Clas­se ar­tís­ti­ca cri­ti­ca mu­dan­ças

Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo diz que tem ‘ob­je­ti­vos si­ner­gé­ti­cos’ com Cul­tu­ra

O Estado de S. Paulo - - Caderno2 - Ma­teus Var­gas / BRA­SÍ­LIA

A trans­fe­rên­cia da Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Cul­tu­ra pa­ra o Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo ge­rou crí­ti­cas da clas­se ar­tís­ti­ca e de po­lí­ti­cos de di­ver­sos par­ti­dos. “Que ab­sur­do a cul­tu­ra do nos­so país ser tra­ta­da des­sa for­ma”, es­cre­veu nas re­des so­ci­ais o se­cre­tá­rio mu­ni­ci­pal de Cul­tu­ra de São Pau­lo, Alê Yous­sef. “Ata­ca­da, su­ca­te­a­da, cen­su­ra­da. E ago­ra, jo­ga­da co­mo uma sub pas­ta de um mi­nis­té­rio pa­ra ou­tro. Al­vo da sa­nha de gru­pos obs­cu­ran­tis­tas rai­vo­sos.”

O de­pu­ta­do fe­de­ral Ale­xan­dre Fro­ta (PSDB-SP) fez um post iro­ni­zan­do o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. “Com a ideia de Bol­so­na­ro trans­fe­rir a Se­cre­ta­ria de Cul­tu­ra que es­ta­va na Ci­da­da­nia pa­ra o Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo acho que o pri­mei­ro fil­me a ser re­a­li­za­do po­de­ria ser o Meu Pé de La­ran­ja Li­ma”, es­cre­veu o de­pu­ta­do, re­fe­rin­do-se ao mi­nis­tro Ál­va­ro Antô­nio, al­vo de desgaste por sus­pei­tas re­la­ci­o­na­das a des­vio de re­cur­sos pú­bli­cos por meio de can­di­da­tu­ras la­ran­ja nas elei­ções de 2018.

Dois ex-mi­nis­tros da Cul­tu­ra tam­bém se ma­ni­fes­ta­ram. Mar­ce­lo Ca­le­ro cha­mou a de­ci­são de “mes­qui­nha”. “Co­lo­car ór­gãos co­mo a Ca­sa de Rui Bar­bo­sa, a Bi­bli­o­te­ca Na­ci­o­nal, o IPHAN, a Fun­da­ção Pal­ma­res, o IBRAM e a Fu­nar­te sob a ba­tu­ta do Mi­nis­té­rio

do Tu­ris­mo, é de uma vi­são tão pe­que­na, tão mes­qui­nha. Fa­la-se mui­to que so­mos “Um país sem me­mó­ria”. As­sim se­gui­re­mos. Ca­da vez com me­nos”, es­cre­veu no Twit­ter.

Ro­ber­to Frei­re dis­se, tam­bém nas re­des so­ci­ais, que “re­al­men­te a Cul­tu­ra pa­ra o go­ver­no Bol­so­na­ro é um es­tor­vo”.

A atriz Pa­trí­cia Pil­lar tam­bém co­men­tou a trans­fe­rên­cia. “Um país que não va­lo­ri­za sua cul­tu­ra é um país sem ros­to. As­sim, o Bra­sil vi­ra as cos­tas ao que o po­vo bra­si­lei­ro tem de mais ori­gi­nal, sua per­so­na­li­da­de e sua his­tó­ria. Tris­te Bra­sil...”

Mu­dan­ça de ter­ri­tó­rio. A trans­fe­rên­cia da Se­cre­ta­ria Es­pe­ci­al de Cul­tu­ra ao Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo, as­si­na­da on­tem, re­ti­ra das mãos de Os­mar Ter­ra (MDB), mi­nis­tro da Ci­da­da­nia, uma área que lhe ren­dia crí­ti­cas de pes­so­as do go­ver­no, alas con­ser­va­do­ras e da es­quer­da.

A cri­se na ges­tão da pas­ta trans­bor­dou em agos­to, com a saí­da tur­bu­len­ta de Hen­ri­que Pi­res do co­man­do da se­cre­ta­ria. O ex-se­cre­tá­rio dis­se que a “go­ta d’água” pa­ra dei­xar o car­go se­ria a sus­pen­são do edi­tal que se­le­ci­o­na­ria obras com te­má­ti­ca LGBT pa­ra se­rem exi­bi­das em TVs pú­bli­cas.

