Car­ta bran­ca pa­ra Adhe­mar Oliveira

O IMS exi­be se­te lon­gas es­co­lhi­dos pe­lo dis­tri­bui­dor e exi­bi­dor, in­cluin­do obras de Ed­gard Na­var­ro e Pe­ter Bro­ok

O Estado de S. Paulo - - Caderno2 - Luiz Car­los Mer­ten

A exem­plo do que fez no ano pas­sa­do com o pro­fes­sor Is­mail Xa­vi­er, pen­sa­dor do ci­ne­ma bra­si­lei­ro, o Ins­ti­tu­to Mo­rei­ra Sal­les propôs uma car­ta bran­ca ao exi­bi­dor e dis­tri­bui­dor Adhe­mar Oliveira, dos cir­cui­tos Ar­te­plex e Es­pa­ço Au­gus­ta. Adhe­mar apre­sen­tou uma se­le­ção de 20 fil­mes pa­ra uma ho­me­na­gem, e o IMS se­le­ci­o­nou se­te, que es­tão sen­do apre­sen­ta­dos na se­de da Av. Pau­lis­ta. Não são os fil­mes da vi­da de Adhe­mar, mas fo­ram fil­mes im­por­tan­tes na de­fi­ni­ção de sua ati­vi­da­de. Se fos­sem os me­lho­res, es­ta­ri­am Ci­da­dão Ka­ne, o clás­si­co de Or­son Wel­les, Roc­co e Seus Ir­mãos, de Lu­chi­no Vis­con­ti, ou Ju­les e Jim, de Fran­çois Truf­faut.

“Co­me­cei no Rio, fa­zen­do a pro­gra­ma­ção do Ci­ne­clu­be da ABI. Vi­rei exi­bi­dor em 1985 e de­pois me es­ta­be­le­ci em São Pau­lo nos anos 1990. O Ar­te­plex sur­giu nos anos 2000. Mui­ta coi­sa mu­dou nes­se pe­río­do – mui­ta coi­sa não pa­ra de mu­dar. O cir­cui­to pas­sou por uma re­vo­lu­ção com­ple­ta, as pla­ta­for­mas de stre­a­ming avan­çam ca­da vez mais. E, além de tu­do is­so, vo­cê viu ho­je (on­tem) a in­clu­são da Cul­tu­ra co­mo pas­ta do Tu­ris­mo? Não tem na­da a ver, é coi­sa de des­man­te­lar, mes­mo.” Ape­sar das di­fi­cul­da­des, o con­cei­to do Ar­te­plex, do qual Adhe­mar foi pi­o­nei­ro no Bra­sil – mes­clan­do fil­mes de mer­ca­do e de ar­te –, vai bem, obri­ga­do. “Vo­cê sa­bia que pa­ra nós hou­ve um au­men­to de pú­bli­co de 107% em re­la­ção ao ano pas­sa­do? Es­tou fa­lan­do de se­tem­bro, an­tes da Mos­tra”, ex­pli­ca.

Os fil­mes na se­le­ção do IMS es­tão li­ga­dos a lan­ça­men­tos, a ris­cos que ele cor­reu, ao lon­go des­ses 30 e tan­tos anos. (Não é uma da­ta re­don­da.) “Apro­vei­tei pa­ra re­ver o Pas­qua­li­no Se­te Be­le­zas, de Li­na Wertmül­ler, e foi uma sur­pre­sa. Não me lem­bra­va da­que­le co­me­ço, que me pa­re­ceu a coi­sa mais atu­al do mun­do. Lan­cei no Rio o Su­perOu­tro, do Ed­gar Na­var­ro, o que foi uma lou­cu­ra na épo­ca, por­que o fil­me é um mé­dia.” A li­ga­ção com o ci­ne­ma bra­si­lei­ro foi sem­pre mui­to for­te. “É o que nos re­ve­la.” Fel­li­ni? “Qu­an­do me uni a Le­on Ca­koff pa­ra dis­tri­buir­mos, des­co­bri que Os Pa­lha­ços era um fil­me que am­bos que­ría­mos. O Fel­li­ni es­tá to­do na­que­le cir­co”

