App de ví­de­os cur­tos Kwai che­ga ao Bra­sil

Ri­val do TikTok, ser­vi­ço tem 15 mi de usuá­ri­os no mun­do e quer en­ten­der ‘gos­to lo­cal’

O Estado de S. Paulo - - Economia - Bru­no Ro­ma­ni

Ten­dên­cia en­tre os jo­vens, apps de ví­de­os cur­tos têm tu­do pa­ra se tor­nar a no­va fron­tei­ra da dis­pu­ta pe­la aten­ção de usuá­ri­os na in­ter­net. Um dos gran­des ex­po­en­tes do mo­men­to é o app chi­nês TikTok, com fil­me­tes bem-hu­mo­ra­dos de 15 se­gun­dos, car­re­ga­dos de edi­ção es­per­ta e efei­tos di­ver­ti­dos, que abriu um es­cri­tó­rio no País no iní­cio do ano. Ago­ra, é a vez do con­ter­râ­neo e ri­val Kwai apor­tar por aqui: ho­je, o app anun­cia sua che­ga­da ofi­ci­al ao País em even­to em São Pau­lo.

Pa­ra al­guns, a che­ga­da não é uma sur­pre­sa: a Kwai diz já ter uma ba­se de 7 mi­lhões de usuá­ri­os ati­vos di­a­ri­a­men­te no País. Ao to­do, no mun­do, o app tem mais de 200 mi­lhões de usuá­ri­os diá­ri­os – a mai­o­ria de­les, po­rém, uti­li­za o ser­vi­ço com ou­tro no­me: Ku­aishou, co­mo é co­nhe­ci­do em sua ter­ra na­tal. “Qu­e­re­mos trans­for­mar o Bra­sil no nos­so prin­ci­pal mer­ca­do fo­ra da Chi­na. É um país com po­pu­la­ção gran­de, in­te­res­sa­da em re­des so­ci­ais, em um mer­ca­do com mui­tas opor­tu­ni­da­des”, diz Yu­mi Wu, di­re­to­ra de ope­ra­ções glo­bais da em­pre­sa.

O Bra­sil tam­bém se­rá o pri­mei­ro país a ga­nhar uma ver­são lo­ca­li­za­da do apli­ca­ti­vo. Pa­ra is­so, a Kwai mon­tou um es­cri­tó­rio no Bra­sil e es­tá con­tra­tan­do pro­fis­si­o­nais – a em­pre­sa não ci­ta nú­me­ros, mas tem pe­lo me­nos qua­tro va­gas aber­tas na re­de so­ci­al pro­fis­si­o­nal Lin­kedIn. “Qu­e­re­mos cres­cer rá­pi­do, o que di­fi­cul­ta fa­zer es­ti­ma­ti­vas até pa­ra o cur­to pra­zo”, diz Wu. Além da Chi­na, a em­pre­sa tem es­cri­tó­ri­os na Malásia, na Ín­dia e na Co­reia do Sul, mas nes­ses lo­cais o app re­pro­duz ape­nas o sis­te­ma que já é usa­do na Chi­na.

Pa­ra dar o pontapé ini­ci­al por aqui, a com­pa­nhia ar­re­gi­men­tou Whin­ders­son Nu­nes e ou­tros in­flu­en­ci­a­do­res bra­si­lei­ros. “No Bra­sil, per­ce­be­mos que as pes­so­as gos­tam de ví­de­os en­gra­ça­dos ou mu­si­cais, en­quan­to na Chi­na é mais co­mum ví­de­os que do­cu­men­tam a ro­ti­na”, ex­pli­ca Wu. A fim de ga­nhar es­pa­ço, a em­pre­sa pre­ten­de pe­gar ca­ro­na em ou­tro fa­vo­ri­to dos bra­si­lei­ros: o WhatsApp. O Kwai per­mi­te que os ví­de­os cri­a­dos ne­le se­jam com­par­ti­lha­dos em ou­tras pla­ta­for­mas, e o app de men­sa­gens que per­ten­ce ao Fa­ce­bo­ok é vis­to co­mo ali­a­do. “Na Chi­na, os usuá­ri­os com­par­ti­lham con­teú­do no Kwai, mas tam­bém usam o WeChat”, diz Wu.

Prin­ci­pal app de men­sa­gens da Chi­na, o WeChat tem mais de 1 bi­lhão de usuá­ri­os ati­vos por dia. A ló­gi­ca do Kwai é ten­tar usar a po­pu­la­ri­da­de do WhatsApp, além de Ins­ta­gram e Fa­ce­bo­ok, pa­ra que o seu app pos­sa se es­pa­lhar – na lo­ja de apps do An­droid, a PlayS­to­re, o Kwai se des­cre­ve com um apli­ca­ti­vo de “ví­de­os pa­ra o WhatsApp Sta­tus”, o ser­vi­ço de men­sa­gens efê­me­ras do apli­ca­ti­vo de men­sa­gens.

Ao mes­mo tem­po, a com­pa­nhia chi­ne­sa ten­ta se afas­tar do ri­val TikTok. “Te­mos se­me­lhan­ças, mas o Kwai é um app mais in­clu­si­vo. Nós abri­mos as por­tas pa­ra que as pes­so­as co­muns pos­sam pro­du­zir ví­de­os e se ex­pres­sar”, diz Wu. “Os ou­tros apps fo­cam mais

em ce­le­bri­da­des.”

KWAI

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.