A es­co­lha do su­ces­sor, o eco­no­mis­ta Ri­car­do Bra­ga, nem se­quer

pas­sou pe­las mãos de Ter­ra, que só foi co­nhe­cer o cur­rí­cu­lo de seu su­bor­di­na­do di­as após a no­me­a­ção. Bra­ga dei­xou a pas­ta após dois me­ses apa­ga­dos na

Cul­tu­ra, pa­ra as­su­mir car­go no Mi­nis­té­rio da Edu­ca­ção.

A mu­dan­ça dá for­ça ao mi­nis­tro do Tu­ris­mo, Ál­va­ro Antô­nio, al­vo de desgaste por sus­pei­tas re­la­ci­o­na­das a des­vio de re­cur­sos pú­bli­cos por meio de can­di­da­tu­ras la­ran­jas nas elei­ções de 2018. An­tes de ba­ter o mar­te­lo so­bre a trans­fe­rên­cia da se­cre­ta­ria, o go­ver­no co­gi­tou en­cai­xar a pas­ta nos mi­nis­té­ri­os da Ca­sa Ci­vil ou da Edu­ca­ção. No fim, ven­ceu a te­se de que o Tu­ris­mo tem mais pro­xi­mi­da­de com a Cul­tu­ra.

“Pro­je­tos im­por­tan­tes pa­ra o Bra­sil já vi­nham sen­do de­sen­vol­vi­dos em par­ce­ria pe­las du­as pas­tas, que pos­su­em ob­je­ti­vos si­nér­gi­cos e na­tu­ral­men­te in­te­gra­dos, pois o Bra­sil é o 9.º país do mun­do em atra­ti­vos cul­tu­rais pa­ra tu­ris­tas”, afir­mou o Mi­nis­té­rio do Tu­ris­mo em no­ta.

Au­xi­li­a­res de Os­mar Ter­ra re­du­zem o im­pac­to da trans­fe­rên­cia da Se­cre­ta­ria de Cul­tu­ra. Afir­mam que a me­di­da foi fei­ta em acor­do com o mi­nis­tro da Ca­sa Ci­vil, Onyx Lo­ren­zo­ni (DEM), e o pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro. Bol­so­na­ro e Ter­ra con­ver­sa­ram du­ran­te vi­a­gem à Chi­na so­bre a mu­dan­ça na pas­ta.

Re­pe­ti­das ve­zes, Bol­so­na­ro cri­ti­cou o fi­nan­ci­a­men­to pú­bli­co de fil­mes e sé­ri­es com te­má­ti­ca LGBT. Em en­tre­vis­ta à you­tu­ber An­to­nia Fon­te­nel­le, em se­tem­bro, o pre­si­den­te dis­se que é pre­ci­so “re­ti­rar” dos ór­gãos pú­bli­cos pes­so­as que “não apro­vam” fil­mes com “te­má­ti­ca do nos­so la­do”. “O tem­po vai fa­zer a gen­te des­con­ta­mi­nar es­se am­bi­en­te pa­ra a boa cul­tu­ra no Bra­sil”, dis­se. “Mu­dou o go­ver­no. Não é mais o PT, on­de a fa­mí­lia era um li­xo, on­de os va­lo­res fa­mi­li­a­res não va­li­am na­da. Tá na Cons­ti­tui­ção: o que é fa­mí­lia? Ho­mem e mu­lher. Tá es­cri­to lá. Emen­de a Cons­ti­tui­ção e a gen­te vê co­mo fi­ca. Co­mo sou cris­tão, vai ter de apre­sen­tar uma emen­da à bí­blia tam­bém”, de­cla­rou o pre­si­den­te.

A mu­dan­ça tam­bém ocor­re após uma sé­rie de tro­cas no pri­mei­ro es­ca­lão de ór­gãos da cul­tu­ra, co­mo na Fu­nar­te, Fun­da­ção Ca­sa Rui Bar­bo­sa e Iphan.

ERALDO PERES/AP

Ro­ber­to Al­vim. Di­re­tor é no­me­a­do pe­lo pre­si­den­te Bol­so­na­ro pa­ra as­su­mir o car­go de se­cre­tá­rio es­pe­ci­al da Cul­tu­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.