Pe­ter Bro­ok? “Foi uma ex­pe­ri­ên­cia cu­ri­o­sa. Um gru­po meio eso­té­ri­co me ofe­re­ceu o fil­me. Fiz uma úni­ca ses­são na ABI, e lo­tou. Fo­ram mais de 700 pes­so­as, uma lou­cu­ra. Qu­an­do ten­tei ne­go­ci­ar mais exi­bi­ções, ti­nham su­mi­do. Anos de­pois, se apre­sen­ta­ram de no­vo.” Gran­de no­me do te­a­tro, Pe­ter Bro­ok ten­tou al­gu­mas ve­zes o ci­ne­ma, com re­sul­ta­dos de­si­guais. Fez Mo­de­ra­to Can­ta­bi­le, com ro­tei­ro de Mar­gue­ri­te Du­ras (e Je­an­ne Mo­re­au). Deu o que fa­lar com O Se­nhor das Mos­cas, adap­ta­do do ro­man­ce cul­tu­a­do de Wil­li­am Gol­ding. Po­dem-se

ci­tar, tam­bém, A Per­se­gui­ção e As­sas­si­na­to de Je­an-Paul Ma­rat pe­los In­ter­nos do Asi­lo de Cha­ren­ton, sob a Di­re­ção do Marquês de Sa­de, ou sim­ples­men­te Ma­ratSa­de, ba­se­a­do na pe­ça de Pe­ter Weiss, o Rei Le­ar com Paul Scof­fi­eld, A Tra­gé­dia de Car­mem e o Maha­ba­ra­ta. De tu­do o que Bro­oks fez no ci­ne­ma, na­da su­pe­ra En­con­tros com Ho­mens No­tá­veis, ins­pi­ra­do na obra do fi­ló­so­fo G.I. Gurd­ji­eff, tam­bém co­nhe­ci­do co­mo Mak­si­mo­vic, que per­cor­reu a Ásia em bus­ca do sen­ti­do da exis­tên­cia hu­ma­na.

Um ator tam­bém cul­tu­a­do, Te­ren­ce Stamp – de clás­si­cos de Wil­li­am Wy­ler (O Co­le­ci­o­na­dor),

Federico Fel­li­ni (o epi­só­dio Toby Dom­nitt, de His­tó­ri­as Ex­tra­or­di­ná­ri­as) e Pi­er-Pa­o­lo Pa­so­li­ni (Te­o­re­ma) é quem faz o pa­pel. Stamp che­gou a uma quadra da vi­da em que, por su­as ex­pe­ri­ên­ci­as sen­so­ri­ais, in­clu­si­ve com dro­gas, po­dia en­car­nar o vi­si­o­ná­rio. O Bou­le­vard do Cri­me,

de Mar­cel Car­né (e Jac­ques Pré­vert)? “Mar­cou to­da uma ge­ra­ção de ci­ne­clu­bis­tas.” E ain­da tem Pró­xi­ma Pa­ra­da – Bair­ro Boê­mio. “Vi­vi mui­to tem­po aqui no Bi­xi­ga e, no Rio, em Bo­ta­fo­go. Me iden­ti­fi­ca­va mui­to com aque­la vi­são do Paul Ma­zursky de Gre­enwi­ch Vil­la­ge. Fui a No­va York, há al­guns anos, pe­di in­for­ma­ção pa­ra che­gar a de­ter­mi­na­do lu­gar e, de re­pen­te, me vi no meio do fil­me. O ce­ná­rio re­al. O ci­ne­ma tem dis­so. É um fil­me que amo, e es­pe­ro re­ver.”

IMS

‘En­con­tros com No­tá­veis’. Obra cult so­bre Gurd­ji­eff foi re­mon­ta­da em 2016

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.