O res­to que se ex­plo­da

Da­ta es­te­lar: Sol e Sa­tur­no em sex­til se re­la­ci­o­nam com Ne­tu­no; Lua cres­ce em Ári­es

O Estado de S. Paulo - - Caderno2 - QUIROGA OS­[email protected]

Ote­sou­ro de nos­sa hu­ma­ni­da­de re­si­de nas ações conjuntas, no es­trei­ta­men­to dos la­ços, na co­mu­nhão de in­te­res­ses, por­que, não im­por­ta quais ou quão pro­fun­das se­jam as di­fe­ren­ças de es­ti­los, vi­sões e pro­ce­di­men­tos, há ques­tões cruciais de nos­sa hu­ma­ni­da­de que só se so­lu­ci­o­nam em con­jun­to: a mi­sé­ria, a fo­me, a in­jus­ti­ça so­ci­al. Não im­por­ta de que la­do ve­nham as ra­zões da di­vi­são que im­pe­de o tra­ba­lho em con­jun­to, elas vêm do pre­si­den­te dos Es­ta­dos Uni­dos, do lí­der jiha­dis­ta, do ser hu­ma­no vai­do­so que atro­pe­la as pes­so­as pa­ra ga­ran­tir es­tar sem­pre com a van­ta­gem, dos rus­sos que se­mei­am de­sin­for­ma­ção, to­dos os di­vi­si­o­nis­tas tra­ba­lham em con­jun­to, se odei­am en­tre si, mas co­mun­gam na mes­ma ação, por is­so, tão po­de­ro­sa. E o res­to que se ex­plo­da!

ÁRI­ES 21-3 a 20-4

A sen­sa­ção de tu­do es­tar no lu­gar cer­to e fun­ci­o­nan­do há de ser com­bi­na­da com ações sim­ples, po­rém, efi­ci­en­tes, pa­ra que tu­do continue sen­do uma marcha de pro­gres­so, em vez de sua al­ma se en­re­dar em fan­ta­si­as im­per­ti­nen­tes.

TOU­RO 21-4 a 20-5

O jo­go fi­cou evi­den­te, po­rém, su­as ações per­ti­nen­tes a es­se jo­go pre­ci­sam ser dis­cre­tas, tan­to que as ou­tras pes­so­as não as per­ce­bam, a não ser que elas tam­bém es­te­jam sin­to­ni­za­das com vo­cê. Va­le a pe­na jo­gar, is­so sim.

GÊ­ME­OS 21-5 a 20-6

Al­guns es­for­ços com­pen­sam, ou­tros vão pa­rar na ga­ve­ta das emo­ções res- sen­ti­das, por­que pro­vo­ca­ram in­gra­ti­dão qu­an­do de­ve­ria ter ha­vi­do mí­ni­mo re­co­nhe­ci­men- to. Tu­do faz par­te, se­guir em fren­te é a me­lhor de­ci­são.

CÂNCER 21-6 a 21-7

Nes­te mo­men­to, os pe­sa­res e con­tra­tem­pos não hão de ser a no­ta do­mi­nan- te que ori­en­te seus pas­sos e ati­tu­des. Pe­lo con­trá­rio, a des- pei­to de tu­do e de to­dos, fa­ça vo­cê o que lhe der na te­lha e o mun­do que se ex­plo­da.

LEÃO 22-7 a 22-8

Ape­sar de vo­cê to­mar cui­da­do pa­ra que tu­do se­ja fei­to com or­dem e or­ga­ni- za­ção, mes­mo as­sim che­ga­rá o mo­men­to em que sua al­ma se lan­ça­rá a ga­lo­pe na di­re­ção do que lhe en­tu­si­as­ma. A ex­pe­ri­ên­cia é as­sim, tu­do jun­to.

VIR­GEM 23-8 a 22-9

O bom tra­to en­tre as pes­so­as é fun­da­men­tal, po­rém, es­te é um mo­men­to de na­tu­re­za prá­ti­ca. Is­so sig­ni­fi­ca que a cor­di­a­li­da­de há de re­ver- ter em mo­vi­men­tos con­cre­tos, de­ci­sões pos­tas em prá­ti­ca com ra­pi­dez. Is­so sim.

LI­BRA 23-9 a 22-10

Bus­car aju­da e co­la­bo­ra­ção po­de ser um mo­vi­men­to in­gra­to, não por­que não se es­ten­dam mãos ami­gas na sua di­re­ção, mas por­que de­pois o gesto não se mos­tra­ria ver­da­dei­ra­men­te efe­ti­vo. Ges- tos não são ações efe­ti­vas.

ESCORPIÃO 23-10 a 21-11

Co­me­ce a en­sai­ar ati­tu­des que im­pri­mam com vi­gor o ru­mo dos acon­te­ci­men- tos. Mas te­nha ci­ên­cia de que, ain­da, vo­cê não es­tá com es­sa bo­la to­da pa­ra man­dar e des­man­dar. Is­so é al­go que pre­ci­sa de ama­du­re­ci­men­to.

SA­GI­TÁ­RIO 22-11 a 21-12

Con­ti­nua tu­do bas­tan­te es­tra­nho e, por is­so, se­ria me­lhor vo­cê não se pre­ci- pi­tar na di­re­ção de na­da, nem mes­mo pe­la ne­ces­si­da­de de ali­vi­ar a ten­são in­ter­na que sua al­ma su­por­ta. Continue ob­ser- van­do e in­ves­ti­gan­do.

CAPRICÓRNI­O 22-12 a 20-1

Ago­ra é um bom mo­men­to pa­ra con­cluir o que es­ti­ver em an­da­men­to pa­ra, as­sim, fi­car com tem­po li­vre e se vin­cu­lar a ou­tros as­sun­tos, es­pe­ci­al­men­te àque­les que têm si­do pro­te­la­dos, por fal­ta de tem­po.

AQUÁ­RIO 21-1 a 19-2

Es­te é o mo­men­to em que tu­do es­tá em seu de­vi­do lu­gar, aguar­dan­do por um mo­vi­men­to seu que in­di­que ini­ci­a­ti­va e atreviment­o. As­sim, a ener­gia da vi­da e as cir­cuns­tân­ci­as se­gui­rão o sen­ti­do que vo­cê lhes im­pri­mir.

PEI­XES 20-2 a 20-3

De na­da va­le ter ra­zões po­de­ro­sas que jus­ti­fi­quem seus atos, a não ser que vo­cê os co­lo­que em marcha. Mui­ta te­o­ria e pou­ca prá­ti­ca, é as­sim que vai sen­do cons­truí­da de for­ma me­ti­cu­lo­sa a in­fe­li­ci­da­de. Coi­sa de to­do dia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.