Lu­la vi­ve do pas­sa­do

O Estado de S. Paulo - - Primeira página - Wil­li­am Wa­ack É COLUNISTA

So­bre­vi­vên­cia do che­fão do PT co­mo fa­tor po­lí­ti­co de­pen­de pou­co de­le, e mais de er­ros dos ad­ver­sá­ri­os.

Per­di­da atrás da dis­cus­são so­bre a 2.ª ins­tân­cia es­tá a ver­da­dei­ra ques­tão: a mo­ro­si­da­de do Ju­di­ciá­rio. Fos­se ele mais cé­le­re, mais mo­der­no, mais de­di­ca­do a ser­vir à so­ci­e­da­de e su­as nor­mas – e fos­se ou­tro o re­gi­me de re­cur­sos – e a 2.ª ins­tân­cia de­sa­pa­re­ce­ria co­mo pro­ble­ma. Mas ele es­ta­va lá, o sím­bo­lo da pos­tu­ra lar­ga­men­te ado­ta­da na so­ci­e­da­de bra­si­lei­ra, se­gun­do a qual a cor­rup­ção é o mai­or pro­ble­ma. Re­sol­vi­do es­se pro­ble­ma, o res­to se re­sol­ve. Era um sím­bo­lo ao qual o STF, trans­for­ma­do num clu­be de de­ba­tes po­lí­ti­cos, não po­de­ria re­sis­tir.

O vai­vém do STF é um es­pe­lho da lu­ta po­lí­ti­ca pa­ra ape­ar do po­der um gru­po – per­so­ni­fi­ca­do no PT e Lu­la – que ten­tou, e qua­se con­se­guiu, ser he­gemô­ni­co. Cus­tas­se o que cus­tas­se, ou pa­gas­se o que fos­se ne­ces­sá­rio. Che­fe de um for­mi­dá­vel es­que­ma de cor­rup­ção pa­ra per­pe­tu­ar-se no po­der, Lu­la foi der­ru­ba­do por uma on­da que a La­va Ja­to veio a re­pre­sen­tar.

A der­ro­ta foi so­bre­tu­do mo­ral e su­as con­sequên­ci­as po­lí­ti­cas pro­va­vel­men­te vão durar além da fre­a­da de ar­ru­ma­ção que a La­va Ja­to le­vou de for­ças po­lí­ti­cas que re­sol­ve­ram re­to­mar (com boa do­se de ra­zão, aliás) o pri­ma­do de su­as de­ci­sões den­tro do que se po­de­ria cha­mar de res­pei­to à nor­ma le­gal – prin­cí­pi­os fo­ram, de fa­to, jo­ga­dos de la­do na lu­ta pa­ra des­ti­tuir Lu­la e o PT.

Além dos sus­pei­tos de sem­pre que se be­ne­fi­ci­am da mo­ro­si­da­de e ine­fi­cá­cia do Ju­di­ciá­rio, o que se tem é uma ten­ta­ti­va de re­or­ga­ni­zar a po­lí­ti­ca bra­si­lei­ra além de Lu­la e da La­va Ja­to. O che­fão pe­tis­ta vi­ve do pas­sa­do e dos res­tos de or­ga­ni­za­ções de­bi­li­ta­das e iden­ti­fi­ca­das com in­com­pe­tên­cia e rou­ba­lhei­ra. Seu pe­so es­tá na pro­por­ção in­ver­sa da ca­pa­ci­da­de dos atu­ais de­ten­to­res do po­der de mos­trar que con­se­guem mu­dar de fa­to o País. E da ca­pa­ci­da­de de fa­lar pa­ra a so­ci­e­da­de in­tei­ra, além de seus gru­pos gal­va­ni­za­dos nas re­des so­ci­ais. Em ou­tras pa­la­vras, a so­bre­vi­vên­cia de Lu­la co­mo fa­tor po­lí­ti­co de­ci­si­vo de­pen­de pou­co de­le mes­mo. E mui­to mais dos er­ros de seus ad­ver­sá­ri­os, da fal­ta de vi­são e li­de­ran­ça, e do de­sem­pe­nho da eco­no­mia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.