­dus­tri­al não vai es­pe­rar. Nós te­mos es­sa ur­gên­cia, que é par­ti­lha­da com o go­ver­no es­ta­du­al (de São Pau­lo) e fe­de­ral.

• Qual o pa­pel da in­fra­es­tru­tu­ra de 5G na no­va fa­se in­dus­tri­al?

Ima­gi­ne não ter con­ges­ti­o­na­men­to em uma ci­da­de. E vo­cê pre­ci­sa de da­dos em tem­po re­al pa­ra con­se­guir re­gu­lar o trá­fe­go. Se vo­cê dis­tri­buís­se sen­so­res na ci­da­de e co­le­tas­se os da­dos em tem­po re­al, vo­cê re­du­zi­ria o con­ges­ti­o­na­men­to e o uso de ener­gia ape­nas usan­do in­te­li­gên­cia ar­ti­fi­ci­al em uma re­de de 5G.

• Co­mo podemos ado­tar a au­to­ma­ção e evi­tar o de­sem­pre­go?

Nin­guém sa­be, não há mo­de­los. Exis­tem pre­vi­sões, mas nin­guém sa­be. Me­lho­ra a efi­ci­ên­cia, mas pre­ci­sa ver o que acon­te­ce com as pes­so­as que per­de­ram os em­pre­gos. É por is­so que é im­por­tan­te fa­zer es­ses pro­gra­mas pi­lo­tos pa­ra ver se têm es­ca­la. Se vo­cê não au­to­ma­ti­zar, as com­pa­nhi­as irão de­sa­pa­re­cer. As gran­des vão au­to­ma­ti­zar, re­du­zir os em­pre­ga­dos e ga­nhar mais efi­ci­ên­cia. Mas, pa­ra as PMEs, se não ado­ta­rem es­sas tec­no­lo­gi­as, elas de­sa­pa­re­ce­rão. O ris­co de não fa­zer a au­to­ma­ção é mui­to mai­or do que fa­zer.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.